logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

No Fim do Mundo

Savannah Madis era uma aspirante a cantora feliz e alegre até que sua família morreu em um acidente de carro. Agora, ela está em uma nova cidade e uma nova escola, e se isso não fosse ruim o suficiente, ela cruza com Damon Hanley, o encrenqueiro da escola. Damon fica totalmente confuso com ela: quem é essa garota metida a esperta que o surpreende a cada encontro? Ele não consegue tirá-la da cabeça e – por mais que ela odeie admitir – Savannah sente o mesmo! Eles fazem um ao outro se sentirem vivos. Mas isso é o bastante?

 

No Fim do Mundo por Emily Writes está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

Resumo

Savannah Madis era uma aspirante a cantora feliz e alegre até que sua família morreu em um acidente de carro. Agora, ela está em uma nova cidade e uma nova escola, e se isso não fosse ruim o suficiente, ela cruza com Damon Hanley, o encrenqueiro da escola. Damon fica totalmente confuso com ela: quem é essa garota metida a esperta que o surpreende a cada encontro? Ele não consegue tirá-la da cabeça e – por mais que ela odeie admitir – Savannah sente o mesmo! Eles fazem um ao outro se sentirem vivos. Mas isso é o bastante?

Classificação etária: 18+ (conteúdo sexual gráfico, violência)Aviso: este livro contém material que pode ser considerado perturbador ou inadequado.

Há cenas que podem não ser adequadas para alguns leitores.Autor original: Emily WritesNota: Esta história é a versão original do autor e não tem som.

Savannah

“Apressem-se, pessoal, vamos, vamos.”

O treinador Kline apita, fazendo com que as pessoas mais próximas a ele se encolham com o som estridente.

Sua camisa esportiva cinza está mostrando sua barriga de cerveja, o short de basquete branco e azul um pouco curto e justo demais.

Seu estoque de pornografia dos anos 70 é cômico.

Tenho certeza de que ele usa um pente de cabelo e, provavelmente, passa protetor solar como um pervertido desagradável.

Essa é a impressão que ele passa.

Ele bate palmas e todos nós saímos da pista e voltamos para o vestiário, entrando um por um.

Os blocos de concreto caiados pavimentam o caminho e ladrilhos azuis cobrem o chão.

O emblema do lobo pintado na parede clama por espírito escolar, mas não posso dizer que tenho algum por este lugar de merda.

Pelo menos ainda não.

Suada e pegajosa por causa do exercício físico forçado e do calor sufocante, sei que estou pronta para um banho.

Agosto sendo um dos meses mais quentes e morar no litoral não ajuda.

Apenas três semanas de aula e eu ainda não caí no borrão da multidão.

Ainda encontro uma maneira de aparecer como a novata.

Se não é tropeçar nos nomes dos professores ou algo para me sinalizar, são os olhares questionadores, os comentários maliciosos e as fofocas sobre quem eu sou e por que Percy e eu somos inseparáveis.

Nenhum deles se preocupou em cuidar da própria vida, mas ei, isso é o ensino médio.

Caminhando para o vestiário, pego minhas roupas e tento descobrir a combinação idiota do armário da escola, antes de desistir pelo décimo quinto dia consecutivo e ir para o chuveiro.

As senhas são muito complicadas e, embora devam ser simples, simplesmente não são.

Percy explica e eu juro que consigo quando ele assiste, mas ainda não consigo fazer meu armário da educação física funcionar direito, não importa o quanto ou por quanto tempo eu tente.

Já cheguei atrasada algumas vezes por causa disso, o que me fez ter dois atrasos e ainda nem se passou um mês de aula.

Engolindo minha raiva, mal posso esperar para terminar a escola, terminar o colégio e acabar com merdas como essa.

Quem não consegue fazer a porra de um cadeado clicar direito?!

Claro que sou eu.

Eu odeio demais educação física, não apenas por causa da atividade física, que eu detesto totalmente, mas é a única aula em que nos separamos.

Percy é meu primo, meu único amigo na escola. Não que eu esteja procurando fazer mais, é apenas mais fácil ter alguém ao seu lado; ele tenta me ajudar.

Ele realmente dá o seu melhor.

Pisando atrás da cortina de banheiro bege fluorescente que tem metade do tamanho que deveria ter, eu abro a torneira e me despeço no que eles chamam de privacidade .

Mudando rapidamente e me escondendo do resto das garotas, tento me concentrar em levar isso adiante.

Enquanto estou me ensaboando e enxaguando o suor sujo do meu corpo, o resto das garotas vai embora.

A sala se enche de silêncio e, embora eu goste de ficar sozinha, isso é um mau sinal.

Vou chegar atrasada de novo se não me apressar.

Termino meu banho em mais três minutos e giro os botões cromados para desligar o chuveiro.

Estendo a mão para pegar minha toalha, não encontro nada.

Uma onda de pânico me invade.

Nada no banquinho na base do painel externo, nada no pequeno gancho próximo à abertura.

Nada.

Puxando a cortina do chuveiro para trás e empurrando-a contra o meu peito, eu olho ao redor, não vendo nenhuma das minhas roupas e ninguém por perto.

Onde diabos estão minhas roupas?

Sinto o pânico começar a correr em minhas veias e me comer viva.

Talvez alguém os tenha visto no chão e os tenha levado de volta para o meu armário?

Esperando como o inferno que seja esse o caso, eu arranco a cortina do chuveiro de seus anéis brancos e transparentes e me envolvo nela.

Vasculhando o vestiário, não encontro vestígios de nenhum das minhas coisas.

Não sobrou nada no meu armário: nenhuma bolsa de ginástica, nenhum sapato, sutiã, calcinha, escova de cabelo, nada.

Eu sei que alguém deve ter pegado, provavelmente as garotas esnobes que me lançaram olhares de ódio desde o primeiro dia.

Eu verifico as latas de lixo, rezando como o inferno para que talvez eles simplesmente as joguem fora, mas minha sorte é uma merda.

Virando rapidamente a esquina, procuro alguma coisa em todos os lugares, até puxando os armários aleatórios na esperança de encontrar um que esteja aberto para que eu possa pegar algumas roupas emprestadas para o dia.

Mas é claro que minha sorte é pior do que minha vida no momento, e não encontro nada.

Batendo minha cabeça no armário, xingando minha existência, eu sei qual é minha única opção, e não é legal.

Colocando a cortina do chuveiro em volta de mim ainda mais apertada e certificando-me de que a parte superior, média e inferior estão seguras o suficiente, eu corro.

Movendo-me o mais rápido que posso, subo um curto lance de escadas e chego ao primeiro andar da escola.

Então, eu arrasto meu traseiro pelo corredor vazio até chegar ao vestiário dos meninos e passar pelas portas.

Felizmente, ninguém está aqui; a aula está em andamento e tenho certeza de que Percy está se perguntando onde diabos eu estou.

Orando por algum golpe de sorte, algum tipo de pequena bênção que esses armários sejam rotulados como os nossos, eu me movo pelas fileiras procurando o nome de Percy.

A segunda linha e encontro o vencedor.

Lutando com a fechadura, novamente.

Não consigo abrir!

Lágrimas ardem em meus olhos e escorrem pela minha bochecha, sentindo o desespero afundando em meus ossos.

Chorando, envolta em uma cortina de chuveiro, depois que eu invadi o vestiário dos meninos deve ser um ponto baixo de todos os tempos.

O que mais poderia superar isso?

Eu olho para cima, vou amaldiçoar Deus por me deixar ainda estar viva, mas eu vejo de relance algo que pode me ajudar.

Com o canto do olho, noto um armário sem nenhuma fechadura idiota pendurada e o que parecem roupas enfiadas dentro.

O que poderia superar isso?

Roubar de um estranho inocente.

Isso é o que.

Prendendo a respiração, eu deslizo na frente dele e o abro, arrancando as roupas e dando uma olhada.

Uma camisa e um short de basquete, até um par de chinelos, graças a Deus!

Grande, mas vai servir.

Levando minhas novas descobertas para o chuveiro dos meninos, eu me visto com grande pressa para me cobrir com roupas de verdade, mesmo que não sejam minhas.

Sabendo que minha jaqueta está em meu armário real, guardada com segurança, não me importo de ficar sem sutiã até lá.

Ter peitos grandes é uma merda.

Se eu não usar sutiã, fica muito evidente.

Não que eles fiquem caídos demais ou algo assim, são apenas… peitos grandes, grandes problemas.

Resolvido o problema imediato, sinto um aperto na consciência.

Não posso roubar as roupas desse estranho.

Meu tio é o vice xerife, pelo amor de Deus.

Mas eu preciso deles.

Então, vou pegá-los emprestados?

Use-os em casa, lave-os e devolva.

Sentindo-me melhor com esse resultado, volto para o armário, pegando o recado rasgado da prateleira de cima e a caneta que está jogada na parte inferior para escrever um bilhete de empréstimo.

“Peguei suas roupas de ginástica. Desculpe.”

Eu ia colocar meu nome, mas acho que seria melhor se eu simplesmente devolvesse sem ninguém saber.

Empurrando-o pela parte superior, deixo-o pendurado no pequeno gancho para saber que ele verá.

Fechando o armário, memorizo ​​o nome pintado na frente para saber a quem devolver, junto com um bilhete de agradecimento e provavelmente um cartão-presente ou algo assim.

Eu me sinto uma merda por tomar isso.

Mesmo com a pura intenção de devolvê-lo, ainda me sinto uma ladra.

“Sinto muito, D. Henley.” eu sussurro no silêncio, deixando o vestiário e este pequeno desastre atrás de mim.

Quando chego ao meu armário, o sinal toca e todas os estudantes vão para os corredores.

Ele enche de jovens da minha idade, e os olhares de soslaio me deixam tão desconfortável.

Com meus braços em meu peito, eu apresso a porta do meu armário aberta e deslizo em minha jaqueta para esconder meus seios ao ar livre.

“Onde o… O que você está vestindo? O que aconteceu?” Percy me lança um olhar preocupado.

Seu cabelo loiro liso balança em seu rosto e seus olhos castanhos quentes me estudam, procurando por qualquer sinal de preocupação.

“Essas malditas Barbies de plástico, acho que roubaram minhas coisas. Tive que usar uma cortina de chuveiro para me cobrir, então pensei que poderia usar suas roupas de ginástica, mas não consegui abrir o armário com sua fechadura idiota.

“Felizmente, encontrei isso no armário de uma pessoa qualquer.”

Corri meus dedos pelo meu longo cabelo cor de mel, tirando uma mecha do meu rosto enquanto me preparava para a última aula do dia.

“Espere, você correu pela escola nua e invadiu o vestiário dos rapazes? De quem são as roupas que você está vestindo? ” Suas sobrancelhas se franziram.

A campainha tocou, dizendo-nos para seguirmos em frente.

Balançando a cabeça e me esforçando mentalmente, Percy e eu caminhamos para a aula.

Ele um tanto na minha frente enquanto ele fala sobre o trabalho que terei que fazer.

A próxima hora e meia passa lentamente – a velocidade do caracol é lenta.

Caminhamos para casa como todos os dias anteriores, as crianças da escola que dirigem passam correndo por nós.

“Você sabe que posso ir e voltar da escola sozinha. Eu sei que você sente falta de dirigir – você não tem que desistir por mim. “

O sol bate em nós, fazendo-nos suar e abanar o rosto com uma pasta.

Olhando para a frente na estrada, podíamos ver o calor assobiando nas calçadas.

Percy tem um carro, uma carteira de motorista e uma vaga de estacionamento na escola que ele pagou.

“Está tudo bem, Van. Caminhar é bom para nós dois. ” Ele me cutuca com o cotovelo.

Eu sei que ele estava apenas sendo legal.

Ele sentia falta do carro e da direção.

Mas, como eu não entraria em outro veículo nem para salvar minha vida, ele decidiu seguir minha loucura para me ajudar a me sentir melhor por estar sozinha.

Eu não fui sempre assim.

Mas, há cinco meses, minha vida mudou.

Um dia fomos passear de carro, só indo ao cinema, e começou a chover.

O pneu do lado do passageiro estourou, batemos em uma poça, derrapamos e saímos do canteiro central e caímos no rio abaixo.

Papai morreu com o impacto.

Mamãe tirou Morgan e eu do carro, mas foi arrastada pela corrente e se afogou.

Morgan morreu de pneumonia no hospital, uma semana depois.

Acordei duas semanas depois e descobri que minha família havia sumido.

Percy e seu pai, tio Jonah, são tudo o que resta para mim.

Um acidente de carro foi pior do que o Armagedom à minha porta.

Foi só… meu mundo acabou.

No entanto, a vida continua.

As pessoas ao seu redor voltam a rir e sorrir, planejando o futuro e sendo felizes, mas não por mim.

Eu não sorri ou ri desde então.

Na terapia designada pelo tribunal a que sou forçada, é nisso que estamos trabalhando.

Mas como posso rir quando a risada de Morgan foi tão contagiante e agora está perdida para sempre?

Como posso sorrir quando o sorriso da mamãe iluminava a sala e sempre me aqueceu?

Do que há para rir sem as piadas ridiculamente cafonas que me fizeram gemer e revirar os olhos, o que agora sinto mais falta do que qualquer outra coisa no mundo?

“Lamento que você tenha tido um dia horrível, pizza o deixaria melhor?” Percy digita o código na porta da frente, deixando-a destrancar e abrir.

O ar-condicionado crocante e frio nos atinge como um boneco de neve gelado soprando um beijo em nossa direção.

A casa do tio Jonah está bonita, agora que também é minha, como gostam de me lembrar.

Menor que a casa da minha família, mas como era apenas Percy e meu tio, eles não precisavam de muito.

Um simples prédio de dois andares de tijolos brancos com uma piscina nos fundos e uma bela varanda na frente, onde meu tio mandou fazer um balanço para mim.

É um bairro agradável, não abafado como um beco sem saída ou burguês, como um condomínio fechado.

Nossa casa é a única na rua sem saída, mas outras casas estão espalhadas pela estrada; podemos vê-los da varanda da frente.

“Pizza torna tudo melhor.” Revirei os olhos e subi as escadas.

Jogando minha bolsa no chão e tirando as roupas do estranho, coloquei meu pijama.

Colocar um sutiã e calcinha me faz sentir humana novamente.

Minha camiseta preta da Odyssey fica pendurada no meu peito e não me dá contorno.

Meus shorts pretos simples são longos o suficiente para baixo na minha coxa para cobrir as marcas de automutilação que salpicam a parte superior deles.

Jogando a camisa e os shorts do estranho na máquina de lavar, certifico-me de adicionar mais sabão para que cheirem bem e limpos quando eu os devolver.

Eu dou uma polida nos chinelos preto e azul, e os coloco pra secar.

“Você acha que eu deveria comprar um cartão-presente para, tipo, uma loja, ou apenas para, eu não sei, tipo, um posto de gasolina? Essa deve ser uma aposta mais segura, não é?”

Percy faz uma pausa em seu jogo, sentando-se na seção cinza que enquadra a sala de estar.

A tela plana fica pendurada na parede à nossa frente como um farol para chamar nossa atenção.

“Das roupas que você furtou? Provavelmente o conheço bem o suficiente para ajudar. “

Ele coloca um salgadinho na boca, segurando a sacola para mim enquanto eu me jogo ao lado dele.

“Uh… porra, acho que esqueci.” Minha mente fica em branco no crachá, fazendo Percy rir e balançar a cabeça.

Curiosidade sobre o traumatismo craniano, a perda de memória é uma grande parte disso.

Tanto a curto quanto a longo prazo, e o grau de gravidade, é uma agulha em um palheiro.

O meu é muito bom. Não é como se eu fosse Ten Second Tom de 50 First Dates ou algo assim.

É apenas mais difícil para mim guardar pequenos pedaços de informação quando costumava ter a memória de um elefante.

Eu esqueço conversas facilmente agora, estudar é mais difícil, eu esqueço coisas que preciso se não fizer uma lista e aprender o nome de alguém é ridiculamente difícil para mim.

Isso também não é tudo. Tenho acessos aleatórios de raiva incontrolável, pesadelos e enxaquecas doentias.

Bater com a cabeça na janela do carro a 120 quilômetros por hora causa problemas.

Quem diria, não é?

Eu também fiquei embaixo d'água por um tempo, algo sobre a falta de oxigênio fez algumas coisas bagunçarem meu cérebro.

“Você vai lembrar, não se preocupe. Onde ficava o armário dele? ” Ele mastigou um punhado de batatas fritas.

Usando minhas mãos, demonstro como a sala está organizada.

“Eu nem sei. Seu armário estando aqui, acho que o armário dele está voltado para fora e talvez o quarto? ” Eu mesma pego um punhado de batatas fritas e o deixo pensar.

“Eu digo para pegar o cartão de combustível, é provavelmente o armário de Noah, Patrick ou Zack. Espere, não, você disse que não tinha fechadura? “

Seus olhos castanhos se arregalam de preocupação quando ele percebe de quem deve ser o armário.

Acenando com a cabeça, ele joga seu controle no chão e se levanta.

“Foi D. Henley?” Sua voz implora para eu dizer não, mas o nome parece certo e tenho certeza de que é exatamente o que é.

“Eu não sei, talvez? Talvez não.” Eu levanto uma sobrancelha para ele e porque ele parece com tanto medo de repente.

Seu rosto empalidece visivelmente enquanto toda a cor se esvai.

“Ninguém viu você, certo?” Ele se abaixa na minha frente, chegando ao nível dos olhos.

“Claro que não, eu estava enrolada em uma cortina de chuveiro.” Eu não entendo o motivo de tanta preocupação.

Ele leva a mão ao rosto e a enrosca no cabelo, suspirando.

“Esqueça de devolvê-los até que eu descubra de quem você os tirou, e nunca conte a ninguém o que aconteceu. Nem mesmo ao papai, ok? “

Preocupado, ele se levanta, andando da sala de jantar para o meio da sala de estar.

“Eu, tipo, arrombei o armário do filho do prefeito ou algo assim?” Minha curiosidade entra em ação.

Percy para, dando uma risada seca.

“Está mais para o filho do diabo. Damon Henley é filho de Lucien Henley, o líder da gangue do clã de motoqueiros com quem meu pai está sempre brigando.

“Se ele consegue a prisão de um deles, algo sempre acontece, ou o caso é arquivado ou as evidências desaparecem, as testemunhas desaparecem – eles sempre saem disso”.

Ele balança a cabeça. Antes que eu pudesse perguntar qualquer outra coisa, tio Jonah entra pela porta com três caixas de pizza extragrandes e um sorriso cansado torcido em seus lábios.

“Ei, pessoal, como estão meus soldados?”

Sua voz é leve, mas posso ouvir o cansaço e o estresse pairando nas pontas.

Assim como meu próprio pai, o tio Jonah faz o possível para esconder os problemas dos adultos de seus filhos.

Eu me senti ainda pior.

Agora tínhamos que fazer o controle de danos antes que eu irritasse uma gangue de motoqueiros.

Ótimo.

Exatamente o que precisamos.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

Savannah

Percy e eu mantivemos esse pequeno contratempo em segredo nos últimos dois dias.

Ele está tentando descobrir de quem é o armário que arrombei e como posso devolver as roupas se for Damon Henley.

Já que ele é o filho do rei motoqueiro e tinha uma guerra em andamento entre a polícia e eu sendo sobrinha do xerife – isso não seria bom, Percy diz.

No terceiro dia, acho que devo apenas encarar os fatos e lidar com qualquer problema que Damon queira jogar no meu caminho.

Duas horas antes de normalmente acordarmos para a escola, escapei de casa e caminhei alguns quarteirões até o posto de gasolina.

Comprar um vale-presente de gasolina às quatro da manhã fez o caixa me olhar de maneira estranha.

Voltar para casa em menos de trinta minutos e voltar foi tão fácil que pensei em falar com o tio Jonah sobre o sistema de segurança ser uma merda.

Eu havia feito uma carta de agradecimento sem nome para pedir desculpas por “pegar emprestado sem pedir” suas roupas e sapatos.

E agradecendo a ele por deixar a fechadura aberta para que eu pudesse usá-los em meus momentos de necessidade.

Expliquei que o vale combustível era uma forma de agradecimento.

Cheguei até a engomar suas roupas e colocá-las nesta caixa de veludo preto que amarrei com uma fita azul para fazer parecer que dediquei um cuidado extra ao devolver suas roupas.

Eu queria ter certeza de que esse cara sabia que eu não estava roubando; era uma emergência real e eu estava grata.

Escondi-o na minha mochila e, quando Percy e eu chegamos à escola, pedi a ele que apontasse o Sr. Damon Henley.

Eu disse a ele que era para ter certeza de ficar fora de seu caminho.

Acreditando na mentira, ele fez exatamente isso.

“Ok, então não olhe ainda, mas aquele do meio com o cabelo preto. O mais alto perto do banheiro. “

Ele apontou indiferente, sem realmente se virar para apontá-los para mim.

Agindo como se estivesse apenas olhando ao redor do corredor, meus olhos mergulharam no homem com quem eu precisava falar.

Percy falou sobre Damon como se ele fosse legitimamente herdeiro de Lúcifer, e olhando para ele eu poderia conectar algumas verdades que quase me fizeram querer rir.

Eles dizem que Lúcifer era o melhor, o mais glorioso e belo Anjo do céu, e olhando para Damon Henley, eu vi a verdade nisso.

Damon, doce bebê Jesus.

Ele parecia um anjo caído em couro preto e jeans rasgados.

Seu cabelo preto como tinta penteado para trás com gel que o mantinha longe de seu rosto… o comprimento era como algo saído de um sonho molhado…

Perfeitamente longo o suficiente para que você quisesse brincar com ele, e dava uma aparência de encrenqueiro fumando embaixo das arquibancadas.

As tatuagens brincavam de esconde-esconde no decote em V branco que exibia ombros esculpidos e clavícula.

Eu nunca pensei que um pescoço pudesse ser sexy, mas ver Damon se virar para olhar para o cara ao lado dele, e as tatuagens que eram quadriculadas ao longo dele, foi como se minha calcinha se desintegrasse.

Em todos os meus dezessete anos e meio de vida, nunca vi um ser humano tão bonito.

Deve ser ilegal.

E quando ele penteou o cabelo com os dedos, deixando mechas largas por ele e essa onda quase desgrenhada, fiquei extasiado.

Crescendo, comecei a notar os meninos bem cedo.

Aos dez, tive problemas por brincar de girar a garrafa, e aos treze verdade ou desafio era meu jogo favorito.

Eu gosto da espécie masculina.

Eu nunca namorei ninguém a sério ou fui até o fim, mas eu tinha o sangue quente, como minha mãe tentou explicar.

Dizendo como eu era mais impulsivo e precisava pensar nas coisas antes de sair e fazer as coisas que fiz.

Sempre aceitei desafios, quebrei alguns ossos e me meti em encrencas durante a infância.

Nos verões, quando Percy e eu passávamos uma quantidade interminável de tempo juntos, ele sempre participava de tudo, embora eu me certificasse de que ele nunca levasse a culpa.

Eu não tinha me sentido assim, nunca.

Damon estava pingando com apelo sexual, e Senhor, eu queria ser a esponja para absorver tudo isso.

“Ei, Terra para Van.” Percy estalou os dedos na frente do meu rosto, me fazendo cair de volta à minha realidade dura e cruel.

“Oh, não”, eu sussurro, dando a Percy um olhar que o fez bater com o livro na testa.

“Não, Vannah má! Absolutamente não.” Ele agarrou meu braço e me puxou para longe do corredor.

Ele me empurrou para o refeitório e me empurrou para o meu lugar.

“Não, e eu quero dizer isso. Não tente nada com ele. Ele é não é coisa boa. “

Eu sei que ele está falando sério, e é ridículo o quanto ele está tentando me convencer a ficar longe.

Se isso fosse há seis meses, se eu fosse a mesma pessoa de antes, teria caminhado até ele e começado a falar.

Eu costumava ser capaz de fazer amigos instantaneamente sempre que entrava na sala.

Eu costumava ser muitas coisas.

Eu tinha uma confiança matadora; eu amava meu corpo e amava sua sensação.

Eu o exibi e possuía cada centímetro da minha pele. Ele me ajudou ser a estrela do coral; Eu ganhava todas as competições, seja sozinha ou em grupo.

Eu me amava.

O que era muito raro ser uma adolescente.

O mundo ao meu redor se alimenta da ideia de inseguranças e nos tornou vulneráveis.

Agora, eu era aquela garota que sempre pensei que tinha sorte de não ser.

Agora, eu estava quebrada e inseguro.

Eu tinha cicatrizes, as piores sendo invisíveis a olho nu.

Eu costumava ser cheia de vida e brincar, adorava fazer as pessoas rirem.

Eu era brilhante, calorosa e barulhenta.

Eu sorria o tempo todo; Eu era a alma da festa.

Agora, eu não sei merda nenhuma sobre essa nova versão de mim além do ruim.

Eu costumava ser destemida.

Eu iria atrás de qualquer coisa ou alguém que eu quisesse; Eu costumava comandar o palco e viver sob os holofotes.

Olhando para mim agora, você não acreditaria.

Parece uma realidade distante.

Essa menina morreu com sua família.

Aquela que acordou está vazia e no escuro, ficando nas sombras e odiando a ideia de cantar novamente.

Ela é quieta e reservada.

Cautelosa e retraída.

Não há mais festas ou piadas para contar, nenhuma risada para ser ouvida, nenhum sorriso para dar.

Não sou mais brilhante ou alegre.

Eu fui do tigre para a presa e, de alguma forma, Percy estava se esquecendo disso.

“Calma, eu não vou.” Tirei suas mãos dos meus ombros e movi uma cadeira para nos dar algum espaço.

Traumatismo craniano, como qualquer trauma, suga enormes paus de burro.

Depois de todos os exames, as pílulas e a terapia, psiquiátrica e física, acabei com uma lista de diagnósticos.

Eu costumava ser apenas Savannah Gabrielle Madis.

Agora eu era mais do meu diagnóstico do que uma pessoa.

Cada médico, eu senti, me ignorou e apenas viu os problemas em meu corpo e não quem eu sou, o que esses problemas estavam fazendo e causando para mim.

Que tipo de dano o remédio estava cobrando de mim.

É como se eles só vissem o que eu tinha e não eu.

Meu cérebro está marcado e mutilado pelo acidente de carro, junto com outras partes do meu corpo.

Seria mais fácil se minha mente tivesse sido poupada… não como se eu tivesse perdido o suficiente, certo?

Em minha lista cada vez maior de partes fodidas, tenho estresse pós-traumático, claustrofobia, ansiedade, depressão, esquizofrenia desencadeada por estresse e a lista continua… também muda.

Não é divertido?

Terapeutas diferentes me dão diagnósticos diferentes.

Sim.

Divertido.

Remédios diferentes também.

Atualmente, tomo um punhado de manhã e à noite, junto com “medicação de resgate”. Que eu mantenho na minha bolsa como um cobertor de segurança.

Depois que nos separamos para a educação física, agi alheia às meninas no vestiário rindo e sussurrando nas minhas costas.

Se fosse meu antigo eu, teria corrido e feito minhas coisas, mas… as coisas mudam.

Nos últimos dias, mantive todas as minhas coisas no meu armário de verdade.

Quando começamos nossa corrida, terminei minha primeira volta antes de perguntar ao treinador Kline se eu poderia trocar os sapatos.

Sabendo que ele não me deixaria usar o banheiro, agi como se tivesse esquecido completamente que estava usando sandálias e não tênis.

Sendo um idiota grosseiro, ele concordou, me dizendo para voltar correndo antes que ele viesse me procurar.

Pensando que posso esgueirar-me de volta para o vestiário e vou lembrar do armário quando o vir, é o que faço.

Pegando o cartão de agradecimento e a caixa forrada de veludo preto, corri para as portas do vestiário dos meninos e escutei se alguém estava lá dentro.

Sem ouvir nada, mudei-me; furtiva como sempre, canalizei meu 007 interno e me movi rapidamente em torno das fileiras de armários até encontrar o de Percy.

Recriando aquele dia, parei na frente dele e desci. Com certeza o único armário sem uma maldita fechadura era D. Henley.

Abrindo, coloco a caixa com o cartão de agradecimento em cima.

Sentindo-me bem com isso, eu fechei a porta, dando um sinal de positivo para o próprio armário como se ele devesse estar orgulhoso de mim, e estalo meus dedos como se eu fosse legal antes de girar nos calcanhares…

… apenas para bater direto em uma parede de tijolos revestidos de tecido.

Caindo de bunda, deixo escapar um suspiro de pânico que involuntariamente sai do meu peito.

Levando a mão ao meu nariz e esfregando em círculos para tirar a dor, meus olhos rastejam até o anjo escuro e seus dois capangas na minha frente.

“O que diabos você acabou de colocar no meu armário?” ele rosnou, os braços cruzados no peito como pítons protuberantes.

Se eu não estivesse tão surpresa, eu poderia ter desmaiado com a voz masculina profunda que soaria como chocolate derretido em qualquer outra conversa.

Meu pescoço teve que esticar todo o caminho para trás para olhá-lo nos olhos.

“Fale, garota”, ele latiu, olhando para o meu estado de choque.

“Ela é bonita, pare de assustá-la.” o loiro cinza à sua esquerda flertou.

“Ah, ela só quer ser sua amiga, ser legal.” O garoto de cabelos castanhos sujos à sua direita deu um sorriso encantador e agitou os cílios.

“Não, eu não. Eu estava apenas devolvendo algo. ” Eu me levantei, limpando minhas mãos no meu short azul.

“Retornando o quê?” Damon deu um passo à frente; o olhar que ele lançou para mim poderia fazer os bebês chorarem.

“Oh merda, foi ela que pegou suas coisas, olha.”

O loiro segurou a caixa, entregando o cartão de agradecimento ao garoto de cabelos castanhos e abrindo a tampa.

Eu observei a fita azul que levei muito tempo para ter certeza de que parecia boa cair no chão e ser esquecida em um segundo.

“Então você é a ladroazinha suja. Me quer tanto que você rouba minhas roupas sujas? Cara, você deve estar mal. ” Damon passa os olhos pelo meu corpo como se estivesse enojado ao me ver.

Eu senti minhas bochechas se iluminarem; a raiva atingiu minha corrente sanguínea. Aumentar meu óbvio embaraço não foi uma boa combinação.

Eu bufei e rolei meus olhos.

“Uau, muito vaidoso? Eu nem sei quem você é. “

Nós sabemos que é mentira, mas eu não sabia quando peguei as malditas coisas.

Eu me aproximei; ficar cara a cara com esse idiota não estava na lista de afazeres, mas aqui vamos nós.

Seus olhos praticamente atingiram a parte de trás de sua cabeça com seu próprio revirar de olhos desafiador.

“Em segundo lugar, eu não sou ladra. Peguei suas coisas emprestadas sem pedir e agora estou devolvendo. “

Eu cruzei meus braços e imitei sua postura, adicionando meu próprio brilho de volta.

“Ela te deu um cartão de agradecimento. E, ah, um vale-presente de 40 dólares para o Murphy's. Legal.”

O garoto de cabelos castanhos o entregou para Damon olhar, para o qual ele deu um rápido movimento de seus olhos, antes que ele voltasse a tentar me pegar fogo mentalmente.

“Pegar emprestado sem pedir é roubar. Você é uma ladra de merda, sem falar nas minhas roupas sujas? Totalmente doente.” Ele cuspiu como se eu fosse inferior e 100% errada.

“Não, na verdade, não é.” Eu fiquei mais alta, meu quadril inclinado para o lado e meus olhos fixos nos dele em uma demonstração inabalável de domínio.

“Pegar emprestado sem pedir é falta de educação e maus modos, mas se devolvido, não é roubo. Como o bilhete que deixei. Foi um bilhete de empréstimo.

“Ladrões normalmente não deixam bilhetes de empréstimo, nem entregam presentes para suas vítimas desconhecidas. Acredite em mim, se eu tivesse qualquer outra opção naquele dia, não teria ido atrás de seus pertences nojentos.

“Agora, sinto muito por ter levado suas roupas, mas não tive escolha. Lavei, sequei e passei a ferro, pedi desculpas, então tchau e obrigada por não ter um cadeado idiota. “

Apontei para o cadeado prateado pendurado no resto dos armários azuis ao nosso redor.

Recuando, me virei e fui embora, mas quando cheguei à porta, o loiro estava parado na frente dela.

“Quem é Você?” ele sussurrou com um sorriso e um brilho de admiração em seus olhos.

“Eu não sou ninguém.” Eu combinei com seu nível de voz, fazendo seu sorriso crescer.

“Ei, eu não disse que você poderia ir embora. Ninguém fala assim comigo.” Damon rosnou atrás de mim.

Virando-me, sorri para ele.

Sim, eu sei.

Damon tinha me seguido ao redor dos armários e me prendido entre o loiro e seu eu imponente.

O loiro levou as costas da mão à boca para disfarçar uma risada.

“Por que você pegou?” O garoto de cabelos castanhos se apoiou na pilha de armários atrás dele.

“Porque eu precisava deles.” Eu olhei nos olhos dele enquanto respondia de volta.

“Precisava deles por quê?” Damon fervia de raiva.

Não querendo aumentar meu constrangimento, não queria contar a verdade a ninguém.

“Porque eu fiz.” eu respondi.

Parecendo entediado com essa conversa, não acrescentei mais nada.

Zombando de mim, seus cabelos negros como tinta caíram e começaram a descer para a testa.

Eu perdi minha linha de pensamento por um segundo quando vi três fios grossos de seu cabelo caindo para frente e pendurados na frente de seus olhos.

A cor escura parecia um céu sem estrelas.

“Não estou procurando um brinquedo novo.”

Sua voz me tirou do meu pequeno devaneio.

“Eu não tenho ideia do que isso significa?”

Eu arregalei meus olhos e pressionei meus lábios para mostrar meu aborrecimento.

“Eu não vou transar com você, garota.”

“Bem, obrigada DEUS por isso.” Eu levantei minhas mãos para o céu em exagero apenas para irritá-lo.

Os outros dois caras riram, mas o príncipe das trevas na minha frente parecia que estava tentando me entender.

“Você está honestamente tão cheio de si mesmo que pensa que eu peguei emprestado suas roupas sujas e suadas de ginástica para usar em casa para que eu pudesse o quê? Fazer alguma merda de fetiche pervertido estranho?”

“Esse deve ser o motivo pelo qual eu os devolvo em particular e uso discrição para que você não saiba quem os pegou emprestado ou de quem eu os peguei.

“Eu não sei nada sobre você, nem seu nome, como você era, nada. Não se preocupe, anjo, você não me deixa molhada. “

Eu franzi meu rosto enquanto balancei minha cabeça para ele.

Os dois capangas respiraram fundo e tossiram para disfarçar as risadas que irromperam.

Damon pareceu surpreso com minhas palavras – honestamente, eu também.

Eu não sabia que ainda tinha esse fogo dentro de mim.

Os olhos de Damon se arregalaram e suas narinas dilataram-se com um clique em seu queixo esculpido.

Certifiquei-me de que meus olhos nunca se desviassem da escuridão com a qual ele me cativou.

Eu encarei os poços intermináveis ​​de suas piscinas pretas, escuras e nunca vacilei.

“Seu nome.” ele rosnou.

“Lara Croft.” Eu sorri para a loira rindo atrás de mim.

“Seu maldito nome, garota.” Seus braços caíram para os lados e seu rosto estava ficando vermelho.

“Multar! Se eu disser meu nome, posso ir? “

Eu segui seu exemplo e deixei cair minhas mãos também.

Mantivemos um jogo de encarar por um minuto até que ele lambeu o lábio inferior e respirou fundo, o que fez parecer que estava tremendo de raiva.

“Diga-me seu nome, filha da puta, e você pode voltar para a educação física.” Ele disse isso com tanta calma que era como se ele fosse uma pessoa diferente.

Agindo como se realmente fosse dizer a ele meu nome, suspirei e olhei para baixo, agindo como se não quisesse fazer isso, mas ele tinha me encurralado e esta era minha única chance.

“Ginny,” murmurei fracamente.

Sua sobrancelha se ergueu, mas ele não questionou.

“Sobrenome.”

“Por quê?” Eu fingi medo, preocupada sobre por que ele precisava disso como se fosse me delatar ou algo assim.

“Nome, garota!” Seu rosto se iluminou de volta com o vermelho que eu estava tão facilmente persuadindo.

“Foda-se, tudo bem! Granger, tudo bem! Agora posso ir? “

Eu bati meu pé e atirei o máximo de atitude em seu caminho.

“Tchau.” Ele acenou sarcasticamente com alegria.

Eu me virei e olhei para o loiro; ele agarrou a maçaneta da porta e a abriu para mim, curvando-se e sorrindo como se tivesse amado o show que acabei de apresentar.

“Obrigada, querido.” Acenei um tchau para ele e cortei meus olhos para Damon mais uma vez antes de dobrar a esquina e sumir de vista.

Corri de volta para a educação física, nem mesmo trocando os sapatos, o que passou despercebido.

Ginny Granger.

Dois dos meus personagens favoritos de Harry Potter.

Pensei no meu nome completo falso.

Na última metade do ano, nem tive vontade de rir.

Mas pensar sobre o grande príncipe motoqueiro malvado pensando que meu nome de fato é Ginny Luna Granger quase me fez sorrir e rir alto.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Química

Faz tempo desde a última transa de Emily. E o último relacionamento? Foi há tanto tempo que ela mal se recorda. O que significa que está na hora de um ter um caso bem picante. Emily está preste a conhecer alguém que vai deixá-la em chamas.

Caindo na Real

Desde jovem, Maya Hamilton era uma garota festeira, e tudo que mais amava era se soltar e fazer o que bem entendia. Jace Parker era um garoto de fraternidade irresponsável que tinha uma queda por garotas festeiras: eles eram perfeitos um para o outro – até que, do nada, ele terminou o relacionamento através de uma mensagem de texto. Agora, dois anos depois, eles se reencontram como aluna e professor, e Maya está escondendo um segredo que pode mudar a vida de Jace!

Centelha do Desejo

Órfã jovem e transferida de lar adotivo para lar adotivo, Adeline passou os últimos nove anos sozinha e com um segredo: ela é um lobisomem. Quando, sem saber, ela entra no território da matilha durante uma corrida, ela é capturada e logo descobre que encontrar sua própria espécie não era tudo o que ela esperava que fosse. Quando ela encontra o alfa que a detém contra sua vontade, faíscas voam. Mas será que ele pode vê-la como qualquer outra coisa que não seja um selvagem? Ou ela será sua prisioneira para sempre?

O Convite do Alfa

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!

Prometida ao Rei Lobisomem

~ Foi assim que o mundo acabou. ~

~ O rei dos lobos, o monstro mítico, o homem majestoso que eu aprendi a amar e desejar com todas as minhas forças estava lá.. sangrando ao lado de seu trono. Morrendo. ~

~ Ao lado dele estava um demônio sorridente… o Lorde Demônio. Ele apontou para mim com um dedo longo, preto e fino. ~

~ “Você é minha agora”,

Tranquilidade

Fora do Reino Licantropo, Lilac de dezoito anos é uma lobisomem tímida — mas ela é linda, e todos ao seu redor estão notando.

Quando um cheiro que ela não pode ignorar a atinge e ela é forçada a reconhecer seus desejos, ela se vê olhando para o infame Kyril Vasilo. E ela descobre que ele não é apenas um lobisomem qualquer… ele também pode ser seu par.

O Resgate de Maximus

Quando Leila volta à sua cidade natal para ser uma médica da matilha, ela se vê presa entre o passado e o presente—e o amor de dois homens—um belo colega médico e um alfa com um segredo. Mas quem fará seu coração bater mais rápido?

De Repente

Hazel Porter se sentia perfeitamente feliz com seu trabalho em uma livraria e seu apartamento aconchegante. Mas quando um encontro assustador a joga nos braços de Seth King, ela percebe que há mais na vida – muito mais! Ela é rapidamente lançada em um mundo de seres sobrenaturais que ela não sabia que existia, com Seth bem no centro: um Alfa feroz, forte e lindo, que não quer nada além de amá-la e protegê-la. Mas Hazel é humana. Será que isso pode realmente dar certo?

A Chama nos Une

Em seu aniversário de dezoito anos, Lydia descobre que está destinada a se casar com o rei Gabriel de Imarnia, e sua vida inteira vira de cabeça para baixo. Usando seus raros poderes de fogo e anos de treinamento, Lydia tenta resistir ao destino a todo momento.

Mas o rei Gabriel tem outros planos…

Classificação etária: 18 +

Autor Original: Suri Sabri

Grayson, o Alfa

Sequestrada quando criança, Lexia se tornou uma guerreira endurecida e está planejando uma rebelião que pode derrubar a hierarquia Alfa. Só há um problema: ela está acasalada com um dos doze Alfas do mundo — e ela não sabe com qual deles. Quando Alfa Grayson aparece com uma proposta interessante e um olhar penetrante, os planos mais bem elaborados de Lexia são postos em xeque. Ela finalizará seus planos ou cederá ao coração?

Classificação etária: 18 +

Disclaimer: observe que esta história não está diretamente conectada a O Roubo do Alfa, que é uma adaptação imersiva e reinventada de Alfa Kaden. Esta história faz parte da versão original do autor da série Alfa e você pode apreciá-la como uma história independente!

Nota: Esta história é a versão original do autor e não tem som.