logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Para Andra, o vínculo com um dragão parece um sonho impossível. Mas quando ela cruza com um belo Cavaleiro do Céu, Andra experimenta um novo mundo de possibilidades. Com um pouco de magia, ela pode até acabar voando pelos céus…

Classificação etária: 15+

Autor original: Erin Swan

 

Estrela D’Alva por Erin Swan está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

ANDRA

Andra pressionou as palmas das mãos contra o vidro, sem fôlego, rezando para conseguir ver melhor.

O dragão passou voando pela janela em arco, despejando fogo de suas mandíbulas.

Uma luz laranja brilhou em suas escamas enquanto a linda criatura girava no sol poente.

Andra prendeu a respiração. Parecia que o dragão estava dançando só para ela.

Essa ideia acendeu um fogo dentro dela, e de repente o vidro ficou quente contra sua palma.

Andra estremeceu ao se afastar. Que estranho que o fogo do dragão pudesse alcançá-la, tão longe como ela estava…

Mas havia tanto que ela não sabia sobre as belas criaturas. Tanto que ela nunca poderia saber.

Ela nunca seria – nunca poderia – ser uma Cavaleira. Os Juízes decidiram há muito tempo que apenas homens podiam ser escolhidos, e apenas da classe mais alta.

Andra só podia sonhar em voar alto pelos céus, caçar na selva ou se tornar uma com seu próprio companheiro de mente…

O destino não brilhou sobre ela como a luz do sol poente. Ela era apenas uma serva.

A coleira de couro em seu pescoço, selada com uma fechadura de metal frio, significava que ela teria mais dez anos de servidão.

Ela tinha quinze anos, então faria vinte e cinco antes de provar a liberdade.

Andra poderia olhar para aquele dia, num futuro distante, e sentir esperança.

Mas ela nunca poderia ser uma Cavaleira de Dragão. Esse era um sonho distante. E um sonho muito perigoso.

“Corrida até as vigas!” Talias gritou, tropeçando para fora de uma lareira próxima e levantando uma nuvem imunda.

Andra foi arrancada de seus sonhos e encontrou seus olhos castanhos cintilantes.

Seu rosto estava coberto de fuligem e o brilho de seu cabelo loiro escurecido pela sujeira, mas ele ainda estava bonito como sempre mesmo sob toda a miséria.

“Ah, é? Bem, eu aposto que você pode comer minha poeira! ” Andra respondeu.

Os dois amigos correram pelo corredor vasto e vazio, seus passos ecoando nas paredes de pedra.

“Não gosto de comer poeira”, gritou Talias. “Eu gosto de bolos e doces.”

A corrida estava acirrada.

“Com um gosto tão bom, acho que você é filho de um Juiz, não de uma ajudante de cozinha!” Andra brincou.

Talias agarrou a única escada, mas Andra estava pronta. Ela já estava subindo pela viga de suporte de madeira.

“O filho de um Juiz não poderia correr como eu”, retrucou Talias.

“Nem escalar como eu!” Andra gritou.

Segurando-a com força entre as pernas, ela puxou o corpo para cima com os braços, uma e outra vez.

Finalmente, ela pulou em cima na viga e sorriu ao recuperar o fôlego.

Ela observou triunfante enquanto Talias chegava ao topo da escada.

“Não sei por que acho que posso vencer você na escalada”, ele ofegou.

Andra deu uma risadinha. Ela esperava que Talias nunca parasse de tentar. Então eles poderiam competir um com o outro para sempre – e ela sempre poderia vencer.

“Bem, posso não ser filho de um Juiz, mas sou filho de uma empregada de cozinha”, continuou Talias. “Então, provavelmente posso encontrar alguns doces para nós.”

“Depois disto?” Andra perguntou.

“Pode apostar. Vamos trabalhar rápido”, respondeu ele.

A amizade de Andra com Talias era a melhor parte de servir no Salão dos Cavaleiros. Ter alguém com quem rir fazia com que o tempo passasse rápido e tornasse o trabalho árduo mais divertido.

Ela o observou com admiração enquanto ele espanava a superfície de madeira com seu pano. Seu cabelo loiro caía na frente de seu rosto, e as mangas de sua camisa estavam enroladas firmemente em seus cotovelos.

Ele trabalhava com segurança, até mesmo com os golpes de sua mão. Talias não se apressou como Andra sempre fazia.

Mesmo quando ele fazia as tarefas, parecia que não havia nenhum outro lugar no mundo onde ele preferisse estar.

Os dois terminaram seu trabalho nas vigas, passando pelos feixes multicoloridos da luz do meio-dia.

Quando a tarefa foi concluída, eles caminharam em silêncio pelos corredores, o som de seus passos perdidos entre a conversa que ecoava nas paredes de pedra e no chão.

Eles baixaram a cabeça e desviaram os olhos dos Cavaleiros elegantemente vestidos que povoavam o Salão.

Esta era a época do ano favorita de Andra, quando os Cavaleiros de toda Paerolia se reuniam no Salão para ver quais jovens se juntariam aos seus escalões…

Eventualmente, o corredor se abriu para a grande entrada. Banners comemorativos pendurados nos tetos altos e nas maciças portas duplas.

Andra e Talias passaram sob o estandarte de seda branca com o brasão dos Juízes – um ramo de oliveira cruzado com uma espada – e o brasão dos elfos – um enorme carvalho em um fundo de púrpura real.

Então eles estavam do lado de fora.

“Ah,” Talias suspirou, virando-se para o sol. Agora que eles estavam fora do Salão, eles podiam conversar livremente. “Se eu pudesse, trabalharia aqui fora o dia todo.”

Os dois caminharam pela grama até a borda da floresta onde os gravetos estavam empilhados.

“Você pode ter sua própria fazenda algum dia, se quiser”, respondeu Andra. “Se você conseguir se diferenciar dos animais do celeiro, claro.”

“Ha.” Talias cutucou seu braço de brincadeira. Ele sorriu para ela, e os dois caminharam em silêncio por um momento.

“Você viveria comigo se eu fizesse isso?” Talias perguntou enquanto levantava uma braçada de madeira. “Eu precisaria de alguém para cuidar dos porcos.”

Mesmo sabendo que ele estava apenas brincando, o coração de Andra saltou em seu peito.

“Você tem sorte de eu gostar de porcos. Mas só vou morar com você se tivermos uma vaca também, então sempre podemos ter leite e creme.”

“Gosto da sua maneira de pensar”, respondeu Talias.

Os dois cruzaram o grande gramado até o Salão dos Cavaleiros com um monte de lenha nos braços. O majestoso castelo de pedra ergueu-se acima deles, as bandeiras voando de suas torres.

O vestido fino de aniagem de Andra era frio contra sua pele, mas o suor gotejava sob o colar de couro. Ela estava acostumada com a sensação. Ela havia usado o colar durante toda a vida.

Nem todos os trabalhadores do Salão usavam faixas de couro no pescoço, mas os servos contratados sim.

A coleira em si dificilmente incomodava Andra, embora ela odiasse o contrato que representava. Simbolizava o crime de seu pai e os dez anos de serviço que restaram.

Mas ela sabia que era inútil ficar com raiva do que ela não conseguia controlar.

Algum dia, ela pensou consigo mesma, minha vida será minha.

Uma sensação de calma tomou conta de Andra, e ela sentiu uma presença benevolente pressionada contra sua mente – como o calor de um fogo.

Por um momento, ela e Talias foram lançados nas sombras. Andra ergueu os olhos para ver uma criatura enorme voando sob o sol.

Suas asas estendidas eram altas como um carvalho, e o sol brilhava como um azul translúcido.

Uma cauda longa e pontiaguda se arrastava atrás da criatura. Enquanto se elevava acima dela, Andra se perguntou como algo tão perigoso poderia se mover com tanta graça.

“Dragão,” ela sussurrou, um sorriso se espalhando em seus lábios.

“A Escolha começará em breve”, disse Talias.

Os dois olhares se encontraram, e Andra podia dizer pela faísca em seus olhos que ele tinha uma ideia.

“E se…?”

“É proibido”, respondeu Andra. “Especialmente para mim.”

Para um servo entrar na sagrada cerimônia de Escolha era uma coisa, mas para uma serva escrava … era quase impensável.

E, no entanto, Andra foi seduzida pela possibilidade.

Ela soube desde o momento em que Talias sugeriu a ideia de que era perigoso.

Porém ela sempre teve dificuldade em dizer não para o bonito ajudante de cozinha desde o dia em que ela chegou ao Salão dos Cavaleiros.

“Estaríamos na mesma sala que aquele dragão,” Talias continuou, levantando uma sobrancelha.

“Vamos fazer isso,” ela concordou, seus olhos brilhando com entusiasmo.

“Isso!” Talias exultou, correndo na frente para entregar a lenha.

Na cozinha, muitas mãos trabalhavam para o jantar da noite. O ar cheirava a alho e alecrim.

Andra largou a braçada perto da grande fornalha.

“Que travessura vocês dois estão cometendo agora?”

Talias voltou-se para o rosto rechonchudo e alegre de Nelly, a cozinheira-chefe do Salão.

Ela agarrou Talias pela orelha e ele a empurrou para longe.

“Sem travessuras, mãe”, ele respondeu inocentemente. “Andra e eu estamos simplesmente fazendo nossas tarefas. Na verdade, temos sido tão bons que acho que merecemos um pequeno agrado.”

Nelly estreitou os olhos em desconfiança, mas eventualmente, ela puxou dois pastéis deformados de seu avental.

Andra e Talias comeram cada um seu próprio doce em uma mordida.

Nelly lembrava Andra de sua própria mãe, que ela não via há anos.

Sua mãe estava vinculada por seu próprio contrato de trabalho em uma mansão de um Juiz distante.

Talias escapou, ziguezagueando entre os chefs com Andra logo atrás. Eles saíram para a grande sala de jantar, onde as mesas do banquete foram colocadas para mais de cem convidados.

Andra correu na frente dele, atravessando o corredor até o salão de recepção.

Ela parou por um momento antes da vasta porta. Aplausos derramaram da cerimônia e, sem hesitar mais um momento, Andra entrou na grande sala.

Talias correu para o lado dela e os dois se agacharam atrás de uma grande estátua enquanto a sala ficava em silêncio.

Andra espiou por cima da base de mármore da escultura … e então a viu novamente.

O dragão.

Os olhos de Andra foram atraídos para ele como uma mariposa para uma chama. Suas lindas escamas azuis eram iridescentes, brilhando como minúsculas safiras.

O dragão abaixou a cabeça graciosamente em direção ao Juiz Dusan, o Mestre do Salão dos Cavaleiros. O Juiz curvou-se por sua vez e então tocou suavemente o focinho da grande fera.

Andra percebeu que estava prendendo a respiração. Finalmente, ela olhou do dragão para a dúzia de garotos humanos e élficos diante do Juiz em mantos cerimoniais.

Esses eram os alunos mais promissores do primeiro ano do Salão dos Cavaleiros.

Os jovens receberam a maior oportunidade em toda a Paerolia: a oportunidade de se vincular com um dragão, se o destino considerá-los dignos do vínculo.

A oportunidade de se tornarem Cavaleiros .

A simples ideia de montar um dragão fez o coração de Andra pular de excitação, embora soubesse que era impossível para ela.

Ela era uma menina – e uma escrava.

O público estava cheio de Cavaleiros mais velhos que se reuniram para ver a mais nova geração de sua classe…

Andra olhou para a estátua que pairava sobre ela.

Eliana dos Dois-Sangues, a última mulher Cavaleira e a guerreira que encerrou a Guerra dos Trezentos Anos entre dragões, humanos e elfos.

“Bem-vindos, cavaleiros em potencial, e nosso convidado, Ena”, disse o Juiz Dusan em saudação.

O dragão acenou com a cabeça para a multidão, fechando seus olhos brilhantes.

O Juiz Dusan usava uma túnica branca real e sua longa barba estava trançada e amarrada com uma fivela dourada.

Ele vigiava o Salão e a área circundante, como era seu dever. Quando os antigos imperadores foram substituídos por Juízes, os Juízes foram encarregados de proteger seu povo e guiar seus Cavaleiros.

“Alunos, ninguém conhece a ansiedade e a empolgação que vocês estão sentindo agora como os estimados homens atrás de vocês…”

Andra observou enquanto os meninos se mexiam.

“E agora”, continuou o Juiz, ” um momento de silêncio enquanto Ena determina quantos Cavaleiros estão entre vocês.”

O salão ficou tão silencioso quanto a própria morte.

Nem um momento depois, um fogo aqueceu a mente de Andra, crescendo cada vez mais perto, até…

Ela engasgou.

Instintivamente, Andra começou a se afastar, erguendo as paredes para proteger seus pensamentos, como lhe ensinaram desde a infância.

Mas havia algo tão gentil na presença que ela parou.

Pressionou-se contra sua mente como um abraço invisível, e ela sentiu a alegria crescer dentro dela com o toque, seus olhos se fechando enquanto saboreava esse contato estranho e maravilhoso.

“Olá, jovem.”

Andra sentiu Talias agarrar sua mão. A dele estava úmida de suor.

“Como você é especial …” a voz suave continuou, “Eu sinto que sua mente é uma estrela brilhante na noite mais escura.”

Então, tão abruptamente como veio, o toque desapareceu.

Andra se virou para Talias, sorrindo maravilhada. Mas ele olhou para ela confuso.

Ela percebeu que era a única com quem o dragão havia falado.

Andra esticou o pescoço, desesperada por outro vislumbre da criatura magnífica que tinha visto algo especial nela .

Talias puxou seu braço, mas ela o ignorou.

“Ena falou!” O Juiz Dusan anunciou.

A sala inteira fez uma pausa em uma trepidação silenciosa quando o Juiz ergueu os braços acima da cabeça.

Cada alma no Salão estava pendurada em suas próximas palavras. Quantos títulos de Cavaleiros de Céu seriam formados este ano?

O Juiz Dusan suspirou.

“O honorável dragão detecta três Cavaleiros em potencial entre nós. Assim, ela nos concederá três de seus próprios ovos para a Cerimônia de Vinculação de amanhã.”

Sussurros irromperam da multidão.

“Sim, os números diminuem, ano após ano”, disse o Juiz Dusan, com a voz afiada. “Mas, como sempre, somos gratos pelo que recebemos.”

O transe de Andra foi quebrado pelas unhas de Talias cravadas em sua palma. Um olhar para seu amigo disse a ela que era hora de eles irem embora.

Agora.

Os dois amigos começaram a engatinhar para as portas duplas maciças, então fugiram, desviando-se para a esquerda nas sombras do corredor.

“A Escolha está prestes a terminar”, sibilou Talias. “Você vai nos matar!”

A ansiedade de Talias fez Andra andar ainda mais rápido, mas não conseguiu estragar a sensação maravilhosa que persistia em sua mente.

Ela ainda podia sentir o calor ardente do dragão, e Andra repetiu suas palavras de afirmação indefinidamente em sua própria voz.

Sua mente é como uma estrela brilhante …

Mas, naquele exato momento, os convidados foram dispensados ​​e os Cavaleiros começaram a se levantar.

Andra começou a correr, mas Talias agarrou a mão dela antes que ela escapasse de seu alcance. Ele a puxou bruscamente para a direita, até a porta de metal gravada que estava aninhada em uma alcova.

O Salão das Memórias.

“Nós também não temos permissão para entrar aqui!” ela avisou.

Mas as vozes profundas dos Cavaleiros estavam se movendo em direção a eles, e eles não tinham escolha.

Eles pularam para a sala escura e Andra fechou a porta atrás deles.

Ela se virou para Talias, que estava lutando para recuperar o fôlego. Seus olhos estavam tão arregalados de exasperação que Andra bufou de tanto rir.

Embora Talias tentasse não sorrir, ele acabou se juntando à amiga. E quando Andra afastou o cabelo castanho na altura do queixo que havia caído em seu rosto, Talias pegou sua mão.

Ela sentiu a sensação familiar na boca do estômago ao toque. Ela olhou em seus olhos calorosos, que pareciam um lar para ela.

“Isso foi assustador”, ele sussurrou. Mas seu sorriso implicava que também tinha sido divertido .

Andra queria contar a ele o que o dragão havia dito a ela, mas Talias já estava desviando o olhar. Ele olhou para o teto alto da pequena sala.

“Ers Fehnar.”

Os olhos de Andra viajaram pela intrincada escultura na parede…e então sua respiração ficou presa.

Fogo rodopiante de todas as cores diferentes estava preso em grandes orbes semelhantes a vidro suspensas perto do teto.

Estas foram as primeiras chamas dos dragões antigos – cujos corpos se foram há muito tempo, mas cujas memórias foram preservadas para sempre.

As orbes balançavam suavemente na escuridão. Andra foi hipnotizada por um vermelho profundo e derretido.

Diante de seus olhos, a esfera vítrea parecia crescer e depois desaparecer. A única coisa que ela podia ver era a chama vermelha que tinha queimado por séculos: sempre turvando, nunca apagando.

Ela sabia por sua cor que esta primeira chama pertencia ao Guardião Oriens do Sol Nascente, o dragão lendário que ajudou a derrotar o imperador do mal e restaurar uma nova ordem para Paerolia.

Ele tinha sido o Par de Eliana.

Andra ficou pasma ao pensar no Par de Cavaleiros do Céu…eles eram corajosos não apenas na batalha, mas em sua visão de como o mundo poderia ser.

Oriens e Eliana sabiam que humanos, elfos e dragões podiam viver em paz.

“Andra,” Talias sussurrou.

Ela sabia, em algum lugar no fundo de sua mente, que eles deveriam partir.

Mas quando a visão se materializou diante dela, ela ficou enraizada no lugar.

As chamas vermelhas começaram a girar. Eles formaram formas que trabalharam juntas para criar uma imagem completa.

Era um dragão, voando sobre enormes asas derretidas. E em suas costas estava uma garota cujo cabelo esvoaçava ao vento.

Andra sabia que devia ser Eliana dos Dois Sangues.

Mas por apenas um momento, a Cavaleira se parecia com ela…

Um desejo indescritível encheu Andra. Queimou em seu coração e envolveu sua garganta.

Instintivamente, Andra ergueu a mão até a fechadura de prata em seu colarinho, a mesma coisa que tornava seu sonho impossível.

Mas no momento em que ela o tocou, ela engasgou e se afastou. Seu dedo foi queimado…

Toda a razão dizia a Andra que ela nunca conheceria magia. Ela nunca sentiria o calor sobrenatural da chama de um dragão…

E ainda, a fechadura que a prendia estava escaldante.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

ANDRA

No dia seguinte, as festividades continuaram no Salão. O barulho alegre do Banquete dos Cavaleiros encheu a sala de jantar até as vigas.

Andra alcançou habilmente entre dois Cavaleiros fantasiados, enchendo as duas taças de vinho com sua grande jarra.

Como uma serva, Andra era bem treinada para ser silenciosa e invisível … o que significava que ela era uma excelente bisbilhoteira.

“… E então Gorvenal perguntou, 'Você não prefere o coelho assado ?' E ele queimou meu jantar para mim!”

O Cavaleiro deu um tapa no joelho ao ouvir a história do companheiro, jogando a cabeça para trás de tanto rir.

“Estava um pouco cozido demais, é claro, mas mesmo assim delicioso.”

Andra sorriu para si mesma enquanto continuava a descer a longa mesa.

Imagine ter um dragão como amigo, ela pensou com inveja.

Os Cavaleiros não eram apenas os melhores soldados entre os humanos e elfos, mas também tinham um vínculo inimaginável com as criaturas mais incríveis.

“O ano mais longo da minha vida”, comentou um elfo mais adiante na mesa, seu longo cabelo louro-claro preso atrás de orelhas pontudas.

Os outros ao seu redor assentiram em compreensão.

“Por favor, amigos”, outro Cavaleiro interrompeu, levantando a mão trêmula, “não vamos falar sobre o Alcance.”

Quando os copos foram enchidos, Andra continuou seu caminho. Ela tinha ouvido falar dos horrores da Cordilheira de Mordis, onde todos os Cavaleiros passavam um ano de serviço obrigatório.

Quando um Cavaleiro estendeu a mão para pegar um pedaço de pão, Andra olhou por cima do ombro para inspecionar a marca na parte interna da palma. Uma chama verde. Representava o vínculo que ele compartilhava com seu dragão.

Andra olhou para sua própria mão enquanto continuava a descer a mesa. Ela não pôde deixar de se perguntar como seria ter uma marca própria…

Mas sua fantasia teve vida curta, pois enquanto ela estava distraída, ela deu de cara com um Cavaleiro parado diante dela e derramou vinho tinto na frente de sua túnica fina.

O grande homem olhou para suas roupas em estado de choque.

“Me desc-“

Andra não foi capaz de terminar a frase porque, com a velocidade de uma víbora, o Cavaleiro deu um tapa forte no rosto dela.

Seu rosto doeu, mas foi o orgulho de Andra que mais doeu.

Ela cerrou a mão livre em um punho. Ela ansiava por encontrar os olhos furiosos do Cavaleiro, para retribuir o tapa que ele deu a ela, mas a voz de sua mãe ecoou em sua mente:

“Sua obstinação a matará, assim como seu pai …”

“Não precisa de violência, amigo!” Outro homem se levantou e falou com seu camarada furioso. Andra o reconheceu como o homem com a marca verde.

Seu cabelo encaracolado cobria suas orelhas, mas Andra podia dizer por seus olhos azuis claros que ele era um elfo.

Com um aceno de sua mão esguia, o vinho pareceu se retirar da túnica de seda do homem grande, deixando-a tão imaculada quanto antes.

Naquele momento, Andra sentiu uma agitação dentro dela. Era como se a magia parecesse quase familiar, embora ela nunca tivesse testemunhado nada parecido.

Andra esqueceu a regra de nunca olhar nos olhos de seus superiores. Ela olhou maravilhada para o Cavaleiro élfico, e ele piscou para ela.

“Mestre Cavaleiro, nossas mais queridas desculpas!”

Talias apareceu ao lado de Andra e fez uma reverência diante dos dois homens. Como Talias não era um servo escravo, ele não usava a coleira e seu status era superior ao dela.

Andra, relutantemente, também se curvou.

Talias agarrou a mão dela e puxou-a para longe.

“Você está bem?” ele perguntou suavemente, liberando-a enquanto conduzia os dois para a cozinha.

“Não estou ferida, se é isso que você quer dizer”, respondeu ela. “Mas não é surpreendente que os melhores homens de toda a Paerolia possam ser esses porcos?”

“Andra!” Talias avisou. “Essa sua boca é mais perigosa do que um dragão rebelde em um rebanho de ovelhas! Você tem que ter mais cuidado. Eu não posso te perder.”

Andra sentiu suas bochechas corarem quando Talias olhou sinceramente em seus olhos.

“Eu não confio mais em você aí fora,” ele continuou, e sua expressão tornou-se leve mais uma vez. “Vamos lavar a louça.”

Andra sorriu para si mesma enquanto seguia seu amigo.

Os dois caminharam até o fundo da cozinha agitada, onde uma pilha de pratos sujos crescia constantemente. Outros criados já estavam agachados ao lado das grandes tinas de água.

Andra começou a lavar. Ela deixou sua mente vagar enquanto suas mãos trabalhavam.

Nelly a interrompeu com um toque em seu ombro.

“Chegou uma carta para você.”

Andra engasgou, enxugando as mãos no vestido antes de abrir o envelope fino. Ela só recebia cartas de uma pessoa: sua mãe.

Ela examinou a caligrafia trêmula que conhecia tão bem.

Minha querida Andra, começava a carta.

Eu sonho com as maravilhas do Salão nesta época do ano.

Apesar de tudo, não posso reclamar. O Juiz Castigo e seu filho estão me tratando bem.

Andra sentiu uma pequena dor no coração. Ela se lembrava do Juiz e de seu filho Ledo como tudo menos bondosos. Na verdade, eles eram violentos e cruéis.

Mas era típico de sua mãe proteger Andra da dureza da realidade.

Ela tinha feito isso durante toda a vida de Andra.

Embora sua mãe sempre tentasse esconder, ela fez um grande sacrifício para garantir a segurança de Andra. Ela havia acrescentado mais quatro anos ao seu próprio contrato.

Era por isso que Andra vivia no Salão … porque ela tinha uma vida melhor.

É melhor que você esteja longe daqui. Embora eu sinta falta de trançar seu cabelo e ouvir suas histórias.

Todo meu amor,

Sua mãe.

PS. Você viu um dragão?

Andra guardou o bilhete. Seu coração doeu de saudade.

Se ela pudesse contar histórias sobre o dragão enquanto sua mãe trançava seu cabelo…

Mas agora seu cabelo estava curto demais para uma trança e sua mãe estava longe.

Ela voltou a lavar os pratos e tentou se concentrar em quão sortuda ela era.

O Salão trouxe grande alegria para Andra. Aqui, ela tinha Talias, e ela estava cercada pela nobreza de toda a Paerolia.

Mas ela ainda era uma serva escrava.

Andra se perguntou como seria ser apenas mais um servo, como Talias, em vez de ter um contrato de trabalho pairando sobre ela.

Mais dez anos disso, Andra disse para si mesma. Mais dez anos e então estou livre.

***

O tempo passou rapidamente enquanto Andra lavava os pratos ao lado de Talias. Eventualmente, toda a porcelana fina estava limpa e o banquete já havia acabado.

A mãe de Talias assobiou ao chegar para ver como eles estavam.

“Faça uma pausa, jovens,” ela instruiu. “Se vocês se apressarem, podem pegar o resto do sol.”

Andra e Talias não precisaram ser avisados ​​duas vezes. Andra tinha quinze anos e Talias era dois anos mais velho, mas os amigos ainda brincavam como crianças.

Ao se aproximarem da porta, Andra deu uma cotovelada em Talias na lateral de seu corpo. Quando ele se curvou, ela saiu correndo diante dele.

“Eu ganhei!” ela gritou, caindo na grama.

“Nem tudo é uma corrida!” ele gritou enquanto beliscava as laterais de Andra para se vingar dela.

Ela riu até ficar sem fôlego, e então os dois ficaram imóveis enquanto olhavam para o céu.

“É a melhor época do ano, mas também a mais difícil”, disse Talias com um suspiro.

“Se ao menos fôssemos estudantes”, sussurrou Andra, “e não servos…

Ela quase terminou: então talvez pudéssemos ser Cavaleiros também. Mas Talias já estava balançando a cabeça.

“Não podemos pensar assim,” ele sussurrou.

Andra assentiu, pegando a grama com os dedos. As nuvens acima eram fofas, ficando vermelhas com o pôr do sol.

A cor era semelhante ao Ers Fehnar, ela notou – do poderoso dragão de antigamente. Era quase como se o Guardião estivesse olhando para ela agora…

Nesse momento, o sino tocou.

“O Emparelhamento!” Talias ofegou. “A cerimônia está prestes a começar.”

Andra fechou os olhos. Como seria estar lá? Ela se perguntou.

Talias tocou seu ombro e Andra abriu os olhos para encontrar um sorriso diabólico em seu rosto.

“Nós devemos ir,” Talias disse. “Se você escalar a viga do corredor, pode rastejar pela viga de suporte até o salão de recepção!”

O coração de Andra começou a bater mais rápido.

Ela sabia que era uma ideia perigosa … mas também sabia que não podia dizer não.

Os dois amigos compartilharam um último sorriso antes de Andra se levantar e sair correndo.

“O último a chegar é um ovo de dragão podre!” ela gritou.

***

O Salão dos Cavaleiros estava silencioso. Andra correu pelo corredor com pés leves, com Talias um passo atrás dela.

As enormes portas duplas do salão de recepção foram abertas mais uma vez, e Andra pôde ouvir o Juiz Dusan se dirigindo à multidão.

Rápida e silenciosamente, Andra deslizou para cima uma viga de suporte ao lado da porta. Quando ela alcançou o topo, ela rastejou para o salão de recepção.

Empoleirada na viga no fundo da sala, Andra pôde ver toda a cerimônia. E enquanto eles não olhassem para cima, ninguém poderia vê-la.

A cerimônia de hoje exigiu ainda mais pompa e circunstância do que no dia anterior. Enormes buquês de rosas e flores exóticas foram posicionados no final de cada banco.

Os doze cavaleiros potenciais usavam túnicas vermelhas longas. Seus rostos estavam sombrios.

A próxima cerimônia determinaria o resto de suas vidas.

E então o dragão azul, Ena, que estava sentado diante de todos os Cavaleiros de Paerolia, ergueu a asa cintilante que ela segurava à sua frente. Ela revelou três ovos exibidos em um altar dourado.

Verde, marrom … e roxo!

Andra mal podia acreditar em seus olhos. Paerolia não tinha visto o Emparelhamento de um dragão roxo em um século.

“Os Guardiões sorriem para nós!” O Juiz Dusan exultou quando a multidão sussurrou animadamente.

Ena ergueu bem alto a cabeça pontuda, revelando as escamas mais claras de sua garganta, e a sala ficou mais uma vez em silêncio.

Então ela se curvou para ficar bem ao lado de seus ovos.

Ela soltou um ruído baixo, semelhante ao ronronar de um gato.

A voz da mãe. Isso traria os bebês dragões da segurança de seus ovos para o mundo real.

Os ovos começaram a tremer. Andra observou com atenção extasiada quando, muito lentamente, eles começaram a eclodir.

Ena continuou a arrulhar para seus bebês, cantando para eles e dando-lhes as boas-vindas à vida.

Os bebês dragões abriram caminho para fora, e Andra observou com admiração enquanto as criaturas deslizavam para o altar dourado. Lisos com fluido, eles pareciam, para ela, joias vivas.

Andra tinha certeza de que nunca tinha visto nada tão bonito em sua vida.

Esses jovens dragões não eram maiores do que cordeiros, mas cresceriam e se ficariam maiores que as casas da aldeia.

“Os jovens formarão uma conexão com seu Cavaleiro destinado,” Dusan anunciou, “mas o vínculo sagrado é solidificado apenas quando o dragão toca seu companheiro…”

A sala caiu em um silêncio extasiado.

Eu gostaria de poder chegar mais perto para ver todos os detalhes … Andra pensou.

Ela observou todos os jovens dragões enquanto eles estendiam suas asas e experimentavam suas pernas trêmulas pela primeira vez.

Ela gostou especialmente do dragão roxo, que gritava por Ena em voz baixa e era menor do que os outros.

Andra sorriu para o pequeno dragão. Como ela gostaria de poder confortá-lo…

Só então, o dragão roxo se afastou de sua mãe e olhou para as vigas. A jovem criatura olhou diretamente para Andra.

Seus olhos se encontraram do outro lado da sala.

Andra sentiu a presença quente em sua mente mais uma vez, mas agora era diferente. Isso era selvagem – e poderoso, como um fogo violento.

Ao mesmo tempo, Andra confiava que não iria queimá-la. Em vez disso, ela queria se inclinar para ele, para deixar aquele fogo purificá-la e transformá-la na pessoa que ela queria ser.

Andra não conseguia respirar. A poderosa corrente invisível passou entre eles, e havia apenas um pensamento na mente de Andra.

Um pensamento perigoso e transformador:

E se esta criatura perfeita estiver destinada a ser meu par?

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Química

Faz tempo desde a última transa de Emily. E o último relacionamento? Foi há tanto tempo que ela mal se recorda. O que significa que está na hora de um ter um caso bem picante. Emily está preste a conhecer alguém que vai deixá-la em chamas.

O Convite do Alfa

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!

Caindo na Real

Desde jovem, Maya Hamilton era uma garota festeira, e tudo que mais amava era se soltar e fazer o que bem entendia. Jace Parker era um garoto de fraternidade irresponsável que tinha uma queda por garotas festeiras: eles eram perfeitos um para o outro – até que, do nada, ele terminou o relacionamento através de uma mensagem de texto. Agora, dois anos depois, eles se reencontram como aluna e professor, e Maya está escondendo um segredo que pode mudar a vida de Jace!

O Alfa do Milênio

Eve é mais poderosa do que a maioria – porém, quando recebe uma missão com um prêmio que ela não pode recusar, Eve começa a se perguntar se é forte o suficiente para concluí-la. Com vampiros, lobisomens desonestos e divindades malignas atrás dela, a determinação de Eve é posta em questão – e isso acontece antes dela encontrar seu companheiro…

Do universo de Os Lobos do Milênio

A Serva do Dragão

Viaje no tempo com esta reinterpretação medieval da fumegante ~Cidade Réquiem~! Madeline serviu aos poderosos metamorfos Dragões da Horda de Réquiem desde que era jovem. Em seu aniversário de dezoito anos, Hael, o próprio Senhor do Dragão, fixa seus olhos verde-esmeralda em Madeline. Ele tem planos ~maiores~ para ela. Madeline será a escrava sexual subserviente que Hael exige? Ou esse dominador ultra sexy encontrou seu par?

O Guardião Possessivo

Quando a colega de quarto de Kara diz que seu primo vai dormir no sofá por algumas noites, Kara não se importa muito. Até que ele aparece, e eles incendeiam os mundos um do outro.

Fada Madrinha Ltda.

Todo mundo já quis ter uma fada madrinha, certo? Bom, Viola descobre que tem uma – ela só precisa assinar um contrato e todos os seus sonhos e fantasias românticas se tornam realidade! O que poderia dar errado? Que tal o detalhe que ela agora precisa competir em um jogo perigoso contra outras mulheres para conquistar o coração de um príncipe deslumbrante? Que comecem os jogos!

O Mistério de Jack

A enfermeira Riley foi atribuída a um dos pacientes os mais notórios da ala psiquiátrica – Jackson Wolfe. E ele simplesmente é fatalmente sexy, o que é irônico, considerando que todos ao seu redor parecem estar morrendo. Enquanto Jackson atrai Riley com seu charme, será que ela consegue descobrir quem é o assassino… ou é o mesmo homem por quem ela está se apaixonando?

De Repente

Hazel Porter se sentia perfeitamente feliz com seu trabalho em uma livraria e seu apartamento aconchegante. Mas quando um encontro assustador a joga nos braços de Seth King, ela percebe que há mais na vida – muito mais! Ela é rapidamente lançada em um mundo de seres sobrenaturais que ela não sabia que existia, com Seth bem no centro: um Alfa feroz, forte e lindo, que não quer nada além de amá-la e protegê-la. Mas Hazel é humana. Será que isso pode realmente dar certo?

Mentes Perversas

Elaina Duval vivia uma vida perfeitamente feliz e normal com a sua mãe – bom, pelo menos até o dia em que ela completou dezoito anos. No seu aniversário, ela descobriu que foi prometida ao cruel e malvado Valentino Acerbi, que em breve se tornaria chefe da máfia italiana. Sem poder escolher ou dar a sua opinião sobre o assunto, ela é arrastada para o mundo distorcido dele e é forçada a suportar coisas que nenhum ser humano deveria ter que fazer, mas… e se ela começar a gostar?

Classificação etária: 18+ (Aviso de conteúdo: violência, abuso sexual, estupro, tráfico de pessoas)