logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Sequestrada por um Alfa

Belle nem sequer sabe que mutantes existem. Em um avião para Paris, ela encontra Alpha Grayson, que afirma que ela lhe pertence. O alfa possessivo marca Belle e a leva para sua suíte, onde ela tenta desesperadamente lutar contra a paixão que cresce dentro dela. Será que Belle irá sucumbir aos seus desejos, ou será que ela é capaz de se segurar?

Age Rating: 16+

 

Sequestrada por um Alfa por Annie Whipple está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

Sumário

Belle nem sequer sabe que mutantes existem. Em um avião para Paris, ela encontra Alpha Grayson, que afirma que ela lhe pertence. O alfa possessivo marca Belle e a leva para sua suíte, onde ela tenta desesperadamente lutar contra a paixão que cresce dentro dela. Será que Belle irá sucumbir aos seus desejos, ou será que ela é capaz de se segurar?

Classificação etária: 16+

Autor original: Greta N

Nota: Esta história é a versão original do autor e não tem som.

BELLE

Respirei fundo enquanto atravessava o aeroporto, com a bagagem em mãos. Não conseguia me acalmar, por mais que tentasse.

Eu completamente detestava voar.

E um voo de onze horas para Paris era a última coisa que eu queria fazer no dia anterior à véspera de Natal. Mas minha mãe tinha implorado para eu vir passar as férias com ela e seu marido.

Eu sabia que ela só tinha me convidado por culpa.

Eu não via minha mãe há mais de cinco anos, e ela parecia não se incomodar em ter me deixado pra trás depois que meu pai adoeceu.

Ela levou apenas um ano para se casar novamente e mais outro para ter um filho. Ela esqueceu completamente de meu pai e eu,, e começou a agir como se nunca tivéssemos existido.

Então, o fato de ela ter  me convidado para ir vê-la agora me deixou muito irritada.

Mas eu não tinha mais ninguém. Paris era minha única opção, se eu não quisesse passar o Natal sozinha.

Passar pela segurança foi mais fácil do que eu pensava, e encontrei meu portão sem muitos  problemas. Mas mesmo com toda essa sorte, não pude deixar de me sentir inquieta.

Eu voei apenas duas outras vezes em toda a  minha vida, ambas por razões que eu gostaria de ter evitado.

A primeira vez foi para o funeral da minha avó na Flórida. A segunda foi para o casamento de minha mãe em Paris com um homem que eu nunca conheci antes – um homem que não era meu pai.

Então, voar não só era absolutamente aterrorizante, como sempre me levava a uma situação indesejada. Eu sabia que este voo não seria diferente.

Esperei pelo embarque   durante meia hora. Queria chegar cedo para ter certeza de que não perderia o voo. Não queria ter que pagar pelo próximo.

Uma vez no avião, não consegui evitar que minhas mãos começassem a tremer. Uma aeromoça sorriu para mim enquanto eu passava por ela e, notando meu nervosismo, acenou com a cabeça para me tranquilizar.

Fiz o melhor que pude para devolver o sorriso.

Quando finalmente consegui chegar ao meu lugar, bem na parte de trás do avião, olhei para o homem que eu iria sentar ao lado durante as próximas onze horas.

Seu olhar se movia para cima e para baixo do meu corpo, parando  no meu busto durante um momento  antes de encontrar meus olhos.

Ele sorriu. “Bem, olá”.

´Ótimo. Simplesmente perfeito.

Vou ter que passar as próximas onze horas sendo secada por um esquisitão.

“Oi”, murmurei.

Ignorando o Sr. Esquisito, peguei minha bagagem de mão e a levantei acima de mim para colocá-la no compartimento superior.

Percebendo que o idiota – que agora só me olhava enquanto eu apanhava da bagagem – tinha colocado sua mala no meio do compartimento, eu bufei, tentando movê-la com uma mão enquanto eu lutava para enfiar a minha ao lado dela.

Eu quase tinha conseguido encaixar minha bagagem quando senti mãos se enrolarem em minha cintura, tocando a pele nua do meu estômago onde minha camisa subiu.

Pensando que era o Sr. Esquisito, tentei me afastar, mas parei enquanto as mãos se apertaram ao meu redor e faíscas se espalharam pelo meu corpo.

Eu sacudi a cabeça para ver  a quem pertenciam as mãos, e senti meus olhos se arregalarem enquanto eu absorvia sua imagem.

Ele era de tirar o fôlego… Grande ao ponto de parecer quase cômico dentro de nosso pequeno avião.

Seus músculos se tensionavm contra sua camisa preta e seu jeans azul, dizendo-me que ele devia ter passado muito tempo na academia.

Ele tinha cabelo castanho chocolate, hipnotizantes olhos verde-escuros , e uma mandíbula que parecia poder cortar papel.

Seus lábios eram cheios e sensuais, e eu me inclinei inconscientemente, imaginando como seria pressionar meus lábios contra  os dele.

Um súbito e profundo rosnado me colocou de volta à posição vertical, e meus olhos encontraram os dele para descobrir que estávamos nos observando. Minhas bochechas ruborizaram imediatamente, mas antes que eu pudesse me sentir muito envergonhada, ele disse.

“Minha companheira”, disse ele, sua voz profunda e rouca sibilando em meus ouvidos. Ele apertou minha cintura suavemente enquanto sua testa baixava para encontrar a minha, e  profundamente.

Eu provavelmente deveria tê-lo esbofeteado, mas em vez disso deixei meus olhos se fecharem e me deliciei com a sensação de seus braços em torno de mim enquanto faíscas deliciosas se espalhavam pelo meu corpo. Eu nem sabia que era possível se sentir tão bem.

Senti sua cabeça se afastar da minha enquanto ele se curvava para se aninhar em  meu pescoço. Inclinei minha cabeça para dar-lhe melhor acesso, e ele soltou um grunhido de aprovação.

E então eu o senti deixar  um beijo suave bem no lugar onde meu pescoço e meu ombro se encontravam. Primeiro meus joelhos ficaram fracos, depois todo o meu corpo ficou dormente e um suspiro fraco saiu da minha boca.

Ele sorriu contra meu pescoço, riu e tomou todo o meu peso em seus braços enquanto eu me inclinava completamente contra ele para que eu não caísse.

Eu estava nas nuvens.

Um pigarro me arrancou do meu transe, e eu soltei um gritinho  e tentei me afastar, lembrando de onde eu estava.

Infelizmente, ao tentar afastar de mim o homem misterioso e incrivelmente bonito, esqueci a mão que ainda estava segurando minha bagagem no compartimento superior.

Ouvi minha mala deslizando na minha direção e rapidamente me abaixei, esperando que o canto duro se chocasse contra minha cabeça.

Mas nada aconteceu, e em vez disso ouvi: “Cuidado, linda”.

Olhei para o homem à minha frente, que ainda tinha uma mão possessivamente descansando embaixo da minha camisa, na minha lombar Sua outra mão agora segurava minha mala acima da minha cabeça.

Ele sorriu para mim e deu uma piscadela antes de empurrar minha bolsa para dentro do compartimento e fechá-lo.

Ainda mantendo sua mão nas minhas costas, ele se virou para olhar para a mulher atrás dele e que tinha tentado chamar nossa atenção durante nosso momento intenso. A mulher parecia chocada e, hesitante, limpou a garganta mais uma vez.

“Desculpe, eu só preciso chegar ao meu lugar, e vocês estão bloqueando o corredor. Eu não queria interromper a sua reunião. Vocês dois claramente não se veem há algum tempo”. Ela sorriu docemente.

Querendo corrigi-la, abri minha boca para dizer que nunca havíamos nos encontrado antes, mas o homem que me segurava chegou primeiro.

“Estávamos apenas procurando nossos assentos. Estaremos fora do seu caminho em um segundo”. Sua voz era suave e tranquilizadora.

A mulher acenou com a cabeça, agradecida.

Fui me afastar, ansiosa para escapar da situação embaraçosa, mas o homem apenas me segurou mais firmemente.

Ele se inclinou e sussurrou no meu ouvido: “Não tão rápido… Você não vai escapar tão facilmente”.

Depois ele olhou para o esquisitão que ficaria sentado ao meu lado durante o voo. “Mexa-se”, ele lhe disse.

O Sr. Esquisito acabou de sentar-se ali e nos olhou por um segundo, provavelmente ainda processando todo o encontro que tinha acabado de acontecer. Fiquei muito desconfortável ao pensar que ele tinha nos observado.

“O quê?”, perguntou ele.

“Fora”, repetiu o senhor atraente. “Estou sentado ali”.

“Desculpa? Eu não vou trocar. Este é o meu lugar”.

O homem que me segurava rosnou baixo. “Aqui, pegue o meu”. Ele entregou o bilhete ao Sr. Esquisito. “É na primeira classe”, disse ele, observando o homem que olhava para o bilhete com a sobrancelha levantada.

“Agora, mexa-se”, disse ele lentamente – quase ameaçadoramente – como se  estivesse desafiando o homem a questionar suas ordens novamente.

O canalha olhou para nós mais uma vez antes de se levantar e rapidamente agarrou sua bolsa, passando por nós com pressa, sem fazer contato visual. Fiquei assistindo, atônita.

Que diabos acabou de acontecer? Este tinha se tornado um dia estranho.

“Continue, linda”, disse meu novo e misterioso vizinho, empurrando-me gentilmente para o assento da janela enquanto seguia próximo atrás de mim.

Sentei-me e assisti enquanto ele sentava ao meu lado. Não tinha certeza do que dizer, ainda um pouco desnorteada e envergonhada com o que havia acabado de acontecer.

“Hm, desculpe por antes”, murmurei, colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha e baixando o meu olhar. Eu queria que esse cara gostasse de mim. “Eu geralmente não ando por aí tocando estranhos assim, eu prometo”.

Eu ri nervosamente. Quando ele não respondeu, eu limpei minha garganta.

“Certo… então por que você desistiu da sua passagem de primeira classe para se sentar aqui atrás?”

De repente, uma mão envolveu meu queixo e virou minha cabeça. Meus olhos encontraram os dele, e a mão dele se moveu para segurar minha bochecha.

“Porque eu queria estar ao seu lado”, disse ele com a voz rouca.

Ele acariciou minha maçã do rosto enquanto examinava cada centímetro da minha face.

“Uau, como eu tive tanta sorte?”

Eu me afastei dele, sem ter certeza de como responder. Devo ter ouvido mal.

“Desculpe, o que você disse?”

Ele apenas sorriu e balançou a cabeça. “Nada. Não se preocupe com isso, linda”. Ele se inclinou para mim por cima do descanso de braço. Estávamos próximos para dois estranhos.

“Eu sou Grayson. Qual é o seu nome?”

Quase como se estivesse atordoada, ouvi-me dizer: “Belle”.

Seu sorriso se alargou. “Belle”, disse ele para si mesmo. “Minha Belle”.

Seus olhos eram tão bonitos. Não pude deixar de me fixar neles “Uh-huh…”, eu disse distraidamente.

Ele soltou uma gargalhada gostosa. Eu disse algo engraçado? “Nosso laço é forte; eu consigo ver”.

Sou só eu, ou nada do que ele diz faz sentido? “O quê? Nosso laço?” eu perguntei.

Ele empurrou um fio de cabelo solto para longe do meu rosto. “Não se preocupe  sua cabecinha com isso”.

Mais uma vez, acordei  do atordoamento em que ele parecia continuar me colocando quando um bebê atrás de nós gritou alto. Percebendo quão perto eu estava do homem – Grayson – eu saltei de volta.

Eu tinha conseguido sentir sua respiração em meu rosto.

Mais uma vez soltei uma risada nervosa, depois coloquei minhas mãos no colo, tentando parecer menos constrangida do que me sentia .

Esse cara provavelmente pensa que sou maluca.

“Então, negócios ou prazer?” perguntou Grayson.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

BELLE

“O quê?” Eu olhei para Grayson mais uma vez.

“Você vai a Paris por negócios ou prazer?”

Oh, certo. Eu quase esqueci completamente de onde eu estava. Voltei a ficar ansiosa quando me lembrei que era possível que o avião provavelmente decolasse a qualquer minuto.

“Oh, nem um nem outro, eu acho. Vou visitar minha mãe e o marido dela”.

Eu devia estar fazendo careta porque Grayson perguntou: “E você não está feliz em ver sua mãe e o marido?”.

Eu balancei a cabeça.

“Não. Não desde que ela abandonou a mim e  meu pai doente para fugir para Paris e casar com amante rico dela”, eu me ouvi dizer.

Eu fiz uma pausa. Não  acredito que acabei de dizer isso.

Eu não havia contado a ninguém sobre minha mãe, e agora eu tinha acabado de falar tudo isso a um completo estranho.

Eu olhei para ele. Sua expressão era pensativa.

“Sinto muito. Não sei por que disse isso. Prometo que não sou aquele tipo de  pessoa louca que compartilha toda sua história de vida com o estranho sentado ao lado no avião”.

Grayson olhou profundamente em meus olhos – quase como se estivesse procurando algo – e então ele pegou o descaso de braço entre nós e o levantou para que não fosse mais uma barreira. Eu observei seus movimentos com atenção.

“Um… O que você está fazendo?”

“Shh….”, disse Grayson. Ele agarrou meus quadris, que já estavam virados em sua direção, e me puxou de modo que meus joelhos tocassem os dele.

As deliciosas faíscas se espalharam para cima e para baixo novamente enquanto sua mão encontrava um caminho sob minha camisa e na superfície das minhas costas, onde seu polegar começou a fazer círculos calmantes.

Eu soltei um suspiro vindo da parte de trás da minha garganta. Sua outra mão subiu para acariciar meu rosto.

“Você não precisa se preocupar com nada agora”, sussurrou Grayson. “Eu vou cuidar de você”. Ele se curvou para que seus lábios tocassem minha orelha. “Você é minha”.

Inclinei-me para trás para poder ver seus olhos. “O que você quer dizer com isso?”

Ele sorriu. “Quero dizer…” Seu polegar tocou meu lábio inferior, e eu ofeguei.

“Tudo” – ele beijou minha pálpebra – “a ver” – ele beijou minha outra pálpebra – “com você” – o topo do meu nariz – “é meu”. Finalmente, os lábios dele encontraram os meus.

Meus olhos se fecharam com seu beijo. A sensação era de euforia, parecida com  fogos de artifício e explosões. Minhas mãos se moveram até seus ombros enormes e musculosos e os apertei.

Eu gemi suavemente.

Eu senti ele sorrir contra meus lábios, e parei por um segundo. Não, não sorria. Sorrir significava que ele poderia parar de me beijar, e eu não queria que isso acontecesse de jeito nenhum.

Nunca tirando meus lábios dos dele, me ajoelhei e pressionei meu peito junto ao dele, aproveitando as faíscas que vinham de onde nossos corpos se encontravam.

Minhas mãos subiram até seus cabelos e puxaram seu rosto para mais perto do meu.

Ele gemeu em aprovação.

De repente ele apertou meus quadris com firmeza, e me colocou em seu  colo para que meus joelhos ficassem de cada lado dos  dele. Empurrei meu peito contra o seu, e ele aprofundou nosso beijo, mergulhando sua língua em minha boca.

Suas mãos massagearam meus quadris e depois deslizaram para cima sob minha camisa para segurar minha cintura, seus polegares tocando o arame do meu sutiã.

“Oh meu Deus, está ficando quente aqui?

Alguém limpou a garganta ao nosso lado, e foi como se tivesse apertado um interruptor no meu cérebro: de repente percebi o que estávamos fazendo.

Eu me joguei para trás, mas Grayson me segurou com mais firmeza, mantendo-me em seu colo.

Olhei para a comissária  de bordo que estava ao nosso lado.

“Desculpe, senhorita, mas vou ter que pedir que volte ao seu lugar e coloque o cinto de segurança. O avião está prestes a decolar”.

Eu acenei com a cabeça rapidamente, sentindo meu rosto ficar vermelho vivo. Eu me movi  para sair do colo do Grayson e, felizmente, ele me deixou ir desta vez. Sentei-me em meu assento e coloquei rapidamente o cinto de segurança.

A comissária de bordo viu como Grayson também estava usando, e ela acenou com a cabeça e se afastou.

Ai meu Deus. Ai, meu Deus. AI, meu Deus.

Coloquei minhas mãos sobre meu rosto para esfriar minhas bochechas queimavam de vergonha.

Não posso acreditar que acabei de fazer isso. O que há de errado comigo?

Fiquei tão envergonhada, que nem consegui olhar para Grayson. Eu tinha rastejado até o colo dele e me pressionado contra ele como uma assanhada implorando para que ele tirasse minha calcinha.

“Ei, ei, ei”, eu ouvi Grayson dizer. “O que foi?” Ele tocou meu braço.

Afastei meu braço, ignorando o quanto eu queria que ele mantivesse suas mãos em mim.

“Não encosta em mim”, eu retruquei.

Grayson fez um barulho assustador do fundo da garganta . Eu olhei para ele e vi uma expressão carregada em seu rosto.

Sua mandíbula estava cerrada e sua respiração era profunda, seu peito subia e descia rapidamente. E, oh sim, seus olhos estavam negros como breu. As pupilas, íris e os brancos de seus olhos eram todos negros.

Eu me engasguei e me movi para trás até minhas costas baterem na parede atrás de mim.

“Oh, meu Deus. Seus olhos”.

Seus olhos se arregalaram e depois se fecharam. Ele respirou fundo e, quando seus olhos se abriram novamente, estavam de volta ao normal.

Eu estava ficando louca. Essa era a única explicação lógica. A morte de meu pai e o medo de ver minha mãe novamente estavam finalmente me afetando.

“Sinto muito”, disse ele. “É que… você não pode me dizer para não tocar em você”.

Meu coração começou a bater mais rápido. Talvez ele fosse o louco. “O que você quer dizer com isso?”

Ele se inclinou para frente, um olhar intenso em seus olhos.

“Oh, docinho, você já esqueceu?” Sua mão apertou meu joelho e acariciou minha perna para cima e para baixo.

“Você é minha, lembra?”

Meu sangue ferveu. Era a terceira vez que ele dizia que eu era propriedade dele. Quem este cara achava que era?

Claro, ele era lindo. Eu tinha me jogado em cima dele e me sentia extremamente atraída por ele, mas isso não significava que eu pertencia a ele. Eu era minha própria pessoa. Eu não pertencia a ninguém.

Eu não pertencia especialmente a um homem que eu tinha acabado de conhecer e que desconhecia limites pessoais.

Abri minha boca para dizer o que realmente pensava, mas parei quando senti o avião se mover de repente.

Devo ter perdido completamente a parte em que explicaram onde estavam todas as saídas de emergência e como afivelar o cinto de segurança.

Mas foi provavelmente para melhor: isso só me teria deixado mais nervosa.

Quando o avião ganhou velocidade, meu coração bateu forte contra minhas costelas e minhas mãos começaram a tremer. Agarrei a mão de Grayson que ainda estava ancorada à  minha perna e apertei meus olhos.

Tentei respirar fundo para me acalmar, mas acabou saindo como uma série de   arquejos  rápidos e ofegantes.

Oh, meu Deus… Estou hiperventilando?…

“Belle”, ouvi Grayson dizer. “Belle, querida, o que há de errado?” Eu senti a mão dele subir para segurar meu ombro.

Sacudi a cabeça freneticamente, incapaz de encontrar minha voz. Tive medo de que, se falasse, choraria.

“Belle”, disse-me a voz de Grayson. Desta vez, ela estava mais calma.

“Olhe para mim, Belle. Eu preciso que você olhe para mim, linda. Me deixe ver esses lindos olhos azuis”.

Eu só sacudi a cabeça novamente. O avião saltou ao levantar-se do chão. Eu soltei um gemido e me pressionei ainda mais contra a parede.

“Belle, eu juro por Deus, se você não olhar para mim, eu te beijarei novamente, e quem lá sabe aonde isso vai nos levar”…

Ele realmente disse que? Eu estava basicamente prestes a ter um ataque cardíaco, e ele estava ameaçando me beijar?

Eu abri meus olhos. O rosto de Grayson estava a meio metro de distância do meu. Ele sorriu.

“Aí estão esses olhos lindos”.

Minha respiração se acalmou  um pouco. Ele era tão inacreditavelmente belo. Como alguém podia ser tão bonito?

Fantástico, charmoso, doce e reconfortante, e um beijo tão incrível…

O avião de repente tremeu de novo – desta vez a maioria dos passageiros arfou.

A voz do piloto veio dos alto-falantes na parte de cima da cabine para pedir desculpas pela turbulência, dizendo que o clima parecia mais sério do que o esperado originalmente.

Olhei pela minha janela e vi que estava chovendo, e o céu estava cheio de relâmpagos.

“Oh meu Deus, é assim que eu vou morrer”, disse eu. Meu corpo inteiro tremia.

O avião tremeu novamente no mesmo momento em que um estrondo trovejante veio de fora. Eu soltei um grito aterrorizado quando as lágrimas começaram a jorrar de meus olhos.

“Belle, querida, venha aqui”, disse Grayson em tom agitado. Eu olhei para ele e vi que ele estava oferecendo seu braço, me encorajando a me apoiar nele.

“O quê?” perguntei com a voz tremida. “N-n-não!”

Algo apertou minha mão com mais força. Olhei para baixo para ver que segurava a mão dele entre as minhas.. Rapidamente a larguei e a empurrei para longe de mim.

Por que sou tão sensível com este cara?

Ele passou uma das mãos pelo cabelo enquanto me via entrar em pânico. Parecia estar com dor. “Por favor, Belle, deixe-me ajudá-la”.

Agarrei-me à parede atrás de mim, esperando que ela estabilizasse meu corpo trêmulo. “Como?”

Antes que eu pudesse obter minha resposta, o avião foi sacudido por um forte trovão e um raio brilhante que eu jurei ter nos atingido. As pessoas gritaram quando os sacos caíram dos compartimentos aéreos.

Eu gritei desesperadamente e cobri meu rosto com minhas mãos.

“Oh, meu Deus. Oh, meu Deus. Oh meu Deus”, eu soluçava. Este era o meu pior pesadelo.

“Belle”, disse Grayson. Sua voz estava mais clara do que antes e, de repente, todos os outros ruídos desapareceram. “Olhe para mim”.

Como se eu estivesse sob seu controle, retirei minhas mãos do rosto e olhei para Grayson. Seus olhos estavam negros novamente.

Mas desta vez, não foi assustador. Desta vez, foi quase reconfortante.

“Venha aqui”, disse ele lentamente.

Eu acenei com a cabeça e praticamente mergulhei em seu peito, indo até onde meu cinto de segurança me permitia. Envolvi meus braços ao redor de seu tronco e agarrei sua camisa em meus punhos.

Ele também envolveu seus braços ao meu redor, levantando minha camisa para que sua pele nua tocasse minhas costas e meu estômago.

“O que você está fazendo?” perguntei, tremendo pela sensação de sua pele contra a minha, e as deliciosas faíscas que me descem pela espinha mais uma vez.

Senti-o apertar meu cabelo. “Desculpe, eu sei que isto deve ser estranho para você. É que quanto mais contato pele com pele tivermos, mais calmo você vai se sentir”.

Ele tirou meus braços de perto dele e, por um momento, eu me senti decepcionado. Mas então ele levantou sua camisa e colocou meus braços de volta onde eles estavam.

Eu podia sentir seus abdominais…

“Vê? melhor, certo? Tocar-me é ajudar”. Eu o senti beijar o topo da minha cabeça.

Ele estava certo. Eu podia sentir meu ritmo cardíaco diminuir e meus nervos começarem a se acalmar. “Como isso está acontecendo?” eu perguntei. Eu estava tão esmagadoramente confuso.

O que está acontecendo?

Antes que ele pudesse responder, houve outra explosão de trovões. Eu chorei e empurrei meu rosto para o peito dele até onde ele pudesse ir.

Seus braços se apertaram ao meu redor e suas mãos massajaram minhas costas.

“Shh, garotinha”. Relaxa para mim…”, sussurrou ele, sua boca tocando meu ouvido. Eu senti meus ombros soltando lentamente a tensão deles. A voz dele era tão suave, tão reconfortante – era como se ele tivesse poderes mágicos.

Eu teria feito qualquer coisa que ele me dissesse para fazer, desde que eu continuasse a ouvir sua voz.

“Lá vamos nós. Isso é o que eu gosto de ver”.

Mais trovões sacudiram o avião. Eu pressionei meu rosto mais profundamente em seu peito e ofegante.

“Nuh-uh”, disse ele. “Nada disso”. Seus lábios pressionados até o meu ouvido, deixando um beijo.

“Preste atenção na minha voz. Tudo o que você pode ouvir é a minha voz, querida”. Ele me beijou pelo pescoço abaixo.

Ele estava certo. Mais uma vez, os outros ruídos se desvaneceram. Os bebês chorando, os passageiros gritando, os trovões rugindo, a chuva estrondosa – tudo o mais ficou silencioso.

Tudo o que sobrou foi ele e eu.

“A única coisa que você pode ouvir é a minha voz. Não é verdade?”

Eu acenei com a cabeça.

“Bom”. Agora, abrande sua respiração”.

Minha respiração passou de respirações rápidas e ofegantes a suspiros lentos e profundos.

“Boa garota”. Seus lábios continuavam a se mover ao longo do meu pescoço. “Não se assuste. Eu te peguei. Eu cuidarei de você”.

Seus beijos pareciam mágicos. Sua voz era como mágica. Tudo nele era mágico. Eu não estava mais em um avião. Eu não estava mais em nenhum lugar.

Era só eu e Grayson – seus braços ao meu redor, seus lábios na minha pele. Eu estava calmo.

E então seus lábios encontraram uma mancha em meu pescoço que fez o fogo viajar por todo o meu corpo. Eu gaseei.

Grayson sorriu contra a minha pele. “Hmm…” Ele começou a chupar na hora, a língua dele correndo por cima da minha pele, deixando formigueiros que iam para os meus dedos dos pés.

Seus dedos estavam cavando em minha cintura, e eu senti algo se acumulando dentro de mim – uma sensação que eu não tinha há muito tempo.

Meu corpo inteiro estremeceu, e eu inclinei minha cabeça para o lado para lhe dar melhor acesso. Seu rir profundo vibrou através do meu corpo.

“Hmm… Assim, nós?” sussurrou ele contra a minha pele.

Eu não consegui nem mesmo responder. Parecia que eu estava drogado. Tudo estava se movendo tão lentamente.

Eu soltei uma respiração profunda que soava mais como um choramingar porque ele havia parado de me beijar. Eu não sabia exatamente o que queria, mas precisava de algo mais – algo que eu sabia que Grayson poderia proporcionar.

Inclinei a cabeça um pouco mais, esperando que ele continuasse me beijando.

Ele suspirou. “Eu sei, linda, eu sei”. Mas não aqui. Agora não”. Ele colocou mais uma bicada no local. “Mas eu prometo, eu te farei meu”. Em breve”.

Eu não entendia o que ele queria dizer. Então eu me aproximei dele, respirando seu cheiro celestial. Que tipo de colônia ele usa?

“É isso mesmo”, disse ele. “Estou aqui e você está a salvo”. Nada de mal voltará a acontecer com você. Vamos criar juntos a vida mais incrível. Eu nunca mais vou deixar você ir”.

O que ele acabou de dizer?

“Mas por enquanto”, disse ele, “você precisa descansar”.

Eu olhei para ele. Seus olhos ainda estavam negros.

“Dormir”.

E meu mundo ficou escuro.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Reaprender a Amar

POV: Resumo

Josiah é um motociclista, em luto pela morte de sua esposa. Quando ele inesperadamente herda dois comércios na cidade de Bracketville, ele conhece Brooke, uma mulher local que espera escapar para um lugar melhor. Os dois se unem rapidamente, vendo no outro uma chance de recomeçar. Mas ser o líder de uma gangue de motociclistas é perigoso—colocando em risco o futuro dos jovens amantes…

Classificação etária: 18 +

Autor original: E. Adamson

O Resgate de Maximus

Quando Leila volta à sua cidade natal para ser uma médica da matilha, ela se vê presa entre o passado e o presente—e o amor de dois homens—um belo colega médico e um alfa com um segredo. Mas quem fará seu coração bater mais rápido?

No Rastro das Estrelas

Desde o dia em que nasceu, Rieka foi trancada todas as noites por sua família, incapaz de realizar seu único desejo; ver as estrelas.

Agora, vinte anos depois, ela arquitetou um plano para fugir com seus amigos, mas ela não sabe que este simples ato de rebeldia mudará sua vida para sempre e a colocará na mira de um Alfa que não a deixará partir.

Centelha do Desejo

Órfã jovem e transferida de lar adotivo para lar adotivo, Adeline passou os últimos nove anos sozinha e com um segredo: ela é um lobisomem. Quando, sem saber, ela entra no território da matilha durante uma corrida, ela é capturada e logo descobre que encontrar sua própria espécie não era tudo o que ela esperava que fosse. Quando ela encontra o alfa que a detém contra sua vontade, faíscas voam. Mas será que ele pode vê-la como qualquer outra coisa que não seja um selvagem? Ou ela será sua prisioneira para sempre?

A Serva do Dragão

Viaje no tempo com esta reinterpretação medieval da fumegante ~Cidade Réquiem~! Madeline serviu aos poderosos metamorfos Dragões da Horda de Réquiem desde que era jovem. Em seu aniversário de dezoito anos, Hael, o próprio Senhor do Dragão, fixa seus olhos verde-esmeralda em Madeline. Ele tem planos ~maiores~ para ela. Madeline será a escrava sexual subserviente que Hael exige? Ou esse dominador ultra sexy encontrou seu par?

O Alfa do Milênio

Eve é mais poderosa do que a maioria – porém, quando recebe uma missão com um prêmio que ela não pode recusar, Eve começa a se perguntar se é forte o suficiente para concluí-la. Com vampiros, lobisomens desonestos e divindades malignas atrás dela, a determinação de Eve é posta em questão – e isso acontece antes dela encontrar seu companheiro…

Do universo de Os Lobos do Milênio

Caindo na Real

Desde jovem, Maya Hamilton era uma garota festeira, e tudo que mais amava era se soltar e fazer o que bem entendia. Jace Parker era um garoto de fraternidade irresponsável que tinha uma queda por garotas festeiras: eles eram perfeitos um para o outro – até que, do nada, ele terminou o relacionamento através de uma mensagem de texto. Agora, dois anos depois, eles se reencontram como aluna e professor, e Maya está escondendo um segredo que pode mudar a vida de Jace!

Mentes Perversas

Elaina Duval vivia uma vida perfeitamente feliz e normal com a sua mãe – bom, pelo menos até o dia em que ela completou dezoito anos. No seu aniversário, ela descobriu que foi prometida ao cruel e malvado Valentino Acerbi, que em breve se tornaria chefe da máfia italiana. Sem poder escolher ou dar a sua opinião sobre o assunto, ela é arrastada para o mundo distorcido dele e é forçada a suportar coisas que nenhum ser humano deveria ter que fazer, mas… e se ela começar a gostar?

Classificação etária: 18+ (Aviso de conteúdo: violência, abuso sexual, estupro, tráfico de pessoas)

O Mistério de Jack

A enfermeira Riley foi atribuída a um dos pacientes os mais notórios da ala psiquiátrica – Jackson Wolfe. E ele simplesmente é fatalmente sexy, o que é irônico, considerando que todos ao seu redor parecem estar morrendo. Enquanto Jackson atrai Riley com seu charme, será que ela consegue descobrir quem é o assassino… ou é o mesmo homem por quem ela está se apaixonando?

Evie Chase – Por Trás das Câmeras

Evie Chase, de 17 anos, tem de tudo: fama, fortuna e a carreira de cantora dos seus sonhos. Mas depois de lutar contra a ansiedade e as pressões do estrelato, Evie retorna para a sua pequena cidade natal, enfrentando antigos valentões, novos amigos e o garoto que ela deixou para trás…

Classificação etária: 16 +

Autor original: Riss Concetta