logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Aarya é uma loba de 19 anos que nunca se considerou uma romântica incurável até que o menino que ela amava a deixou pela companheira dele. Com o coração partido, ela relutantemente vai ao Baile Lycan, onde conhece o Rei Lycan Dimitri Adonis – e a conexão entre eles é instantânea. Agora o ardente casal deve navegar pelo perigoso mundo da intriga imperial enquanto enfrenta ex-amantes rejeitados, subordinados ciumentos e muito mais.

Classificação etária: 18+

Autor original: Laila

 

Rainha dos Licantropos por Laila está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

Sumário

Aarya é uma loba de 19 anos que nunca se considerou uma romântica incurável até que o menino que ela amava a deixou pela companheira dele. Com o coração partido, ela relutantemente vai ao Baile Lycan, onde conhece o Rei Lycan Dimitri Adonis – e a conexão entre eles é instantânea. Agora o ardente casal deve navegar pelo perigoso mundo da intriga imperial enquanto enfrenta ex-amantes rejeitados, subordinados ciumentos e muito mais.

Classificação etária: 18+

Autor original: Laila

Importante: Esta história é a versão original do autor e não tem som.

“Ele me beijou profundamente e eu sabia, naquele momento, que estaríamos bem”. Fechando o livro agora acabado, suspirei.

Normalmente eu não era o tipo de garota obcecada por histórias românticas, mas na semana passada isso mudou.

Tudo o que tenho feito é ler estas histórias românticas irrealistas e obviamente me imaginar como a protagonista feminina. Quem é o protagonista masculino, você pode estar se perguntando?

O mesmo cara que roubou meu coração quatro anos atrás, Hunter Hall.

“Aarya, você quer ir fazer compras comigo?” Gritou minha mãe escada a cima com sua voz inconfundível.

“Não, mãe”. Eu respondi.

Aarya Bedi, esse é o meu nome. Tenho dezenove anos, e se você não notou pelo meu nome, eu sou indiana, e sim, sou uma lobisomem.

Atualmente, vivo com meus pais, Sid e Tara; eles são acasalados/casados há vinte e sete anos. Meu irmão mais velho, Sai, tem vinte e quatro anos e sua companheira, Zoya, também tem vinte e quatro anos.

Nossa alcateia se chama Lua Negra; eu amo nossa comunidade. Todos se conhecem e crescer aqui foi incrível. No momento, estou treinando para ser uma médica da alcateia; sempre foi algo que eu quis fazer.

Lembro-me quando eu costumava ser provocada quando dizia que queria me tornar uma médica da alcateia. A cor da minha pele e os estereótipos eram o motivo, é claro.

Todos pensavam que essa era a carreira perfeita para mim, já que sou indiana, e todos nós aparentemente somos médicos, advogados ou contadores. Costumava me incomodar, mas agora eu não ligo.

Minha mente estava a mil com pensamentos sobre Hunter Hall; ele era nosso Beta. Ele e nosso alfa, Carter Ward, foram enviados para treinamento há quatro anos, e voltariam hoje.

Ainda me lembro do dia antes deles partirem. Hunter veio até mim com seus lindos olhos azuis e me disse para esperar por ele. Eu tinha apenas quinze anos na época, mas eu sabia que esperaria por ele.

Afinal de contas, eu estava totalmente apaixonada pelo Hunter. Foi nele que dei meu primeiro beijo; ainda me lembro da sensação de seus lábios contra os meus.

A maioria dos lobos encontra seus companheiros aos dezoito anos, e como Hunter não estava aqui quando eu fiz dezoito anos e não encontrei meu companheiro, eu estava convencida de que Hunter era meu companheiro.

Suspirando, saí da cama e caminhei até a minha estante. Tive que pensar em outra coisa, senão eu ficaria louca. Minha estante estava repleta de livros. Pode-se dizer que eu era uma bibliófila.

Meus dedos passaram pelas capas de muitos livros antes de parar em um. Peguei ele e suspirei. Era a história dos humanos, lobisomens e lycans. Não história de ficção, mas de fatos.

Eu sabia que se lesse outra história romântica, meus pensamentos irracionais nunca me deixariam descansar.

Me acomodei na cama e comecei a ler. Humanos, lobisomens e lycans viviam todos em paz, e vivemos assim há milhares de anos.

Não era segredo que os lycans governavam a nós todos; eles eram muito mais fortes e poderosos do que nós, lobisomens.

Nossa família real era composta inteiramente de lycans. Sempre os achei extremamente intimidadores; eles tinham essa aura sobre eles.

Passando pela história de como nós nos reunimos para uma importante batalha, cheguei ao capítulo que sempre me intrigou.

Companheiros dos Lycans. Eles eram considerados tão preciosos para os lycans. Dizia-se que se um lycan perde o seu companheiro, eles entram em erupção e podem matar milhares e destruir cidades.

Existe um exército especial que é treinado para lidar com tais situações. Os licanos só podem ter um companheiro. Eles são incapazes de selecionar e acasalar com outro alguém se seu parceiro morrer, como nós, lobisomens, fazemos.

Eu sempre achei isso tão fascinante. Se um lobisomem perde o companheiro, podemos encontrar a felicidade escolhendo e acasalando com outra pessoa, mas os lycans não eram capazes de fazer isso.

É por isso que o companheiro de uma lycan era tão precioso, e também tornava os lycans extremamente leais. Ao continuar lendo, me deparei com a parte do envelhecimento. Os lycans param de envelhecer aos vinte anos.

Muitos continuam celebrando seus aniversários, apesar de continuarem tecnicamente com vinte anos; podem viver centenas de anos.

Antes do nosso rei atual, o rei anterior governou por quinhentos anos antes de passar o comando ao seu filho. Conta-se que ele foi viajar com sua companheira, e ninguém mais ouviu falar deles desde então.

Nós, lobisomens, também vivemos por muito tempo, mas não tanto quanto os lycans; envelhecemos lentamente.

A história também dizia que se o parceiro de uma lycan é um humano ou um lobisomem, seu corpo se ajusta para se tornar uma lycan. Eles se tornam mais fortes e mais poderosos e são considerados como um lycan.

Essa parte sempre me assustou, mas eu sabia que era verdade. Afinal, minha melhor amiga era agora uma lycan.

Apesar de nunca ter admitido isso a ela, sempre me senti intimidada por ela. Ela mudou, e isso me assustou.

Como o livro não era novo, ele não mencionava nosso novo rei, Adonis Dimitri Grey. Aparentemente, todos o chamavam de Dimitri, e somente aqueles que eram suficientemente próximos a ele podiam chamá-lo de Adonis.

Nosso rei era estranho; ele assumiu o trono sem nenhuma companheira ao seu lado, o que era inédito. Todos os reis lycan antes dele haviam encontrado suas companheiras antes de se tornarem reis.

Ele também odiava fotos, aparentemente; havia apenas três. Uma quando ele nasceu, outra quando seus irmãos nasceram, e a última quando ele assumiu o trono.

Eu era apenas uma criança quando ele assumiu o trono; já se passaram dez anos. Ninguém sabe realmente a verdadeira idade do rei, e suspeito que ele provavelmente também não conta a ninguém.

Um som familiar começou a tocar, e eu rolei para pegar meu telefone, que estava carregando. Ao ver o nome piscar na tela, sorri e respondi rapidamente.

“Sophia Butler, há quanto tempo”, provoquei.

“Aarya Bedi, não me provoque. Você sabe que tenho estado ocupada”, lamentou minha melhor amiga Sophia.

“Você tem estado realmente ocupada? Ou o Luke tem mantido você presa”? continuei provocando.

Sophia riu: “Você é horrível”. Você sabe que eu tenho estado ocupada. Aliás, o Baile Lycan está chegando! Você não está animada?”

Ah sim, o Baile Lycan. A maneira do reino de garantir que todos da alcateia possam ver o palácio e conhecer o rei. Eu odiava isso.

Esta foi a segunda vez que nossa alcateia foi escolhida para ir, mas seria a minha primeira vez. Sempre detestei bailes, formaturas escolares, recepções de casamento. Não sei o por que, já que adoro me vestir.

Tenho a sensação de que a razão pela qual eu odiava o Baile Lycan, mesmo nunca tendo ido, era porque eu estava intimidado pelos lycans.

Na primeira vez que fomos escolhidos, eu estava com uma gripe terrível. Meus avós voaram do Canadá, onde moram, para vir cuidar de mim enquanto o resto da minha família ia ao Baile.

Foi assim que minha melhor amiga conheceu seu companheiro lycan, Luke.

Ela é aquela que eu mencionei antes. Sophia conheceu Luke no baile há quatro anos, e desde então, ela mudou muito.

Não me entenda mal, fiquei muito feliz quando ela me ligou e me disse, mesmo que ela estivesse vomitando. Mas uma parte de mim sabia que eu iria perder minha melhor amiga.

Afinal, ela era uma lycan agora, e eles tinham papéis e responsabilidades muito importantes. Seu companheiro, Luke Martin, era o chefe dos guerreiros, então Sophia permanecia ocupada o tempo todo.

Como ela adorava organizar, ela ficou encarregada de organizar eventos importantes, e o Baile Lycan era o mais importante que Sophia organizaria.

“Oh sim. Estou tão ansiosa por isso”, respondi sarcasticamente.

“Bem, o bom é que você vai poder me ver”. Sophia tentou me animar.

“Isso é verdade. Não nos vemos há um ano. Não desde que você voltou para casa para ver seu sobrinhozinho”. Suspirei.

“Eu também sinto sua falta. Gostaria de poder voltar mais vezes”. Sophia também suspirou.

“Você está ocupada, eu entendo. Mas ainda bem que temos a tecnologia. Podemos sempre conversar mesmo que não estejamos juntas”, disse eu.

“Isso é tão verdade. Oh, Aarya! Mal posso esperar para ver você! Você vai embora amanhã, né?” perguntou Sophia.

“Sim, amanhã. Bem cedo”. Suspirei: “Pare de suspirar! Pelo menos tenta ficar um pouco animada”, reclamou Sophia.

“Está bem, me desculpe. Vou tentar”. Ri.

“Bem, tenho que ir agora. O dever me chama, mas mal posso esperar para vê-la amanhã”, respondeu Sophia.

“Vejo você amanhã”, disse eu, desligando.

Não demorou muito para minha mãe entrar no meu quarto com Zoya, carregando uma bolsa. Eu sabia o que tinha dentro: meu vestido para o baile.

“Aarya, você precisa fazer as malas. Você sabe que amanhã partimos cedo”, disse mamãe, abanando a cabeça para mim.

Gemendo, Zoya riu e disse: “Vou ajudá-la a fazer as malas”.

Mamãe acenou com a cabeça e saiu. Zoya me arrastou para fora da cama e me ajudou a fazer as malas. Foi uma distração para não pensar em Hunter.

Assim que terminamos, perguntei a Zoya: “Então, alguma notícia de quando Hunter e Carter voltarão?

“Por quê? Impaciente, né?” Zoya riu.

“Não, só estou curiosa, só isso”. Eu virei meus olhos.

Zoya era a única da minha alcateia que sabia que Hunter me beijou e que eu o amava. Todos os outros pensavam que eu tinha apenas uma queda por ele.

Eu não queria que meus pais soubessem, e especialmente meu irmão. Ele não aceitaria muito bem a notícia, mas eu sabia que podia confiar em Zoya.

“Bem, eles devem estar aqui muito em breve. Você está nervosa?” Zoya perguntou.

“Um pouco. Mal posso esperar para vê-lo”, admiti.

Zoya e eu sentamos na minha cama e conversamos por um tempo. Adorei o fato de poder me abrir com Zoya; ela era basicamente minha irmã.

Sai disse que adorava ver que sua irmã e sua companheira tinham um relacionamento incrível. Tive muita sorte de Zoya ser tão legal! Depois que Sophia partiu, eu me senti só, mas Zoya estava sempre lá para me apoiar.

Pouco tempo depois, minha audição de lobisomem captou o som dos carros a caminho. Eu pulei, meu coração batia tão rápido quanto os meus nervos que começavam aflorar.

Finalmente chegou a hora. Eu iria ver o Hunter depois de quatro anos.

Zoya segurou minha mão enquanto descíamos juntos. Eu parecia bem? Passei minhas mãos pelo cabelo e Zoya balançou a cabeça.

Respire fundo, Aarya, você conseguiu. Está tudo bem. Felizmente, nossa casa era perto da casa da alcateia, onde o alfa e o beta viviam com suas famílias.

Sai estava esperando por nós lá embaixo e segurou a mão de Zoya. “Vamos ver nosso alfa e beta”.

Zoya não largou minha mão enquanto andávamos a curta distância até os carros que já estavam estacionados. Meu coração batia tão rápido, que eu só queria ver Hunter.

Caminhamos até os carros, e minha loba estava inquieta. Era esse o sinal que eu estava procurando? Meu companheiro estava aqui?

Meus sonhos estavam se tornando realidade. O Hunter sairia daquele carro e saberia que somos companheiros. Ao ouvir a porta do carro abrir, minha cabeça se partiu ao som.

Primeiro, nosso alfa, Carter Ward, saiu. Ele não havia mudado nem um pouco. Bem, exceto que ele ficou musculoso. Seus olhos verdes brilharam com malícia e felicidade. Sim, o mesmo Carter de sempre.

Ele tirou um pouco dos seus cabelos loiros do rosto antes de abraçar seus pais e seu irmão mais novo. Observei ele cumprimentar a todos antes de parar em mim.

Tive sorte de o futuro alfa querer ser meu amigo. Durante toda a escola, Carter sempre esteve presente ao meu lado e eu não conseguia lhe agradecer o suficiente.

Eu o considerava um dos meus melhores amigos, junto com Sophia.

Um sorriso contagiante tomou conta de seu rosto, e eu me vi sorrindo também. Quando dei por mim, Carter me pegou e me girou, fazendo os adultos rirem.

“Aarya! Oh, como eu senti sua falta! Você mudou um pouco. Puberdade, hein?” Carter provocou.

Revirei os olhos e o abracei. “É bom ver você também, Carter”. Você não mudou nada. Não se preocupe, às vezes as pessoas demoram a amadurecer”, brinquei, ganhando risadas dos pais de Carter.

Carter sorriu e me abraçou novamente. “Eu realmente senti sua falta, Risonha”.

“Eu também senti sua falta”, rindo do apelido de Carter para mim, que ele não havia esquecido.

Ao ouvir a porta do carro aberta, olhei sobre os ombros de Carter para ver um corpo familiar saindo do carro. Suas costas estavam voltadas para mim, então ele não sabia que eu estava atrás dele.

Eu queria ver seus olhos azuis cheios de amor e adoração por mim.

Carter saiu do caminho e ficou ao meu lado, o que eu achei um pouco estranho. Ele não deveria ter continuado a cumprimentar a todos?

Talvez ele quisesse ver o momento em que eu e Hunter nos reconheceríamos como companheiros. Sim, deve ser isso.

Meu lobo continuava lá, alimentando meus pensamentos de que Hunter era de fato meu companheiro. Eu observava como seu cabelo castanho claro soprava ao vento. Suas costas ainda estavam voltadas para mim; eu só queria que ele se virasse.

O que ele estava esperando?

Bem quando eu pensava que ele estava prestes a se virar, e aquele momento mágico com o qual eu sonhava iria acontecer, Hunter voltou para o carro e estendeu sua mão.

Meu coração parou quando vi uma mão bem cuidada chegar a de Hunter. O sorriso sumiu do meu rosto e foi substituído por um olhar de traição.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

Carter segurou minha mão, e agora percebi porque ele estava ao meu lado. Ele sabia sobre o beijo entre mim e Hunter, ele sabia sobre minha paixão por Hunter, e ele sabia que eu ficaria arrasada quando o visse.

Meus olhos não saíram das costas de Hunter enquanto ele ajudava uma garota deslumbrante a sair do carro. Bastava um olhar para os dois para saber que eles eram companheiros. Meu coração parecia partido em milhões de pedaços.

Meu ritmo de lobo não batia porque Hunter era companheiro, mas porque Hunter tinha um companheiro. Era uma grande diferença.

As lágrimas ameaçavam cair, mas eu me recusei a deixá-las. Hunter não podia ver o quanto isso me afetava; eu precisava ser forte.

Virei-me para olhar para Carter, que tinha um olhar de culpado no rosto. Eu sorri tristemente para ele e balancei minha cabeça. A culpa não foi dele, e não foi do Hunter, realmente; você não pode escolher seu companheiro.

Embora esta seja a única vez que eu desejei que você pudesse. Ver a pessoa que você esperou pegar sua companheira e apresentá-la foi como receber uma facada no estômago.

Quatro anos desperdiçados, sentada e esperando por ele como uma completa idiota.

O Hunter estava a caminho com a sua companheira. O sorriso em seu rosto foi outro golpe para mim.

Eu gostaria que ele tivesse aquele sorriso quando olhou para mim, mas aquele sorriso estava reservado para sua companheira, e não era eu.

Soltei a mão de Carter e limpei minhas palmas suadas no meu jeans. Hunter estava apresentando sua companheira a Sai e Zoya; eu era a próxima. Eu não podia deixá-lo ver o quanto eu estava chateada.

Em vez disso, eu deveria ficar feliz por ele, como todos os outros. Esperava passar pela apresentação sem chorar.

Eu respirei fundo enquanto Hunter veio até mim. De repente, as lembranças de nós, há quatro anos, me passaram diante dos meus olhos. Seu sorriso lindo, aquele beijo incrível, suas promessas.

Fechando os olhos, mergulhei no meu devaneio. Quando eu os abri, Hunter estava sorrindo para mim, não como costumava fazer. Apenas um sorriso amigável, como ele tinha sorrido para todos os outros.

“Aarya, gostaria que conhecesse minha companheira, Lana Reed”. E fez um gesto em direção à sua companheira.

“É um prazer conhecê-la, Lana. Boa sorte em domar este aqui”, brinquei.

Lana riu e disse: “Eu gosto de você! Você é engraçada. Espero que possamos sair mais. Eu preciso de mais amigas”.

Meu intestino se contorceu com as suas palavras; ela era tão simpática. Isso tornou mais difícil odiá-la.

“É claro. Adoraria sair com você”. Sorri. Maldito seja eu por ser muito educada. Por que eu não poderia dizer que não queria sair com ela?

Lana sorriu de volta, e o casal avançou a fila. Carter tinha ido embora, e eu fiquei parada ali apenas com meus pensamentos.

Zoya tocou gentilmente meu ombro, me fazendo pular. Olhei para ela e vi a tristeza em seus olhos. Suspirei e abanei a cabeça.

Eu não queria falar, e não queria compaixão. Eu só queria sentar no meu quarto e chorar, mas não podia sair ainda.

Ao invés de meus olhos seguirem Hunter e Lana, me concentrei em Carter, que estava conversando com os membros do conselho.

Quando ele terminou de falar com os membros do conselho, voltou o olhar para mim, provavelmente sentindo meu olhar, que estava firmemente preso a ele.

Ele veio até mim e sussurrou: “Vá para casa, Aarya. Eu lhe dou permissão. Não fique aqui enquanto você está se despedaçando. Você precisa ir para casa”.

Olhei para ele com lágrimas nos olhos e sussurrei: “Por que não me contou?”

Carter parecia chateado. Ele limpou uma lágrima perdida que havia escapado.

“Oh, Risonha. Eu não sabia como fazer. Eu não queria lhe dizer por telefone ou por carta. Queria lhe dizer pessoalmente, mas não tive a oportunidade. Lamento muito”.

Fungando, suspirei: “A culpa não foi sua. Tenho que seguir em frente, mas também preciso de algum tempo para chegar a um acordo quanto a isto”.

Carter acenou com a cabeça, entendendo o que eu estava dizendo. Beijou minha testa e eu me virei, voltando para minha casa.

Ouvi Carter dizer à minha família e a todos que ele me deixou ir para casa porque eu estava cansada. Assim que cheguei em minha casa, corri para cima e me transportei para roupas confortáveis.

Eu costumava usar a camiseta do Hunter todas as noites para dormir, mas a tirei do meu armário e a joguei direto no lixo. Não deveria mais usá-la; perdi todo o direito sobre Hunter quando ele encontrou sua companheira.

Sua companheira. Meu coração se partiu ainda mais, se é que isso era mesmo possível.

Desabando na minha cama, deixei as lágrimas caírem. Deixei que elas ensopassem o meu travesseiro e me deixei chorar. Todo este desgosto foi demais para mim.

Depois de todo esse tempo de querer um companheiro, de querer o que meus pais tinham, eu me vi sem querer um companheiro. Eu não queria que alguém me amasse; eu estava quebrada. Eu não queria a dor de ter um companheiro.

Os companheiros foram feitos para serem algo mágico, e eu costumava acreditar nisso de todo coração, mas agora não acreditava mais. Companheiros causam dor e tristeza. Quem quer isso?

As lágrimas não cessaram quando minha família chegou em casa. Ouvi minha mãe parar do lado de fora da minha porta esperando que ela não entrasse.

Prendi a respiração para parar meus soluços. Se mamãe me ouvisse chorar, ela não hesitaria em entrar no meu quarto.

“Tara, deixe-a dormir. Temos que acordar cedo amanhã”, disse silenciosamente a voz de meu pai. Ouvi os passos se afastarem e olhei para o teto. Papai tinha razão, amanhã levantaríamos cedo. Precisava dormir um pouco.

Fechando meus olhos, me deixei perder no meu mundo de sonhos….

**

Um zumbido alto me fez gemer quando rolei e desliguei o alarme telefônico. Hoje era o dia do Baile Lycan.

Eu estava com medo porque sabia que estaria cansada. Com sorte, eu conseguiria dormir no carro.

Me forcei a sair da cama, me vesti e me encolhi quando vi as olheiras. Claramente, a noite não foi uma boa noite de sono.

Suspirando, me arrumei e coloquei maquiagem para parecer um pouco mais viva.

Quando desci as escadas, meus pais estavam bebendo suas xícaras de chá, e Sai e Zoya estavam tomando o café da manhã.

De repente, quatro pares de olhos se viraram para me olhar e vi a mesma coisa neles. Simpatia.

Eu não queria a simpatia deles. Tudo o que eu realmente queria era deitar na cama e chorar o dia inteiro, mas eu sabia que isso não iria acontecer. Eu precisava provar para Hunter e para mim mesmo que era forte.

Meu pai me deu uma xícara de café e eu sorri.

Mamãe e Zoya falaram sobre como o baile seria incrível para mim, já que seria a minha primeira vez. Fiquei grata pela distração.

Após comermos, era hora de pegar a estrada. Entrei no carro e imediatamente saquei meus fones de ouvido, dei play na música e coloquei minha cabeça contra o vidro frio.

Papai e Mamãe me deixaram em paz enquanto eu deixava a música me levar para o meu próprio particular. Em pouco tempo, o sono tomou conta de mim, dando ao meu corpo a tão necessária pausa.

“Aarya, acorda”. Minha mãe gentilmente me sacudiu.

Esfreguei o sono dos meus olhos e percebi que estávamos em um posto de gasolina. Estiquei meus braços e saí do carro. Zoya e Sai saíram de seu carro e acenaram para mim.

“Vá e pegue algo para comer e certifique-se de ir ao banheiro. Ainda nos restam duas horas”, disse a mamãe, entregando-me algum dinheiro.

Suspirando, entrei na loja para comprar algo para comer. Acho que tinha uma carranca permanente gravada em meu rosto porque todos olharam para mim, mas depois rapidamente desviaram o olhar.

“Risonha”. Ou devo dizer “Carranca”? Por que a cara longa?” Carter bagunçou meu cabelo.

“Urgh, sério? Porque o cabelo?” Reclamei, empurrando Carter para longe e arrumando meus cabelos.

“Porque não posso fazer isso há quatro anos e sua reação não tem preço, como sempre”. Carter riu.

Revirando os olhos, eu rastejei pela loja, mas parei quando ouvi o riso doentiamente doce de Lana. Oh ótimo, a última coisa que eu precisava era ver Lana e Hunter.

“Vamos lá, Risonha. Vamos pegar um pouco de comida, rápido”, disse Carter suavemente, me levando a outra direção da loja.

Peguei um embrulho junto com uma barra de chocolate e uma garrafa de água. Enquanto estava na fila, ouvi novamente aquela risada. Eles estavam atrás de mim.

Respire fundo, Aarya, respire fundo. Tudo que você precisa fazer é pagar e partir. Não dê atenção a ele, eu disse a mim mesmo.

Coloquei meus artigos no balcão e revirei os olhos enquanto ouvia Lana rir mais uma vez. O que diabos Hunter estava dizendo para ela? Na verdade, esqueça isso, eu não queria saber.

Depois de pagar, saí correndo da loja, precisando desesperadamente de ar fresco. Eu queria esperar por Carter, mas também não queria correr o risco de encontrar Hunter e Lana.

Decisões, decisões. Obviamente escolhi a melhor opção, que era ir até o carro e evitar ver Hunter e Lana.

Por sorte, papai já estava no carro. Ele sorriu quando me viu subir para o banco de trás. Eu me peguei olhando para fora da janela quando vi Hunter e Lana.

Mesmo com apenas um olhar, eles pareciam aquele casal amoroso que todos odeiam. Os que estão sempre dando demonstrações públicas de afeto,e irritando todos em volta.

Hunter tinha seu braço sobre o ombro de Lana e a beijava no pescoço, em público! Se eu pudesse ver, então todos os outros também poderiam. Lana parecia estar gostando, no entanto.

Fiz uma careta e, ao mesmo tempo, fiz contato visual com Carter, que estava engasgando atrás deles. Isso me causou gargalhadas. Ele sorriu para mim, me viu rindo, e fingiu cortar a garganta dele.

Pelo menos eu sabia que não era a único que odiava ver isto.

Assim que mamãe voltou ao carro, papai nos disse que ainda restavam pouco menos de duas horas. Já eram 11 da manhã, então estaríamos lá por volta de uma hora.

Quando papai começou a dirigir, passei a primeira hora comendo minha comida e lendo meu livro que eu havia empacotado. Chega de romances para mim, esse fera livro de mistério, emocionante. Definitivamente, mais o meu estilo.

Na segunda hora, adormeci novamente. Provavelmente foi uma boa ideia; eu precisava dormir antes do Baile Lycan, esta noite.

Mamãe me acordou quando chegamos ao hotel. Carter veio até nosso carro e sorriu quando me viu esfregando o sono dos meus olhos.

“A Bela Adormecida finalmente desperta”, diz ele, estendendo a mão.

Peguei sua mão e disse: “Tanto faz. Eu precisava dormir, caso contrário,não conseguiria sobreviver esta noite”.

“Eu também precisava dormir, mas não, eu tive que dirigir essa maldita viagem até aqui”, reclamou ele enquanto entrávamos na recepção do hotel.

Eu ri da cara de Carter e disse: “Bem, durma um pouco quando fizermos o check-in”.

“Então, Risonha. Hoje à noite, seja minha acompanhante no Baile Lycan. Não consigo me imaginar indo com mais ninguém. Você é o oxigênio que eu respiro, o…”, disse Carter dramaticamente.

Eu bati nele de brincadeira: “Está bem, Sr. Dramático. Diminua o tom. Acho que vou com você”.

“Bom”. Se você tivesse dito não, eu a teria forçado de qualquer forma”. Carter piscou o olho para mim e foi para onde seus pais estavam se registrando.

Eu me ri de como ele era bobo. Carter estava fazendo um bom trabalho para me distrair, e eu sabia que era por isso que ele estava agindo mais bobo do que de costume.

Enquanto caminhava até meus pais, meus ouvidos zonearam involuntariamente na conversa de Hunter e Lana.

“Mal posso esperar até chegarmos ao nosso quarto. Só quero arrancar essas roupas de você”, disse Hunter.

“Você não pode dizer isso! Todos podem ouvir você”, exclamou Lana.

“Deixe que ouçam. Não me importo. Só quero mostrar você esta noite no baile”, respondeu Hunter.

Agitando minha cabeça, me concentrei em qualquer outra coisa. Senti que me intrometi na conversa particular deles, mas ainda doeu.

Hunter claramente não se lembrava do que aconteceu quatro anos atrás, ou ele não se importava. Ele está feliz, e seguiu em frente.

Meu plano era ir com a Hunter esta noite porque, em meu mundo de sonho, eu pensava que seríamos companheiros. Eu estaria na posição em que Lana estava, mas eu não estava.

Quanto mais cedo eu percebesse isso, melhor seria para mim.

Suspirando, fui até meus pais, que me entregaram a chave do meu quarto. Graças a Deus, eu tinha meu próprio quarto porque eu me esforçava para não deixar caírem as lágrimas.

Papai e a mamãe estavam em um andar diferente do meu, então fui para o meu quarto. Mamãe disse para eu começar a me preparar às 16h porque os carros estariam aqui às 19h para nos buscar.

Zoya e Sai estavam no mesmo andar que meus pais, então eu estava sozinha neste andar.

A sorte estava finalmente do meu lado, pois Hunter e Lana não estavam no meu andar. Zoya me enviou uma mensagem quando entrei no meu quarto e disse que estavam no andar dela.

Carter me mandou uma mensagem perguntando em que andar eu estava, e é claro que ele estava no meu andar.

Desembrulhei rapidamente e coloquei meu telefone para carregar. As imagens de Hunter e Lana me assombravam.

Eram 14 horas da tarde, eu tinha que fazer algo antes que meus pensamentos me consumissem. Entrei no banheiro e tirei a roupa, ligando o chuveiro.

Quando entrei no chuveiro quente, as lágrimas começaram a cair. Elas não paravam e eu decidi simplesmente deixá-las cair. Eu precisava tirar isso do meu sistema. Deixei que afogasse minhas lágrimas e minha tristeza.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

No Rastro das Estrelas

Desde o dia em que nasceu, Rieka foi trancada todas as noites por sua família, incapaz de realizar seu único desejo; ver as estrelas.

Agora, vinte anos depois, ela arquitetou um plano para fugir com seus amigos, mas ela não sabe que este simples ato de rebeldia mudará sua vida para sempre e a colocará na mira de um Alfa que não a deixará partir.

Os Guerreiros de Torian

A terra está sob o ataque de uma raça de alienígenas monstruosos que têm um único objetivo: A total destruição da humanidade. Lilly e sua irmã mais nova acabam no meio da confusão e estão condenadas à morte certa… Até que o encantador guerreiro Rei Bor chega de outro planeta e as salva. Sua missão é proteger todos os humanos, mas agora ele só tem olhos para Lilly. Será que o dever vai falar mais alto, ou ele vai sacrificar tudo por ela?

Classficação etária: 18+

Prometida ao Rei Lobisomem

~ Foi assim que o mundo acabou. ~

~ O rei dos lobos, o monstro mítico, o homem majestoso que eu aprendi a amar e desejar com todas as minhas forças estava lá.. sangrando ao lado de seu trono. Morrendo. ~

~ Ao lado dele estava um demônio sorridente… o Lorde Demônio. Ele apontou para mim com um dedo longo, preto e fino. ~

~ “Você é minha agora”,

A Princesa e o Dragão

“Eu pulei da minha cama. Coloquei meu casaco de pele de carneiro. Era verão, mas as manhãs ainda eram frias.

Peguei a mochila de aventura que papai me deu no meu último aniversário, quando fiz sete anos. Ele a encheu de coisas úteis que eu precisaria para caçar salamandras, construir fortes e caçar Dragões.”

Reaprender a Amar

POV: Resumo

Josiah é um motociclista, em luto pela morte de sua esposa. Quando ele inesperadamente herda dois comércios na cidade de Bracketville, ele conhece Brooke, uma mulher local que espera escapar para um lugar melhor. Os dois se unem rapidamente, vendo no outro uma chance de recomeçar. Mas ser o líder de uma gangue de motociclistas é perigoso—colocando em risco o futuro dos jovens amantes…

Classificação etária: 18 +

Autor original: E. Adamson

A Chama nos Une

Em seu aniversário de dezoito anos, Lydia descobre que está destinada a se casar com o rei Gabriel de Imarnia, e sua vida inteira vira de cabeça para baixo. Usando seus raros poderes de fogo e anos de treinamento, Lydia tenta resistir ao destino a todo momento.

Mas o rei Gabriel tem outros planos…

Classificação etária: 18 +

Autor Original: Suri Sabri

De Repente

Hazel Porter se sentia perfeitamente feliz com seu trabalho em uma livraria e seu apartamento aconchegante. Mas quando um encontro assustador a joga nos braços de Seth King, ela percebe que há mais na vida – muito mais! Ela é rapidamente lançada em um mundo de seres sobrenaturais que ela não sabia que existia, com Seth bem no centro: um Alfa feroz, forte e lindo, que não quer nada além de amá-la e protegê-la. Mas Hazel é humana. Será que isso pode realmente dar certo?

Laços Leais

Zoey Curtis está desesperada para sair de seu emprego atual e se afastar de seu chefe idiota! Mas quando ela recebe uma oferta de trabalho como assistente do playboy bilionário Julian Hawksley, ela não está preparada para os desejos ardentes que ele desperta dentro dela…

O Alfa do Milênio

Eve é mais poderosa do que a maioria – porém, quando recebe uma missão com um prêmio que ela não pode recusar, Eve começa a se perguntar se é forte o suficiente para concluí-la. Com vampiros, lobisomens desonestos e divindades malignas atrás dela, a determinação de Eve é posta em questão – e isso acontece antes dela encontrar seu companheiro…

Do universo de Os Lobos do Milênio

O Convite do Alfa

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!