logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Lyla vai até o coração do Mississippi com uma fraca esperança de encontrar seu companheiro. Achar um par é uma coisa rara, e sinceramente Lyla ficaria contente com o seu namoradinho de infância. Quando a temporada começa sob a lua cheia, Lyla segue um uivo arrepiante para encontrar o seu verdadeiro companheiro – Sebastian, o Alfa Real. Será que Lyla aceitará o seu destino como parte da Matilha Real ou escolherá o seu primeiro amor?

Classificação etária: 18+

Autor Original: Bianca Alejandra

 

O Chamado do Alfa por Bianca Alejandra está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

LYLA

“Beije-me com mais força”, eu exigi.

Caspian obedeceu, pressionando seus lábios contra os meus. Nossas línguas se entrelaçavam em prazer.

Ele estava em cima de mim, seus quadris pressionados com força nos meus. Eu podia sentir seu volume crescendo, e isso me deixava louca de desejo.

“Porra, Lyla”.

A perna de Caspian deslizou entre minhas coxas, seu pau pulsando através de seu jeans. Parecia tão certo, mas o momento estava errado.

Talvez eu não devesse ter concordado em vê-lo uma última vez antes de nossa grande viagem no dia seguinte…

Um grito perfurante irrompeu pelo carro, fazendo com que minha cabeça batesse na de Caspian.

“É só o filme”, disse ele, esfregando a mancha vermelha que se formava em sua testa.

Respiração pesada.

Passos rápidos.

Um rosnado horrível.

O terrível filme de terror exibido na tela gigante… uma história estúpida sobre criaturas horríveis invadindo uma pequena cidade.

Eu olhei para Caspian e sorri. “Isto é o que você recebe por me trazer aqui”. Você sabe que eu não suporto filmes de terror”.

Ele se inclinou e me deu um beijo rápido.

“E o que é mais assustador do que ver um filme de terror com um lobisomem?” Seu sorriso maligno ficou maior, e eu fingi estar assustada.

O Caspian era meu namorado e o filho do beta da nossa alcateia.

Ele e eu éramos amigos desde pequenos… mas eu sempre tive um fraquinho por ele. E eu não era a única.

Desde que consigo me lembrar, minhas amigas estavam rabiscando Caspian em seus cadernos.

Ele era o palhaço da turma e tinha esta energia magnética que atraía as pessoas para ele.

Mas nunca admiti minha queda por ele. Mantive meus sentimentos em segredo, provavelmente porque percebi, já naquela época, o quanto eles eram sérios.

Assim, em uma noite fatídica há dois anos, quando Caspian me disse que também tinha sentimentos por mim, eu era a garota mais feliz do mundo.

E desde aquele momento, somos inseparáveis.

Embora seu pai, o beta da alcateia, não aprovasse, éramos muito felizes juntos.

Nunca me cansei da maneira como ele me olhava com aqueles olhos castanhos acolhedores.

Ou a maneira como ele beijava meu pescoço assim. Enquanto a heroína gritava na tela, eu sentia uma adrenalina.

O Caspian continuou a beijar minha clavícula até que minha camisa o parou. Sua mão adentrou meu sutiã, acariciando meus mamilos duros.

Seus quadris se moviam para frente e para trás, aplicando uma suave pressão. Senti um suspiro escapar dos meus lábios.

“Aqui não”, eu adverti enquanto puxava seu corpo para mais perto do meu.

“Por que não?” ele murmurou no meu ouvido. “Você é tudo em que eu penso…”

Dei-lhe um beijo e tirei sua mão de debaixo da minha camisa.

“Você me ama ou ama a ideia de me foder?”

“Ambos. Elas não são mutuamente exclusivas”.

“Nesse momento, eu diria que são”.

Embora estivéssemos juntos há dois anos, não tínhamos transado. Não era que eu não quisesse, mas eu respeitava os costumes da minha cultura.

Caspian e eu éramos lobisomens da Matilha da Lua Azul. E como lobisomens, estávamos ligados pelo destino a nossos verdadeiros companheiros, que – se tivéssemos a sorte de encontrá-los – estariam para sempre ao nosso lado.

Nas últimas décadas, no entanto, havia se tornado cada vez mais difícil encontrar um verdadeiro companheiro. Isto havia deixado centenas de lobos sem seus companheiros, forçados a terem relacionamento após relacionamento, sabendo que eles não estavam com sua destinada cara metade.

A Cúpula foi criada em resposta a isso, reunindo o maior número possível de alcateias. Todos os anos, um ritual de acasalamento acontecia com o objetivo de conectar os verdadeiros companheiros.

E nós acabamos nesta posição, os quadris pressionados juntos no banco de trás de seu carro, porque estávamos perdendo a esperança.

Observei como os olhos de Caspian encarava o meu corpo. Ele estava banhado pela luz cintilante da tela de cinema; um caleidoscópio de cores manchando sua pele.

“Vamos oficializar. Aqui e agora”, insistiu ele, com seus olhos voltados para os meus.

“A Cúpula começa neste fim de semana”.

“Mas eu te amo”.

Eu suspirei. Foi tão bom ouvir estas palavras. Mas o momento não poderia ser pior.

“O ritual de acasalamento é daqui a uma semana, e já esperamos todo esse tempo. Não faz sentido fazer nada até termos certeza de que não temos companheiros”.

Caspian gemeu e pressionou seus quadris contra os meus quadris uma última vez.

Senti a queimadura familiar… aquele desejo inelutável de sentir sua pele…

Ele desabotoou meu jeans. Logo, o zíper estava para baixo e sua mão estava dentro da minha calcinha.

Depois de um começo desajeitado, seus dedos encontraram o ponto certo, esfregando suavemente, ainda sem entrar dentro de mim.

Minha deusa.

Apertei meus dedos, cavando em seus ombros.

“Não preciso de nenhum ritual para me dizer o que já sei”, ele sussurrou no meu ouvido. “Você é a única para mim, Lyla”.

“Concordamos em esperar”, respondi sem fôlego.

Seus lábios beijaram os meus, e eu senti meu corpo tremer.

Eu queria ter tanta certeza quanto Caspian, mas cada vez que estive perto de ceder, ficava difícil respirar.

E se meu verdadeiro companheiro estiver por aí?

É melhor esperar até termos a certeza. Não é?

“Eu sabia, porra!”

A porta traseira se abriu, e meus olhos de cabeça para baixo viram Teresa, minha melhor amiga. Ela estava me encarando com um olhar de louca.

Ela tirou um fio de cabelo escuro do rosto e sorriu, sua pele marrom clara acentuando seu sorriso brilhante.

“Você está atrasada para dormir”, disse ela, encostada à porta.

Tirei o Caspian de cima de mim e abotoei rapidamente minhas calças.

“Obrigado, Teresa. Você realmente sabe como arruinar um bom momento”, resmungou Caspian.

“Eu acredito que NENHUM momento com você possa ser muito bom”, respondeu ela.

“Ei…”, eu a avisei com um olhar de lado.

Ela levantou as mãos em rendição e se afastou do carro, indo em direção ao seu próprio, convenientemente estacionado a apenas algumas vagas de distância.

Teresa e Caspian se odiavam desde que eu consigo me lembrar.

Já era irritante o suficiente que eu não pudesse estar perto de meus dois melhores amigos ao mesmo tempo, mas era particularmente incômodo considerando que seus pais eram alfa e beta.

“Eu te amo”, disse ele novamente ao ajustar seu volume.

“Também te amo”, respondi, dando-lhe um beijo na bochecha. “Até amanhã”. Eu saí do carro e me inclinei para poder vê-lo. “E descanse um pouco. Podemos retomar de onde paramos”.

A porta do carro se fechou, deixando-me com uma pancada de arrependimento.

Eu sabia que deveria estar feliz – a Cúpula poderia ser o começo de uma vida totalmente nova.

Mas isso foi o que mais me assustou.

E se eu não quiser uma vida nova?

CASPIAN

Eu assisti Teresa roubar minha namorada, me deixando sozinho com meu tesão e um filme de terror drive-in idiota.

A única coisa a fazer era ir para casa e me preparar para a Cúpula.

Tenho certeza que o pai ficaria encantado se eu encontrasse minha verdadeira companheira.

Uma pancada de aborrecimento me atingiu enquanto eu pensava na famosa cerimônia. A voz do meu pai ecoou em minha mente, um discurso que ele não cansava de me dizer:

A Deusa da Lua lhe mostrará sua verdadeira companheira, Caspian. Não se apegue a Lyla. Há coisas melhores para você lá fora.

Eu não precisava da Deusa da Lua para me dizer o que eu queria.

Eu sabia exatamente o que – ou quem – era.

Mas infelizmente Lyla estava tão obcecada com a Cúpula quanto meu pai estava.

Nós já nos amávamos.

Isso era tudo o que eu precisava saber.

Mas aparentemente não era suficiente para Lyla…

Eu suspirei, colocando meu carro em marcha ré e indo embora do cinema drive-in antes que eu pudesse ficar deprimido.

Se isso a faz feliz, eu vou passar pelas moções.

Hoje em dia, ninguém encontra seu companheiro na Cúpula…

LYLA

Teresa e eu chegamos à minha casa bem depois da hora de dormir habitual dos meus pais. Fiquei surpresa ao vê-los sentados com sorrisos no rosto enquanto entrávamos na cozinha.

“Você não precisava esperar por nós”, disse eu.

“Queríamos nos despedir hoje à noite, já que você vai sair bem cedo”, disse minha mãe, sonolenta.

Eu me perguntei sobre seu primeiro ritual. Como eles devem ter ficado assustados – a incerteza de um futuro sozinho pairando sobre suas cabeças.

Meus pais eram namorados do colegial antes de serem companheiros. Eles sempre esperavam que fossem destinados um ao outro.

E foram.

A Cúpula tinha confirmado o que eles sempre souberam. Suas vidas não tinham sido nada além de amor e felicidade. Era tudo o que eles conheciam como companheiros.

Eles já tinham passado exatamente pelo mesmo que eu e o Caspian estávamos passando.

Mas também seremos felizes para sempre?

Eu amava Caspian. Desde que éramos crianças, parecia destinado que estaríamos juntos.

A Deusa da Lua verá as coisas da mesma maneira e nos mostrará que somos companheiros?

Caspian parecia pensar assim…

“Vou me certificar de cuidar muito bem da Lyla”, disse Teresa. “Eu sei que ela vai deixá-los orgulhosos”.

“Vocês duas nos deixarão orgulhosos”, respondeu minha mãe.

Eu estava tão envolvida em minhas próprias preocupações que quase tinha esquecido como o ritual de acasalamento era importante para todos os envolvidos.

O resultado da Cúpula significaria tanto para toda a alcateia quanto para cada lobo individualmente.

Ninguém de nossa alcateia tinha acasalado nos últimos dez anos.

Menos pares de casais significava menos crianças.

Especialmente porque era incomum para um casal acasalado ter mais de um filhote.

Meus pais foram uma exceção, e minha irmã de nove anos, Skye, era o membro mais jovem de nossa alcateia.

Nosso futuro coletivo dependia da união de companheiros para ajudar nossa espécie a sobreviver.

Meus pais nos deram um último abraço e um beijo antes de desaparecerem lá em cima.

Teresa os assistiu ir com um sorriso.

Observando minha melhor amiga, percebi que meu relacionamento com o Caspian não era a única coisa que era uma incerteza.

E se as coisas mudarem entre nós quando encontrarmos nossos companheiros?

A semana seguinte era um grande ponto de interrogação.

Então Teresa se virou e sorriu maliciosamente para mim, e eu sabia que uma coisa era certa: estaríamos sempre lá uma para a outra. Não importava o que o ritual da próxima semana pudesse trazer.

***

“Acho que vou ficar doente”, resmunguei quando o carro adentrou outro caminho de terra.

Tínhamos começado cedo, e Teresa tinha insistido em dirigir o dia todo.

No início, eu tinha deixado facilmente; minha mente estava focada em muitas outras coisas. Mas depois de algumas horas, eu me arrependi de ter concordado com ela.

“Oh, sua grande bebê”, disse ela, pressionando o acelerador. “Se não chegarmos logo, vamos nos atrasar para os comentários de abertura”!

Meu estômago dava voltas enquanto ela acelerava por um semáforo.

“Você está sempre atrasada”, disse eu com os dentes cerrados.

Eu não poderia culpar a Teresa por tudo isso. A Cúpula inteira me deixou doente do estômago. Eu não fazia ideia do que esperar.

Caspian, Teresa e eu fizemos 21 anos recentemente, e esse é o primeiro ano em que você era autorizado a participar.

Na verdade, quase todos os lobos da Matilha da Lua Azul estariam indo pela primeira vez.

Mas a maioria de nós voltaria sozinha.

Pelo menos não serei a única a ficar sem um companheiro…

“Aí está!” Teresa suspirou, e eu segui seus olhos até o fim da estrada.

Escondida atrás de vários tipos de árvores altas, em uma colina com vista para a área, estava uma mansão de arquitetura antebellum.

“A Casa da Matilha Real?” Eu adivinhei.

Teresa havia visitado uma vez, anos atrás, em negócios da alcateia com seu pai, e havia afirmado que havia se apaixonado.

Não apenas com a casa, mas também com o alfa, Sebastian. De acordo com ela, ele era o “homem mais sexy vivo”.

“Não é lindo?” Teresa suspirou. “Quem acasalar com o alfa real será uma cabra sortuda”.

“Talvez ele não encontre uma companheira”.

“Esse tipo de conversa é deprimente”, disse Teresa com desdém. “Pense em pensamentos felizes. Se um solteirão real não é motivação, eu não sei o que é”.

Eu revirei os olhos e decidi satisfazer suas fantasias, mesmo que apenas durante a semana. “Você é a próxima na fila para ser a alfa da nossa alcateia. Se alguém tem uma chance com Sebastian, é você”.

“Você nunca sabe”, disse ela, piscando o olho. “Talvez eu esteja chamando você de Royal Luna até o final da Cúpula”.

Eu ri. Até parece…

Eu era provavelmente a única garota na Cúpula que não estava interessada em Sebastian. A Deusa da Lua teria que ter um senso de humor doentio para me colocar junto com o Alfa Real.

“Tanto faz. Já chegamos lá”?

“Deus, sim. Acalma a franga”, disse Teresa, enquanto ela fazia outra curva.

Como se fosse mágica, uma grande mansão convertida em estilo italiano apareceu em nossa frente. Um pequeno pântano diretamente atrás dela lhe dava uma verdadeira sensação de Mississippi.

O Hotel Fleur de Lis.

Estacionamos em uma vaga de estacionamento e saímos para esticar nossos corpos.

“Eu te disse que nos traria aqui a tempo”, vangloriou-se ela.

“E inteiras também”! exclamei, tirando minha mala do porta-malas.

Olhei ao redor do estacionamento, tentando identificar qualquer carro familiar. O carro de Alfa Hugo não estava longe do nosso. E o de Beta Alexander estava estacionado ao lado dele.

Isso significava que Caspian já estava lá.

Talvez na próxima semana, quando tivermos certeza de que não pertencemos a mais ninguém, possamos finalmente ter algum tempo sozinhos.

Então ele estará se curvando para trás me agradecendo por fazê-lo esperar tanto tempo.

Eu sorri ao pensar em deixar tudo isso para trás e voltar à minha antiga vida e rotinas. Isso aliviou a preocupação presente no meu estômago.

Entramos pela porta da frente, chegando até o lobby, e fomos atingidas por uma onda de atividade ansiosa.

Alfa Hugo e Beta Alexander estavam no centro da agitação, expressões sérias enquanto ladravam ordens.

“Pai?” Teresa disse ao nos aproximarmos, todo o seu ser mudando para o modo alfa-em-treinamento.

“Oh meninas, graças à Deusa”. Alfa Hugo jogou seus braços ao nosso redor. “Estávamos ficando preocupados”.

“Por quê?” perguntou Teresa. “O que está acontecendo?”

“Convoquei uma reunião de emergência”, explicou ele. “Faça o check-in em seu quarto de hotel, depois junte-se a nossa alcateia no salão principal”. Houve um ataque às fronteiras da Matilha Real”.

“Um ataque?” eu perguntei.

“Explicaremos mais tarde”, disse Alfa Hugo. “Vá agora, encontre-se com os outros”.

Teresa e eu fomos até o salão principal, nos espremendo entre a massa de outros lobisomens esperançosos. Havia muitas outras alcateias reunidas ali, e todas elas tinham ouvido a notícia.

Teresa cutucou meu braço e desviou minha atenção para o topo de uma grande escadaria. “Bem, vejam quem é”, ela ronronou.

Levantei-me na ponta dos pés, girei o pescoço sobre a multidão para conseguir ver alguma coisa.

O alfa real.

Sebastian.

Teresa estava certa. Ele era um gato.

Seus cabelos loiros foram escovados para trás, sua apertada camiseta preta mal limitava os músculos ondulantes por baixo e sua linha da mandíbula podia cortar pedra.

E seus olhos…

Eles eram azuis elétricos, e eu senti um choque quando olhares-nos entreolhamos.

Ele sorriu para mim, e sua atitude convencida me fez sentir uma emoção que desceu pela minha coluna.

Oh, Deusa.

De repente, a notícia de um ataque rebelde não era a coisa mais urgente em minha mente.

Porque havia uma nova sensação de pressão entre minhas pernas.

Como se toda esta situação não pudesse ficar mais complicada…

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

LYLA

“Como a maioria de vocês já ouviram, houve um ataque às fronteiras da Matilha Real”, anunciou Alfa Hugo à Matilha da Lua Azul.

“Mas Alfa Sebastian garantiu-me pessoalmente que a ameaça foi neutralizada, e o ritual continuará como planejado”.

Os assobios e os gritos dos membros de nossa alcateia encheram a sala.

“Agora, como todos sabem, esta semana pode ser o momento mais importante de suas vidas”, continuou Alfa Hugo.

“As festividades começam com um coquetel esta noite, e a chamada de acasalamento será daqui a duas noites. Lá você saberá se a Deusa da Lua o abençoou ou não com um companheiro”.

Ele olhou à nossa volta e sorriu para todos nós.

“Estou orgulhoso de todos e cada um de vocês. Sejam vocês mesmos. Tentem não ficar nervosos, porque o plano da Deusa da Lua está fora de suas mãos. Divirtam-se esta semana”.

Sim, é claro.

“Mais uma coisa antes de irem”, Beta Alexander entrou, dando um passo à frente. O olhar dele se fixou no meu. “Se você está atualmente em um relacionamento com outra pessoa presente, por respeito a este evento sagrado, por favor, mantenha suas demonstrações de afeto a um mínimo”.

“Cas”, eu murmurei quando a multidão começou a se dissipar ao nosso redor. Removendo seu braço, dei um passo atrás para colocar algum espaço entre nós.

“Acho que seu pai está certo”, eu lhe disse. “Talvez devêssemos ir devagar”.

O sorriso de Caspian diminuiu. “Você quer dar um tempo durante a Cúpula?”

“Sim”, respondi com um estremecer, na esperança de arrancar as palavras como um band-aid. “Não é que não possamos passar tempo juntos, mas acho que devemos ser amigos, não…amantes”.

Caspian mordeu o lábio e acenou com a cabeça.

“É apenas uma semana. Quão difícil pode ser?” Eu me apressei.

“Acho que você não quer que eu responda a isso”, respondeu ele.

Ao olhar fixamente para meu namorado, percebi que ele tinha razão.

Se um de nós encontrasse um companheiro na Cúpula, então nunca mais estaríamos juntos novamente.

Eu poderia nunca mais beijar o Caspian.

Só o pensamento fez meu estômago girar.

“Ei”. A voz do Caspian me trouxe de volta. Ele havia recuperado sua compostura e tocou meu braço.

“Eu entendo o que você quer dizer. Conseguiremos superar isto, está bem?”

Ele me deu aquele sorriso fácil que eu amava.

Embora Caspian estivesse machucado e confuso, ele se certificou de me consolar.

E isso significou mais do que eu poderia dizer.

“Obrigado”, eu sussurrei.

Ele puxou sua mão para trás e me deu um último sorriso antes de se virar de mim.

Vi Caspian se afastar, me perguntando por que parecia que ele estava levando um pedaço do meu coração com ele.

***

Mais tarde, Teresa e eu descemos a grande escadaria do hotel. A festa já estava em pleno andamento.

Mas eu estava mais do que ansiosa.

“Olhe para isto, Ly!” Teresa disse. O lobby havia se transformado completamente. Uma bola de discoteca refletia o mármore branco e os acentos dourados, e o espaço estava cheio de lobos se divertindo.

Desejei que eu pudesse ser descontraída assim.

Muitos lobos fizeram questão de permanecer solteiros até sua primeira cerimônia de acasalamento para evitar as emoções confusas com as quais eu estava lidando neste momento.

Teresa entrelaçou seu braço com o meu e me arrastou em direção ao bar.

Enquanto ela pedia nossas bebidas, eu observava a cena ao nosso redor.

Eu estava a apenas algumas horas de carro de minha cidade natal, mas me senti como se estivesse em um mundo totalmente novo.

Um mundo de riqueza, poder…e possibilidade.

Um quarteto de jazz tocava perto do bar, e o baixo na música de dança pulsava do outro lado da sala.

O evento se espalhava até o pátio traseiro, que estava coberto por um dossel de luzes cintilantes.

A multidão era jovem e deslumbrante. Apesar de todos vivermos nos EUA, os outros convidados me pareciam exóticos.

Havia um grupo de caras bronzeadas com cabelos longos e colares de conchas de puka que reconheci imediatamente como a Matilha do Mar.

Observei como uma menina nerd-chic se juntou à conversa deles. Ela tocou seus óculos de arame e corou por apenas um momento.

A Matilha Nova Inglaterra, Eu adivinhei.

Senti olhos em mim, então me virei para a grande escadaria… e depois congelei.

Sebastian, o Alfa Real, não vacilou quando nossos olhos se encontraram. Mas seu olhar azul gelado me pegou de surpresa.

Seus braços fortes estavam cruzados, as mangas de sua camisa de botão enroladas até os cotovelos. Eu não conseguia desviar o olhar, imaginando por que alguém pareceria tão sério em uma festa.

Então o olhar de Sebastian se moveu para outro lugar na multidão.

Tentei recuperar minha compostura, amaldiçoando meu coração acelerado. O alfa não estava olhando para mim, ele estava apenas distraído.

Eu respirei fundo. Relaxa, Lyla. Havia centenas de pessoas na festa.

Muito mais para ver do que um alfa temperamental.

Uma eclética tropa de espíritos livres cobertos de lantejoulas e tintas coloridas vagueou do pátio, e eu me perguntava quem eles eram.

“Matilha Adrenalina, fora de Las Vegas”.

Eu me virei para ver os olhos marrons sorridentes do Caspian.

Meu coração errou a batida. O Caspian me viu olhando para Sebastian?

“Acabei de dar um trago no baseado deles no pátio”, acrescentou ele com um piscar de olhos.

Eu vou tomar isso como um não.

Eu dei uma risada. Qualquer nervosismo que eu senti ao vê-lo aqui desapareceu imediatamente.

“Oi Caspian”, disse Teresa, passando-me uma bebida chocantemente verde.

“Teresa, você até que não está feia”, respondeu Caspian e Teresa revirou os olhos. “O que é a bebida?”

“A coisa mais forte que eles tinham. Eles o chamam de 'o pântano'”.

Tomei um gole e engasguei. Não era apenas forte, era radioativo.

“Eu preciso de um desses também”, murmurou Caspian enquanto se voltava para o bar.

Levantei meu copo até o de Teresa.

“À melhor semana de nossas vidas”, ela brindou.

“As amigos que nos fazem passar por isso”, respondi.

Cada uma de nós voltou a beber, embora eu só conseguisse tomar um gole.

“Oh minha deusa, os caras da Matilha Estrela Solitária têm que ser os mais gatos”, Teresa explanou enquanto encarava um grupo de cowboys de jeans. “Eles estão indo para a pista de dança!”

Teresa me arrastou pela mão e o Caspian nos seguiu.

A música eletrônica ficou mais alta quando chegamos à porta, e então entramos em um grande espaço repleto de lobisomens dançantes.

As luzes nos rodeavam enquanto Teresa levantava minha mão e me girava.

Enquanto dançávamos, comecei a me soltar e tomei outro gole radioativo.

“Parece que encontrei meu povo”, alguém gritou sobre a música.

Abaixei minha bebida e observei a garota na minha frente. Ela era alta, loira, bonita, e claramente extrovertida. Ela parecia uma supermodelo.

“Eu também sou uma garota do pântano”, explicou ela com um sorriso autodepreciativo, segurando sua própria bebida verde nuclear. “Eu sou Magnólia!”

Ela estendeu sua mão livre e eu a peguei. Seu aperto foi firme.

“Lyla”, eu gritei em resposta, “e esta é Teresa e Caspian”. Caspian levantou seu copo e os dois aplaudiram.

“Bem-vindo à Matilha Real”, disse ela.

Ela faz parte da Matilha Real…então…é por isso que ela é tão perfeita…

“Vocês têm uns cômodos legais ,” Teresa exclamou.

“Obrigado, garota!” Magnólia gritou enquanto dançava.

Com a mudança da canção, as luzes foram diminuindo e os estroboscópios se tornaram mais intensos. Eu não sabia se era a sala quente ou a bebida forte, mas precisava apanhar um pouco de ar.

Teresa e Caspian estavam se divertindo com Magnólia, então eu me afastei.

Desci um corredor estreito e entrei em um quarto vazio.

Puxando a porta de vidro deslizante, pisei em um pequeno terraço sobre o gramado escuro e prístino.

Sentei-me em uma das cadeiras e suspirei.

A festa era apenas o início da Cúpula, e eu já estava sobrecarregada.

Nesse momento, a porta se abriu atrás de mim.

Alguém se juntou a mim no pátio, e eu me virei para ver quem era.

E depois esqueci de respirar. Era ele.

Sebastian. Parecendo tão preocupado como antes.

Quando ele me notou, parou de repente. Claramente, ele não estava esperando encontrar ninguém aqui.

Mas a porta já estava fechada atrás dele. Já era tarde demais.

Estava sozinha com o Alfa Real.

“Oh. Olá”, disse Sebastian. Então ele se afastou de mim em direção à paisagem escura diante de nós.

“Oi”, respondi, tentando parecer casual. Como se eu não estivesse me assustando com o fato de que o Alfa Real me pegou bisbilhotando a “Fleur de Lis”.

Sebastian suspirou, e eu vi os músculos de seus largos ombros relaxarem sob sua camisa.

O que ele está pensando? Ele era um mistério para mim. E, por alguma razão, eu queria descobri-lo.

“Importa-se que eu me sente com você?”

A voz de Sebastian me trouxe de volta à realidade.

“Seja meu convidado”, eu respondi. “Bem, na verdade, eu sou sua convidada”.

Ele esboçou um sorriso enquanto se sentava. Fazer o alfa sorrir parecia uma realização. Ele parecia ser um cara tão sério.

“Bem-vinda. O que você acha da Matilha Real?”, perguntou ele.

Por que o Alfa Real deve se importar com o que eu penso?

“Hum, é legal”. Ele levantou uma sobrancelha, como se me encorajasse a falar sério. “Quero dizer, eu nunca estive em um hotel melhor. É que, a Cúpula é, uh…sufocante”.

“Nem me fale”, respondeu ele com um suspiro. “Você sabia que na Cúpula do ano passado apenas cinquenta laços de acasalamento foram formados durante a chamada?”

Eu abanei a cabeça. É claro, eu sabia que os números tinham diminuído ano após ano. Mas apenas cinquenta novos laços de acasalamento? Apenas uma centena de lobos acasalados?

Isso significava que as probabilidades deste ano eram sombrias.

“É quase como se a Deusa da Lua estivesse brava conosco”, prosseguiu ele. “Entre os números ruins e os malfeitores deste ano, me faz pensar se deveríamos nos preocupar com a Cúpula”.

Ele olhou para suas mãos. Eu mal podia acreditar que ele estava sendo tão franco comigo.

“Se não houvesse a Cúpula, aqueles cem lobos não teriam encontrado seus companheiros”, eu disse suavemente.

Ele reencontrou meu olhar. “Isso é verdade. Este é o seu primeiro ano?”

Eu acenei, me perguntando como ele sabia disso. Talvez porque eu soasse jovem e ingênua. Mas suas próximas palavras me pegaram desprevenida.

“Foi o que eu pensei. Eu a teria reconhecida”, disse ele, com um sorriso malicioso em seus lábios.

Oh minha deusa. O Alfa Real está FLERTANDO comigo?!

Meu coração estava acelerado.

Eu imaginava Sebastian como o tipo sério, mas agora eu me perguntava se havia muito mais nele do que se vê.

“Lyla! O que você está fazendo aqui fora? Tenho te procurado por toda parte…”

Eu me virei para ver Caspian atravessando a porta deslizante. Seu semblante mudou quando ele reconheceu Sebastian.

Se eu não estava nervosa antes, agora eu definitivamente estava.

“Acho que este lugar não é tão secreto se vocês dois o encontraram”, disse Sebastian.

“Oh, desculpe. Eu não quis dizer…” Eu me apressei.

“Estou brincando”. O alfa franziu a testa. “Sebastian”.

Caspian estreitou seus olhos, analisando o alfa. ” Caspian”. Eu sou o namorado de Lyla”.

“Hmm”, Sebastian murmurou desdenhosamente. Ele olhou para mim, e havia algo ilegível em sua expressão.

Senti-me corada.

E então, nenhum de nós disse nada e o silêncio incômodo se estendeu, um segundo doloroso atrás do outro.

“Vamos voltar para a festa? Teresa está nos esperando na pista de dança”, disse Caspian.

“Claro”, Sebastian e eu respondemos ao mesmo tempo, levantando-nos de nossas cadeiras.

O alfa passou pela porta e Caspian tocou meu braço.

“Ele parece… estranho”, sussurrou ele, e eu olhei para Caspian com um olhar de advertência

Quando voltamos, a festa estava ainda mais agitada.

Atravessamos a sala em direção à pista de dança, e foi fácil identificar Teresa. Ela estava dançando com Magnólia no fundo da multidão, se divertindo como nunca.

“ALFA SEBASTIAN!” Magnólia gritou.

Quando nos aproximamos, a linda loira atirou seus braços em volta dele.

“Vejo que você já conheceu meu noivo”, gritou ela.

Olhei para Teresa e tentei esconder minha expressão chocada.

O Alfa Real tinha uma noiva?! Isso era algo inédito para alguém que iria participar de um ritual de acasalamento.

“Parabéns pelo noivado!” O Caspian respondeu, parecendo um pouco feliz demais por eles.

Eu, entretanto, tinha uma sensação estranha em meu estômago.

“Vamos tomar outra bebida?” Eu disse no ouvido de Teresa.

“Garota, você nem precisa perguntar!” ela respondeu, arrastando-me para o bar. “Outro pântano?”

“Isso mesmo”.

Ia precisar dele para conseguir sobreviver a esta festa.

***

Caspian
Bom dia cabeça sonolenta
Caspian
Que tal explodirmos esta barraca de picolé?
Caspian
Podemos ir para uma aventura
Caspian
Como amigos… 😉
Caspian
Eu já estou com o carro aqui na frente
Lyla
Me dê 15 minutos

Eu sorri para o meu telefone, abanando a cabeça. Olhei para Teresa na outra cama do quarto do hotel, roncando enquanto ela dormia durante toda a manhã.

Infelizmente, eu nunca conseguia dormir quando estava de ressaca.

E a sugestão do Caspian não era exatamente relaxante, mas pareceu divertido.

Após um rápido banho e troca de roupa, abri a porta do passageiro do fiel Ford de Caspian e me afundei no banco.

“Para onde?” eu perguntei.

Ele sorriu para mim, e eu o vi piscar o olho através de seus óculos escuros. Sua barba por fazer estava adorável e seu cabelo estava despenteado por causa da janela aberta.

“Isso é para eu saber, e para você descobrir”.

Meia hora depois, paramos em um estacionamento de terra batida. A viagem tinha ajudado minha ressaca e eu estava pronta para algumas explorações.

Ao sair do carro, um sinal chamou minha atenção.

“Cypress Swamp”, li em voz alta, balançando minha cabeça. “Você simplesmente não se cansa do pântano, não é, Cas?”

“É minha nova bebida favorita”, respondeu ele, enrolando seu braço em torno da minha cintura. Encostei-me a ele, depois me lembrei de nosso acordo.

Merda! Esta coisa de “amigos” é mais difícil do que eu pensava.

Eu me afastei e ele levantou as mãos, fingindo inocência. “Parece que os pântanos são a única coisa que eles têm por aqui”, disse ele.

Começamos por uma trilha florestal. O sol entrava pelas copas das árvores, e éramos as únicas pessoas ao redor.

“O que você achou da festa de ontem à noite?” eu perguntei.

Ele encolheu os ombros. “Foi okay. Não sei, não estou muito interessado na cena da Cúpula. Muitas pessoas novas, muita pressão. Prefiro estar só com você”.

Considerei suas palavras, pensando se Alfa Sebastian era uma das novas pessoas que Caspian preferia evitar.

Parte de mim concordava com ele. A noite passada também me fez sentir sobrecarregada, e eu não entendi totalmente o porquê.

Havia pressão para você se arriscar, para fazer novas conexões.

E, claro, para fazer uma conexão importante… para encontrar um companheiro.

O caminho nos levou a uma passarela de madeira suspensa sobre um pântano verde néon.

Continuamos, apontando aves e répteis uns para os outros, quando eventualmente ouvi um estranho murmúrio.

“Isso foi um jacaré?” Eu me perguntava em voz alta.

“Era meu estômago”, respondeu Caspian. “Faltei ao café da manhã e tudo…”

“Vamos então dar a volta e encontrar comida para você”! Eu respondi. “O que você quer? Gumbo? Lagostas?”

Eu nomeei todos os pratos regionais que conhecia.

“Eu só quero um hambúrguer”, admitiu Caspian.

Voltamos para trás pelo caminho que percorremos. O tempo passou rapidamente, como sempre fez quando estávamos juntos.

Não precisávamos falar o tempo todo. Apenas desfrutávamos da companhia um do outro.

Até mesmo eu estava novamente com fome com o passar do tempo, então eu só podia imaginar como Caspian se sentia.

“Puta que pariu! Lyla, espere!” Caspian agarrou meu cotovelo e eu parei na hora.

“Você quase me causou um ataque cardíaco, o que mundo é que você está…”?

Caspian parecia que tinha visto um fantasma. Ele apontou para o chão diante de nós… e então o chão se moveu.

Era uma serpente!

“Na verdade, é meio fofa”, disse eu.

“Shhhhh!” Caspian me puxou para perto dele, enrolando seus braços em torno de mim.

Um baixo ruído de chocalho encheu meus ouvidos.

“É uma…”? perguntou Caspian.

“Cobra cascavel”, respondi.

Sim, elas eram venenosas. Mas se você não as incomodavam, elas não te incomodavam.

Os braços fortes de Caspian me abraçaram ainda mais. “Shhhh”, ele sussurrou no meu ouvido, me confortando… quando ele era o único que estava aterrorizado.

Eu sorri contra seu peito, fingindo ser uma donzela em apuros.

Eu olhei a serpente. Ela abanou sua língua comprida e bifurcada, seu guizo mantido alto no ar.

E então ela se deslizou, para dentro da floresta.

“Consegui!” disse Caspian, com os olhos arregalados de admiração.

Eu joguei meus braços ao redor dele. “Como você sabia o que fazer?”! perguntei, massageando seu ego só um pouquinho.

“Eu não sei”, admitiu ele. “Eu estava aterrorizado, porra”.

Eu recuei, e talvez tenha sido a maneira como ele olhou para mim…

Mas eu não pude resistir. Eu o beijei profundamente, sem reservas. E ele me beijou de volta.

Ele se afastou, e o olhar em seus olhos âmbar era tão intenso que meu coração errou uma batida.

“Lyla, que se foda isto. A Cúpula, a chamada do acasalamento… todas as coisas que nos mantêm separados”.

Meu peito doía pela sinceridade em sua voz.

“Eu amo você, Lyla. Eu te escolho. Eu não preciso da Deusa da Lua para me dizer. Vamos fugir. Agora mesmo… podemos deixar toda essa besteira para trás”.

Caspian lutou para recuperar seu fôlego. Ele parecia tão bonito, tão certo.

E por que eu não deveria ter certeza também?

Eu amava o homem que estava diante de mim. Eu o conheço.

E no ano passado, apenas cinquenta laços de acasalamento foram formados na Cúpula.

Por que eu precisava da aprovação da Deusa da Lua quando eu tinha tudo o que precisava para ser feliz aqui mesmo em meus braços?

Engoli o caroço na minha garganta e encontrei o olhar de Caspian.

Poderia eu realmente fugir com ele?

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

No Rastro das Estrelas

Desde o dia em que nasceu, Rieka foi trancada todas as noites por sua família, incapaz de realizar seu único desejo; ver as estrelas.

Agora, vinte anos depois, ela arquitetou um plano para fugir com seus amigos, mas ela não sabe que este simples ato de rebeldia mudará sua vida para sempre e a colocará na mira de um Alfa que não a deixará partir.

A Princesa e o Dragão

“Eu pulei da minha cama. Coloquei meu casaco de pele de carneiro. Era verão, mas as manhãs ainda eram frias.

Peguei a mochila de aventura que papai me deu no meu último aniversário, quando fiz sete anos. Ele a encheu de coisas úteis que eu precisaria para caçar salamandras, construir fortes e caçar Dragões.”

Estrada de Aço

Paxton é filha do xerife local. Connor é o líder do Clube de Moto dos Cavaleiros Vermelhos. Suas vidas colidem depois que Paxton volta para casa, para a pequena cidade em que ela cresceu. As faíscas voarão ou o romance deles levará a cidade inteira a uma ruína?

O Resgate de Maximus

Quando Leila volta à sua cidade natal para ser uma médica da matilha, ela se vê presa entre o passado e o presente—e o amor de dois homens—um belo colega médico e um alfa com um segredo. Mas quem fará seu coração bater mais rápido?

De Repente

Hazel Porter se sentia perfeitamente feliz com seu trabalho em uma livraria e seu apartamento aconchegante. Mas quando um encontro assustador a joga nos braços de Seth King, ela percebe que há mais na vida – muito mais! Ela é rapidamente lançada em um mundo de seres sobrenaturais que ela não sabia que existia, com Seth bem no centro: um Alfa feroz, forte e lindo, que não quer nada além de amá-la e protegê-la. Mas Hazel é humana. Será que isso pode realmente dar certo?

A Serva do Dragão

Viaje no tempo com esta reinterpretação medieval da fumegante ~Cidade Réquiem~! Madeline serviu aos poderosos metamorfos Dragões da Horda de Réquiem desde que era jovem. Em seu aniversário de dezoito anos, Hael, o próprio Senhor do Dragão, fixa seus olhos verde-esmeralda em Madeline. Ele tem planos ~maiores~ para ela. Madeline será a escrava sexual subserviente que Hael exige? Ou esse dominador ultra sexy encontrou seu par?

Prometida ao Rei Lobisomem

~ Foi assim que o mundo acabou. ~

~ O rei dos lobos, o monstro mítico, o homem majestoso que eu aprendi a amar e desejar com todas as minhas forças estava lá.. sangrando ao lado de seu trono. Morrendo. ~

~ Ao lado dele estava um demônio sorridente… o Lorde Demônio. Ele apontou para mim com um dedo longo, preto e fino. ~

~ “Você é minha agora”,

O Convite do Alfa

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!

Centelha do Desejo

Órfã jovem e transferida de lar adotivo para lar adotivo, Adeline passou os últimos nove anos sozinha e com um segredo: ela é um lobisomem. Quando, sem saber, ela entra no território da matilha durante uma corrida, ela é capturada e logo descobre que encontrar sua própria espécie não era tudo o que ela esperava que fosse. Quando ela encontra o alfa que a detém contra sua vontade, faíscas voam. Mas será que ele pode vê-la como qualquer outra coisa que não seja um selvagem? Ou ela será sua prisioneira para sempre?

Nas Garras da Paixão

Não existe ninguém no mundo que não ame Scarlet. Ela é jovem, linda, e tem a alma de um anjo… Então é um choque quando o seu amante prometido se revela o impetuoso e cruel Alfa-Rei.

Temido por todos – e com razão- ele retornou depois de sete anos para retomar o que é seu. Será que Scarlet poderá faze-lo abaixar a guarda, ou vai acabar implorando por piedade?

Classificação etária: 18+