logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Abocanhada por um Alfa

Quando a jovem fugitiva Quinn é mordida por um lobo na floresta, ela descobre um mundo que nunca havia conhecido – um mundo de lobisomens. Agora Quinn deve adaptar-se à sua nova vida no Bando Sombra da Lua, sob a orientação de um alfa sedutor.

Classificação etária: 18+

Autor original: Chloe Taylor

 

Abocanhada por um Alfa por Chloe Taylor está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

Sumário

Quando a jovem fugitiva Quinn é mordida por um lobo na floresta, ela descobre um mundo que nunca havia conhecido – um mundo de lobisomens. Agora Quinn deve adaptar-se à sua nova vida no Bando Sombra da Lua, sob a orientação de um alfa sedutor.

Classificação etária: 18+

Autor original: Chloe Taylor

Mãe
Onde você está?
Mãe
Você deveria ter chegado em casa há quinze minutos.
Mãe
Logo vai escurecer.
Mãe
Eu vou tirar qualquer privilégio de sair que você tenha se não estiver em casa em cinco minutos.
Quinn
Mãe, eu estou bem.
Quinn
Estou apenas na biblioteca
Quinn
Estou voltando para casa agora
Quinn
Acabei perdendo a noção do tempo
Mãe
Isso não é desculpa.
Mãe
Qualquer coisa pode acontecer depois de escurecer.
Mãe
Você quer acabar como a sua tia Jodie?
Mãe
Venha para casa neste mesmo instante.
Quinn
Desculpe, mãe
Quinn
Estou a caminho
Mãe
Fique com seu celular na mão enquanto você estiver andando.
Mãe
E não fale com ninguém.
Quinn
É claro
Quinn
Até daqui a pouco
QUINN

Enquanto minha montanha de alimentos enlatados, cobertores, baterias e garrafas de água se moviam pela esteira em direção ao caixa, o funcionário me olhou com desconfiança.

“Apenas fazendo uma doação para o abrigo dos sem-teto”, sorri nervosamente.

Droga, eu disse a minha mãe que estava na biblioteca. Se não voltar com um livro, ela saberá que eu estava mentindo.

Notei um Agatha Christie em brochura desbotado no meio das revistas e tabloides.

“Vou levar isto também”, disse, jogando na esteira.

Paguei e enchi minha mochila com os suprimentos. Eu teria que esconder tudo isso em um arbusto antes de voltar para casa.

Esta noite seria a noite.

Eu finalmente faria isso.

Eu finalmente estaria livre.

***

Minha mãe estava me esperando quando voltei para nossa pequena cabana no bosque.

Eu agarrei meu livro de bolso contra o meu peito ansiosamente.

Ela estreitou os olhos e bateu com os dedos na mesa de carvalho.

“Isto é inaceitável, Quinn”.

“Eu sei, sinto muito… não vai acontecer de novo”, disse , abaixando minha cabeça.

“Você está certa que não vai acontecer de novo. Porque você não visitará mais a biblioteca durante as próximas três semanas”, disse ela com firmeza.

Normalmente eu protestaria. Minhas visitas à biblioteca local eram a única coisa que me mantinha sã. Minha mãe praticamente me deixava presa aqui.

Ela me educou em casa até os 18 anos de idade, blindando-me de toda atividade social externa.

O desaparecimento da minha tia Jodie havia realmente abalado ela. Eu era muito jovem para me lembrar, mas minha mãe não sorriu desde então.

Desta vez, eu ficaria de boca fechada. Visitas à biblioteca não importavam mais.

Depois desta noite, eu seria capaz de fazer o que quisesse.

“Você perdeu o jantar – foi servido quinze minutos atrás”, disse minha mãe friamente. “Então você vai para a cama sem comer”.

Enquanto meu estômago roncava, pensei no meu estoque de comida enlatada nos arbustos, mas pude aguentar por mais algumas horas.

Quando comecei a caminhar para o meu quarto, ouvi minha mãe murmurando sob sua respiração, repetidamente.

“Menina tola. Menina tola, menina tola. Tola, tola, tola, tola”.

“Eu não sou a tia Jodie”, eu disse, mas ela não respondeu. Ela continuou balançando para frente e para trás.

***

Eu puxei minhas cobertas para cima. A qualquer minuto, minha mãe deve estar…

Bem na hora certa. Ela abriu a porta rangente do meu quarto e espreitou, certificando-se de que eu estava dormindo.

Após um momento, ela a fechou, trancando com um clique.

Isso foi bom – eu não sairia pela porta.

Eu tirei minhas cobertas e saí da cama, já totalmente vestida.

Tirei um livro oco da minha estante, que continha um alicate resistente.

Usei-o para soltar os parafusos da minha janela e levantei-a silenciosamente. Olhando para baixo, não seria uma queda muito grande, mas eu não queria arriscar.

Se fugir exigia algo, esse algo era colocar as penas para trabalhar.

Atei meus lençóis juntos e os joguei pela janela, certificando-me de que estavam firmemente amarrados em minha cama.

Dei uma última olhada em meu quarto, mas não senti nenhum sentimento ou nostalgia. Era difícil sentir carinho por uma prisão.

***

Eu bati minha lanterna contra a palma da mão até que ela piscasse.

Havia bosques em todas as direções. Por alguma razão, minha mãe sentia que estar em uma cabana remota na floresta era mais seguro, mas o isolamento só me fazia sentir-se mais vulnerável.

Era escuro e desorientador, mas eu tinha que começar a me mover.

Quando minha mãe descobrisse que eu estava fora, ela provavelmente começaria uma caça para tentar me encontrar.

Eu não seria mais uma prisioneira. Eu já havia sacrificado dezoito anos da minha vida por algo que aconteceu com minha tia que eu mal conhecia.

Era hora de começar a viver.

Comecei a andar através do bosque, esperando conseguir alguma distância do chalé antes do sol nascer.

À medida que fui me aprofundando na floresta, pensei em todos os livros que tinha lido sobre jovens garotas que vagueavam pela floresta. Desviando do caminho.

Pensei nas palavras de minha mãe…

Qualquer coisa pode acontecer depois de escurecer.

***

Depois de várias horas, eu estava oficialmente perdida. Todas as árvores tinham o mesmo aspecto. Cada passo à frente pode ter sido um passo atrás.

Até onde eu sabia, poderia estar voltando para a cabana.

Minha mochila estava pesada e minhas pálpebras se sentiam ainda mais pesadas.

Eu teria que encontrar um lugar para montar acampamento e dormir em algum momento.

Enquanto eu continuava sonolenta, um lampejo de luz me chamou a atenção.

Vi desaparecer um cabelo comprido, ondulado e louro-branco atrás de uma árvore.

Havia sido apenas minha imaginação ou realmente tinha mais alguém aqui?

Ao me aproximar da árvore, uma forma feminina correu para outra distância.

Eu poderia jurar ter ouvido risadas.

“Ei, quem é você?”, gritei.

Segui a figura dançante enquanto ela fluía de uma árvore para a outra, obscurecendo seu rosto.

Era tão graciosa e misteriosa, seus longos cabelos me guiavam como uma luz.

Eu comecei a correr mais rápido. Eu precisava saber quem ela era.

De repente, ela se virou e olhou diretamente para mim. Ela tinha o rosto mais lindo que eu já havia visto. E os olhos dela…

Eram exatamente da mesma cor cinza prateado que os meus.

Pestanejei e, por um instante, ela se foi. Talvez eu estivesse realmente vendo coisas.

Encontrei-me em uma pequena clareira perfeita. Comecei a montar o acampamento, espalhando cobertores no chão e pendurando um sobre um galho baixo para formar uma tenda improvisada.

Eu não sabia se aquela mulher era real ou uma figura formada pela minha falta de sono e minha miserável refeição de feijão em lata, mas, de qualquer forma, eu precisava dormir.

Adormeci, esperando que a manhã me trouxesse a liberdade pela qual ansiava.

***

Ar-rooo-ooo!

Eu acordei subitamente ao som de uivos distantes – provavelmente um lobo.

Ainda estava escuro; eu não tinha dormido muito tempo.

Meus olhos estavam tentando se ajustar à escuridão enquanto ouvia o barulho das folhas ao longe.

Eu tinha me preparado para muitas coisas, mas não tinha me preparado para lobos.

Comecei a enfiar tudo de volta na minha mochila. Provavelmente seria melhor continuar andando. Não sabia a que distância estava, mas não queria descobrir.

AR-ROOO-OOO!

O uivar fez o dobro do barulho. Estava se aproximando.

Eu precisava de algo para me defender. Rapidamente, cortei o galho da árvore mais próxima e o segurei na minha frente como uma espada.

Desejei desesperadamente que a mulher misteriosa reaparecesse e me guiasse em segurança, mas eu estava por minha conta.

Comecei a correr, colidindo aleatoriamente com galhos e silvas. Eu precisava sair desses bosques.

O som de patas pesadas pisando através das folhas secas começou a ecoar através da floresta.

Estava se aproximando rápido.

Tentei acelerar meu ritmo, mas tropecei em uma raiz e caí na terra.

Quando me levantei de joelhos, vi um grande lobo rosnando de pé bem na minha frente com baba pendurada em suas presas afiadas.

Uma cicatriz horrível percorria o lado esquerdo de seu rosto.

Agarrei meu galho e comecei a balançá-lo com força, mas ele não se incomodou.

Ele investiu contra mim, mas consegui enfiar meu galho em seu nariz, e ele soltou um berro.

“Fique longe!”, gritei, na esperança de assustá-lo.

Os olhos vermelhos do lobo se estreitaram quando ele começou a chegar mais perto.

Eu não tinha para onde fugir.

Não havia ninguém para me ouvir gritar.

O lobo se lançou sobre mim e me empurrou de costas, suas garras cavando em meu peito.

Ah meu Deus, eu irei morrer.

Ele rosnava com fome para mim como se estivesse se alimentando do meu medo.

As lágrimas começaram a rolar em meu rosto.

Cavei minhas unhas na terra, tentando me afastar, mas o peso do lobo era muito grande.

Quase parecia que estava sorrindo quando abriu bem as mandíbulas e…

CRUNCH.

Eu gritei quando a dor mais intensa que já senti percorreu meu corpo.

O lobo tinha afundado suas enormes presas em minha perna.

Ele se soltou e vagou para a escuridão, deixando-me a sangrar.

Eu pensava que os lobos geralmente destruíam suas presas, mas este não parecia se importar.

Minha cabeça começou a girar à medida que o sangue ensopava meu jeans.

Não havia como me mover. Era ali que eu iria morrer.

Quando minha visão começou a embaçar, outro lobo saiu do mato.

Este era ainda maior do que o outro, com pelos louros acinzentados e olhos castanhos, mas não estava agindo de forma agressiva.

Em vez disso, ele me aconchegou enquanto meus olhos se fechavam.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

QUINN

Uma densa névoa envolveu a floresta enquanto eu vagava por ela, passando minhas mãos através dos galhos de suas árvores.

Todos eles estavam mortos, mas, de alguma forma, ainda mais bonitos do que árvores cobertas de folhagem.

Brancos perolados, macios e esticando-se para o ar tão alto que não conseguia dizer onde terminavam.

Tudo parecia o mesmo em todas as direções, mas eu não me senti perdida.

Aquilo era estranhamente relaxante.

Eu escutava um zumbido baixo agradável no ar e quando um vento leve despenteava meu cabelo, parecia que estava sussurrando em meu ouvido.

Eu tive um vislumbre de longos cabelos brancos e louros que já tinha visto em algum lugar.

Eu corri até eles e uma nuvem de fumaça começou a girar ao meu redor até se materializar em uma bela mulher.

Ela parecia tão familiar e quando apertou minhas mãos, pairando vários metros do chão, eu sabia que podia confiar nela.

“Quinn, você tem tanto a aprender”. Ela sorriu calorosamente. “Não vai ser fácil no início, mas há quem ajude a guiá-la em sua jornada”.

“Como você?” perguntei.

“Não, criança, eu a levei o mais longe que pude. Meu lugar não é em seu mundo”.

“Eu não entendo… O que vai acontecer comigo? Eu estou viva?” perguntei confusa.

“Sim, mas quando você acordar, sua vida não será a mesma que era. Você está destinada a coisas muito maiores, minha criança”.

“Quem é você? Como te conheço?”

“Você me conhece em seu coração, Quinn”.

Ela encostou seus dedos longos e elegantes no meu coração.

“Lembre-se destas palavras – você saberá em quem pode confiar…” disse ela, começando a desvanecer-se.

“Espere, que palavras? Não vá ainda!”

Estendi a mão para ela, de repente fazendo uma conexão.

“Você é a minha… a minha tia?”

“Lupus Paulo”, disse ela suavemente, desaparecendo.

***

Bip. Bip. Bip.

Bip. Bip. Bip.

O que está acontecendo? Onde estou?

Minha visão estava turva, mas a sala parecia imaculada, toda branca.

“A mordida foi profunda, mas vai curar com o tempo. No entanto, o processo deve acelerar significativamente após as transições do seu corpo”.

“E quando exatamente será isso, doutor?” perguntou uma voz profunda e rouca.

“É difícil dizer, mas não deve demorar muito”.

Quem são essas pessoas? O que é esse som?

Um cateter intravenoso enfiado em meu pulso e um monitor ao meu lado apitava lentamente.

É um hospital?

“Você acha que o corpo dela pode aguentar a transição?” perguntou a voz rouca novamente. “Ela é muito…pequena. Ela pode ser quebrada ao meio”.

“Talvez, meu Alfa, mas o tempo dirá”.

Alfa? Transição? Do que eles estão falando? O que ia acontecer comigo que poderia me quebrar ao meio?

Meu coração começou a bater mais rápido e o sinal sonoro no monitor também aumentou o ritmo.

Meu cateter intravenoso administrou automaticamente algo em meu braço que me fez relaxar.

“Você me manterá atualizado sobre o status dela?”, o homem chamado Alfa perguntou.

“É claro, meu Alfa. Entrarei em contato imediatamente se houver alguma mudança”.

Comecei a sair da consciência novamente, mas a bela mulher não voltou para mim.

Somente suas palavras.

Lupus Paulo.

***

Quando acordei novamente, eu me apertei os olhos por conta das luzes fluorescentes brilhantes penduradas acima de mim.

Empurrei meus cabelos pretos emaranhados sobre meus olhos para escondê-los.

A iluminação sempre foi minha parte menos favorita dos hospitais.

Tentei me mover, mas imediatamente percebi meu erro.

Eu me encolhi de dor e cerrei minha mandíbula. Eu não iria a lugar algum. Olhei para a minha perna enfaixada.

Droga, acho que está torcida.

Eu me perguntava quem havia me trazido até aqui…

Pensei que o lobo estaria se alimentando de mim agora mesmo.

Quando a maçaneta da porta do meu quarto se mexeu, de repente senti uma onda de medo no fundo do meu estômago.

E se esta fosse minha mãe? O que ela faria comigo? Eu já estava em uma cama de hospital, mas eu honestamente a temia mais do que o lobo que me fez parar aqui.

Em vez de minha mãe, a garota mais agradável, fofa e de aparência gentil entrou, carregando um buquê de rosas lindas.

“Olá”, disse ela com um leve sotaque sulista. “Vejo que você finalmente acordou”.

Seus olhos verdes brilhavam sob seus cabelos louros ondulados e suas bochechas rosadas eram ainda mais avermelhadas do que as flores.

Ela colocou as rosas ao lado da minha cama e se sentou, me encarando curiosa.

Por que ela está curiosa? Eu é que tenho perguntas.

“Quem…quem é você?” gaguejei. “E como eu cheguei aqui?”

“Eu Sky”, disse ela em tom alegre. “Sabe, como o lugar onde as nuvens, os pássaros e a luz do sol se encontram”.

Realmente se parece. Esta garota é tão brilhante que é contagiosa.

“Eu sou a responsável pelas boas-vindas por aqui”. Ela sorriu.

“Pelo que você está me dando as boas-vindas?”

“Ao Bando Sombra da Lua, é claro”.

Ela deve ter sentido minha perplexidade porque instantaneamente se engasgou e cobriu sua boca.

“Ah, caramba, eu provavelmente não deveria ter dito nada ainda. Eu e minha boca grande. Você não tem ideia do que está acontecendo, tem?”

“Fui atacada por um lobo e agora estou em uma cama de hospital… isso é praticamente tudo que sei”.

Sky mordeu nervosamente as suas longas unhas ao me ouvir falar sobre o lobo.

“Meu Deus, como posso explicar isto a uma humana?” murmurou ela.

Uma humana? Certo, de que diabos ela está falando?

“Você está começando a me assustar, Sky…o que é um Bando Sombra da Lua?”

“Bem, é um tipo de família…uma família que você irá fazer, uh, parte…após o seu, uh, incidente”.

“Ah, meu Deus, você não faz parte de algum tipo de culto, faz? Eu li muitos livros e isto nunca acaba bem para os fugitivos”, disse, começando a ficar ansiosa.

Sky, por outro lado, parecia aliviada.

“Ah, não, nada disso. Você deve ter pensado que eu era uma completa esquisita”, ela riu. “Não, nós somos uma família de lobisomens, uma alcateia”.

Fiquei de boca aberta. Isto era algum tipo de brincadeira sem graça? Onde estavam as câmeras escondidas?

Ela havia acabado de dizer lobisomens.

Voltei para o lobo no bosque – a maneira como ele me deixou após a mordida.

E então aquele enorme lobo louro-acinzentado – a forma como me aconchegou de forma protetora…

O que ela está dizendo pode ser…?

“Sei que é muito para processar, Quinn, mas os lobisomens existem. Existimos há séculos, estamos apenas escondidos. Sejamos honestos, a raça humana não lidaria muito bem com essa informação. Eles provavelmente pegariam as forquilhas e tochas ao primeiro sinal de algo sobrenatural”.

Não. Não. Isto é loucura. Não há como isto ser verdade.

“Ouça, Sky, você parece ser uma pessoa legal, você realmente parece, mas eu simplesmente não estou interessada em me juntar ao seu coven de lobisomens ou o que quer que seja. Tem algumas crianças góticas que fazem dramatizações na biblioteca às sextas-feiras… talvez você possa se inscrever para…”

“Quinn, você é muito engraçada. Os covens são para bruxas. Nós somos um bando. E você não está se inscrevendo. Você já é um membro”, disse ela, apontando para a mordida em minha perna.

Havia algo engraçado ali, mas não era eu.

“Na verdade, eu gostaria de falar com o médico, se você pudesse…”

A porta se abriu de repente e um homem com cabelos louro-acinzentados entrou na sala. Seus músculos saltavam de sua fina camiseta branca e seus olhos dourados eram hipnotizantes.

Nunca havia visto ninguém tão bonito em minha vida e o magnetismo instantâneo que senti em relação a ele era intoxicante.

Eu fiquei assustada e nervosa ao mesmo tempo.

Por que eu me senti tão atraída por ele? Aquela não era uma sensação normal.

Quando ele falou, eu reconheci sua voz rouca. Ele era o homem a quem o médico se referia como Alfa.

“Sky, o que você disse a ela?”, disse ele de forma áspera.

Sky de repente parecia pálida. “Eu estava apenas dando a ela as boas-vindas ao Bando. Eu pensei que seria um toque mais… gentil, sabe, para facilitar a entrada dela”.

“Toque gentil” parecia ser algo em outra língua para este homem. Seu vocabulário era esmagar, bater e destruir.

“Saia. Preciso falar com ela a sós”, ordenou ele.

Sky me deu um olhar de desculpas quando saiu da sala. De repente, desejei que aquela garota lobisomem maluca voltasse.

Evitei o contato visual direto com ele. Aqueles olhos dourados corriam para cima e para baixo do meu corpo e, apesar do desconforto que sentia, eu gostava da maneira como ele me olhava.

“Seu nome”, disse ele num tom dominador.

“Quinn.”

“Quinn…”, disse ele, testando.

“E o seu?”, perguntei nervosamente, ainda olhando para o lado.

Ele não reagiu, mas chegou até a beira da minha cama. Eu podia sentir um calor irradiando dele e isso me aqueceu de dentro para fora.

“Olhe para mim”, ordenou ele.

Quem ele pensa que é? Gostoso ou não, ele não pode simplesmente me dizer o que…

Enquanto olhava para cima e olhava diretamente em seus olhos, algo como um sonho aconteceu. Senti uma conexão indescritível com este completo estranho. Senti como se ele tivesse acabado de se tornar uma parte de mim.

A julgar pelo olhar chocado em seu rosto, ele deve ter sentido o mesmo.

“Como…como isso pode ser? Você ainda nem se transformou”, disse ele, atordoado.

Seus olhos dourados ficaram presos aos meus olhos prateados, nenhum de nós conseguiu desviar o olhar.

“Então, você é a minha companheira…”

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Reaprender a Amar

POV: Resumo

Josiah é um motociclista, em luto pela morte de sua esposa. Quando ele inesperadamente herda dois comércios na cidade de Bracketville, ele conhece Brooke, uma mulher local que espera escapar para um lugar melhor. Os dois se unem rapidamente, vendo no outro uma chance de recomeçar. Mas ser o líder de uma gangue de motociclistas é perigoso—colocando em risco o futuro dos jovens amantes…

Classificação etária: 18 +

Autor original: E. Adamson

Tranquilidade

Fora do Reino Licantropo, Lilac de dezoito anos é uma lobisomem tímida — mas ela é linda, e todos ao seu redor estão notando.

Quando um cheiro que ela não pode ignorar a atinge e ela é forçada a reconhecer seus desejos, ela se vê olhando para o infame Kyril Vasilo. E ela descobre que ele não é apenas um lobisomem qualquer… ele também pode ser seu par.

O Resgate de Maximus

Quando Leila volta à sua cidade natal para ser uma médica da matilha, ela se vê presa entre o passado e o presente—e o amor de dois homens—um belo colega médico e um alfa com um segredo. Mas quem fará seu coração bater mais rápido?

No Rastro das Estrelas

Desde o dia em que nasceu, Rieka foi trancada todas as noites por sua família, incapaz de realizar seu único desejo; ver as estrelas.

Agora, vinte anos depois, ela arquitetou um plano para fugir com seus amigos, mas ela não sabe que este simples ato de rebeldia mudará sua vida para sempre e a colocará na mira de um Alfa que não a deixará partir.

Laços Leais

Zoey Curtis está desesperada para sair de seu emprego atual e se afastar de seu chefe idiota! Mas quando ela recebe uma oferta de trabalho como assistente do playboy bilionário Julian Hawksley, ela não está preparada para os desejos ardentes que ele desperta dentro dela…

Meu Caubói

O pai ausente de Cora lhe deixa uma grande herança, mas há um problema! Ela tem que cuidar do rancho dele no meio do nada por um ano inteiro. Uma garota da cidade em uma cidade pequena, ela não poderia se sentir mais deslocada. Mas quando ela conhece Hael, o cowboy sexy que trabalha em seu rancho, a vida no campo fica muito mais emocionante…

O Convite do Alfa

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!

Caindo na Real

Desde jovem, Maya Hamilton era uma garota festeira, e tudo que mais amava era se soltar e fazer o que bem entendia. Jace Parker era um garoto de fraternidade irresponsável que tinha uma queda por garotas festeiras: eles eram perfeitos um para o outro – até que, do nada, ele terminou o relacionamento através de uma mensagem de texto. Agora, dois anos depois, eles se reencontram como aluna e professor, e Maya está escondendo um segredo que pode mudar a vida de Jace!

A Chama nos Une

Em seu aniversário de dezoito anos, Lydia descobre que está destinada a se casar com o rei Gabriel de Imarnia, e sua vida inteira vira de cabeça para baixo. Usando seus raros poderes de fogo e anos de treinamento, Lydia tenta resistir ao destino a todo momento.

Mas o rei Gabriel tem outros planos…

Classificação etária: 18 +

Autor Original: Suri Sabri

Mentes Perversas

Elaina Duval vivia uma vida perfeitamente feliz e normal com a sua mãe – bom, pelo menos até o dia em que ela completou dezoito anos. No seu aniversário, ela descobriu que foi prometida ao cruel e malvado Valentino Acerbi, que em breve se tornaria chefe da máfia italiana. Sem poder escolher ou dar a sua opinião sobre o assunto, ela é arrastada para o mundo distorcido dele e é forçada a suportar coisas que nenhum ser humano deveria ter que fazer, mas… e se ela começar a gostar?

Classificação etária: 18+ (Aviso de conteúdo: violência, abuso sexual, estupro, tráfico de pessoas)