logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Hazel Porter se sentia perfeitamente feliz com seu trabalho em uma livraria e seu apartamento aconchegante. Mas quando um encontro assustador a joga nos braços de Seth King, ela percebe que há mais na vida – muito mais! Ela é rapidamente lançada em um mundo de seres sobrenaturais que ela não sabia que existia, com Seth bem no centro: um Alfa feroz, forte e lindo, que não quer nada além de amá-la e protegê-la. Mas Hazel é humana. Será que isso pode realmente dar certo?

 

De Repente por nightnoxwrites está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

Resumo

Hazel Porter se sentia perfeitamente feliz com seu trabalho em uma livraria e seu apartamento aconchegante. Mas quando um encontro assustador a joga nos braços de Seth King, ela percebe que há mais na vida – muito mais! Ela é rapidamente lançada em um mundo de seres sobrenaturais que ela não sabia que existia, com Seth bem no centro: um Alfa feroz, forte e lindo, que não quer nada além de amá-la e protegê-la. Mas Hazel é humana. Será que isso pode realmente dar certo?

Classificação etária: 18 +

Autor original: nightnoxwrites

Nota: Esta história é a versão original do autor e não tem som.

HAZEL

O ar estava frio e era possível sentir o cheiro fresco e úmido do inverno que se aproximava.

Apertei o cachecol em volta do meu pescoço, tentando afastar o frio. À minha volta, na luz cada vez mais cinzenta, as últimas folhas caíam das árvores, marcando o fim do outono.

Eu estava voltando para casa da livraria onde trabalhava, que ficava a vinte minutos a pé do meu apartamento.

Havia sido um dia agitado. Era início de novembro e as pessoas já estavam começando a comprar os presentes de Natal. Esse alvoroço duraria até janeiro, quando as pessoas iriam trocar os ditos presentes.

Virei a esquina e entrei na rua onde morava, então caminhei a curta distância até meu prédio e dei um suspiro de alívio quando saí do frio.

Eu morava em um prédio de cinco andares, sendo um apartamento por andar. Subi o primeiro lance de escadas, que levava à minha porta.

Endireitei a pequena placa na qual meu nome – Hazel Porter – estava escrito em minha própria caligrafia elegante, antes de virar a chave e entrar. O familiar cheiro de baunilha que saia do meu difusor me acolheu enquanto eu entrava.

Meu apartamento consistia em uma sala de estar, uma pequena cozinha, um quarto e um banheiro. Não era muito grande, mas era meu e era um lar.

Eu havia comprado a propriedade há pouco mais de um ano. Economizei desde os dezoito anos, quando comecei a trabalhar na livraria.

Dez anos se passaram e eu ainda trabalhava lá, não por não conseguir outro emprego, mas porque gostava muito.

Meus pais queriam que eu fosse para a faculdade, mas a ideia de passar mais tempo estudando era inconcebível a Hazel do ensino médio.

Além disso, eu não tinha ideia do que cursar, então foi melhor assim. Eu não tinha jogado dinheiro fora por um diploma com o qual não me importava.

No fim das contas meus pais acabaram aceitando, e embora não nos víssemos com frequência, nos dávamos muito bem, e eu ficava feliz em vê-los sempre que voltavam para a cidade.

Eles haviam se mudado para o sul em busca de climas mais quentes há dois anos.

No pequeno corredor de entrada, deixei minhas chaves na mesinha ao lado da porta, então tirei meu casaco e meu cachecol e os pendurei em um gancho na parede.

Tirei minhas botas e as coloquei ordenadamente na sapateira.

Caminhei em direção à cozinha, acendendo as luzes em meu caminho. Eu estava morrendo de fome, então vasculhei a geladeira e os armários em busca de algo para comer.

Decidi fazer uma omelete simples, sem me preocupar em cozinhar nada extravagante. A geladeira estava um pouco vazia, e fiz uma nota mental para ir às compras no final da semana.

Com um prato cheio na mão, voltei para a sala.

Eu tinha escolhido todos os meus móveis com cuidado, queria criar um espaço relaxante e confortável onde pudesse descansar e me sentir em casa.

Tons neutros, com um toque de cor aqui e ali, compunham a decoração de estilo escandinavo em todos os cômodos.

Me sentei no sofá cinza de três lugares, onde eu preferia sentar ao invés da mesa da cozinha – de quatro lugares – que só era usada nas raras ocasiões em que eu recebia visitas – normalmente meus pais – para jantar.

Peguei um dos meus cobertores, um branco e felpudo, e coloquei sobre minhas pernas cruzadas. Liguei a TV e comecei a comer minha omelete com entusiasmo. Eu estava faminta e ela tinha um gosto celestial.

“Outra morte por animais foi relatada aqui em Pinewood Valley.

“O animal em questão ainda não foi identificado, e os moradores da cidade são aconselhados a tomar cuidado ao fazer caminhadas na floresta até que o animal seja identificado e capturado”, alertou o locutor.

Esta era a terceira vez neste mês, reparei. Pinewood Valley era uma cidade cercada por floresta em três lados, a maioria composta por pinheiros, como o nome sugere, e muitos residentes faziam caminhadas e trilhas regularmente.

Ataques de animais sempre eram um risco, mas eram raros, e geralmente aconteciam nas profundezas da floresta, longe da cidade grande.

Era diferente agora. Nos últimos meses os ataques aumentaram de frequência e se aproximaram da cidade. As pessoas estavam preocupadas, e com razão.

Eu imaginei que animal poderia ser enquanto colocava os últimos pedaços de omelete na boca.

Talvez um urso ou um lobo? Tudo que eu sabia era que tinha garras. Todas as vítimas apresentavam cortes profundos e marcas de garras, com a perda de sangue sendo constatada como causa da morte.

Eu estava feliz que fazer trilhas nunca havia sido minha praia.

O resto do jornal não me interessou muito, então mudei para outro canal, no qual passava algum tipo de série de comédia, e, quando me senti pronta para dormir, caminhei em direção ao banheiro para me preparar para deitar, desligando as luzes no meu caminho.

Depois que me acomodei na cama, me afundei nos travesseiros e logo caí em um sono tranquilo.

Acordei na manhã seguinte me sentindo pronta para mais um dia normal de trabalho. Levantei, fiz torradas, escovei os dentes, me vesti e arrumei meus cachos castanho-avermelhados em uma trança jogada nas costas.

Dei uma olhada no espelho e a versão feminina do meu pai me encarou de volta, com cabelo acobreado, olhos azuis e nariz ligeiramente arrebitado.

Eu sempre me pareci com ele – as pessoas me diziam isso há anos – mas a semelhança aumentava à medida que eu envelhecia.

As únicas características que puxei de minha mãe foram lábios ligeiramente mais carnudos e sua constituição delicada. Ser baixinha era uma frustração para mim há anos. Sempre desejei ser mais alta.

Peguei meu casaco e cachecol e me preparei para enfrentar o frio do outono.

Cheguei à livraria com bastante tempo de folga, e aproveitei para preparar um chocolate quente com Crystal na sala de descanso, uma de minhas colegas de trabalho e melhor amiga.

Ela era uma jovem alegre com pele dourada e cachos em um tom ligeiramente mais escuro do que sua pele.

Eu me sentia otimista e tinha certeza de que seria um bom dia.

***

No final da minha jornada de trabalho eu estava cansada, mas contente. Realmente gostava do meu emprego.

Comecei minha caminhada habitual para casa, e tudo estava bem até que dobrei uma esquina e me vi cara a cara com uma figura encapuzada.

Dei um passo para o lado para passar por ele, mas ele estendeu o braço e me parou no caminho. Assustada, me virei para voltar por onde vim, mas ele não estava mais sozinho.

Os dias eram curtos nesta época do ano, e já estava escuro.

Pelo que eu pude observar, não havia ninguém por perto. As pessoas preferiam ficar em ambientes fechados, onde era quente.

Meu coração martelava no peito e eu sentia o pânico crescer dentro de mim.

Os dois homens eram grandes e musculosos, e ambos usavam casacos com capuz que deixavam seus rostos encobertos por sombras.

Eles me forçaram em direção a um beco, certificando-se de que estavam perto o suficiente para que eu não pudesse escapar.

Um deles se aproximou de mim, e eu pude jurar que ele me cheirou. Estremeci e meus pensamentos aceleraram, imaginando diferentes cenários do que poderia acontecer a seguir.

Eu queria gritar por socorro, mas não conseguia encontrar minha voz. O grito estava preso em algum lugar na minha garganta.

“Quem diria… Está sozinha, é?”, um dos homens perguntou com uma voz grave, seus dedos agarrando meu queixo e forçando meu olhar para o dele. Eu não consegui ver seus olhos no escuro, mas pude senti-los.

O outro riu de forma ameaçadora enquanto agarrava meus braços e me empurrava contra a parede.

Eu fechei os olhos com força, me preparando para o que quer que eles fossem fazer comigo, pois sabia que não tinha chance contra eles. Meu coração parecia que iria bater para fora do meu peito.

De repente ouvi som de rosnados, e os braços que estavam me prendendo à parede me soltaram.

Um terceiro homem, que era inacreditavelmente maior do que os outros dois, estava parado na minha frente, de costas para mim. Ele vestia apenas um jeans e uma camiseta.

Em meu torpor com a situação, tudo que eu consegui pensar foi em como ele não estava tremendo de frio. Era uma coisa estúpida para me concentrar, eu sei, mas eu acho que eu estava em choque.

“Que diabos vocês pensam que estão fazendo?”, ele perguntou aos dois homens, que pareciam diminuir sob o olhar de meu salvador.

Sua voz era áspera, e sua fúria era quase palpável.

Eles não responderam.

“Vocês não são bem-vindos aqui. Este é o meu território.” Suas palavras me confundiram, mas eu estava aliviada demais para prestar atenção nelas.

“Agora saiam.” Ele rosnou.

Os dois homens encapuzados se afastaram com pressa. Quando começaram a correr, suas formas escuras se fundiram com as sombras e eles desapareceram.

Meu salvador continuou na minha frente com uma postura rígida, ligeiramente curvado, com os braços elevados ao lado do corpo de forma que pareciam as asas de um pássaro protegendo seus filhotes.

Ele não se moveu por vários minutos após os outros dois homens irem embora. Então pareceu relaxar um pouco e virou-se lentamente para mim.

Eu não consegui enxergá-lo muito bem naquele beco sombrio. Seu corpo grande bloqueava a maior parte da luz fraca que vinha da rua atrás dele.

“Você está bem?” Sua voz ainda era áspera, mas um tom de preocupação a suavizou um pouco.

“Eu acho que sim.” Respirei.

“Você mora aqui perto?”, ele me perguntou.

Eu estava confusa, e tinha quase certeza de que meu corpo ainda estava parcialmente em estado de choque, então demorei um pouco para compreender o que ele estava dizendo e ser capaz de formar palavras novamente.

“A cinco minutos a pé daqui”, finalmente consegui dizer.

“Vou acompanhá-la, então. Quero me certificar de que aqueles desgraçados não continuam por aqui.”

“Tudo bem”, eu disse com uma voz fraca.

Voltei para a calçada. Mas não ouvi o estranho me seguir, então me virei para ver se ele ainda estava no beco e acabei esbarrando em seu peito.

Ele estava caminhando de forma tão silenciosa – seus pés calçados com botas não faziam nenhum som – que eu não percebi que ele me seguia.

“Me desculpe”, murmurei, tentando esconder meu leve constrangimento.

“Sem problemas.”

Ele segurou meus braços com leveza para evitar que eu caísse com o impacto.

Eu olhei para ele. Perto de mim ele era enorme, mas agora, com o brilho das luzes da rua, eu pude ver seu rosto, e quase engasguei.

Ele tinha cicatrizes com o formato de uma marca de garra, que se estendia de sua testa até a base do pescoço, passando sobre seu olho esquerdo.

Ele tinha um rosto bonito, mas as cicatrizes eram tão chamativas que era difícil reparar em algo além delas à primeira vista.

Combinadas com seu tamanho enorme e sua coloração escura, elas o faziam parecer perigoso.

Seu rosto era emoldurado por cachos escuros bagunçados, e tinha olhos verdes surpreendentemente brilhantes. Ele encontrou meus olhos brevemente antes de desviar seu olhar.

Tirei meus olhos de seu rosto, me virei para frente, e voltei a caminhar em direção ao meu apartamento. Um leve som de passos indicava que ele caminhava atrás de mim, porém era muito silencioso para um homem de seu tamanho.

Meu salvador me seguiu até meu prédio, onde murmurei um agradecimento e ele esperou até que a porta se fechasse com segurança atrás de mim, antes de sair.

Uma vez dentro do meu apartamento, encostei-me na porta, senti meus joelhos cederem e eu afundei no chão enquanto soluços ecoavam por meu corpo, com os eventos da noite finalmente me atingindo.

Só de pensar no que poderia ter acontecido, passei mal. Depois de um tempo o choro parou e eu me levantei, ainda trêmula, e fui até a cozinha para tomar um copo d'água.

Todo esse choro me deixou com uma sensação de desidratação. Fui para o meu quarto pois sentia que não tinha apetite ou energia para fazer muito mais do que vestir o pijama e cair exausta na cama.

Não demorou muito para que o sono me levasse, mas eu continuei acordando a noite inteira, atormentada por pesadelos.

Quando a manhã finalmente chegou, liguei para o trabalho dizendo que estava doente, algo que eu raramente fazia.

Fiquei na cama durante a maior parte da manhã, então me levantei para tomar um banho, impulsionada pela necessidade de lavar as memórias da noite anterior.

Na hora do almoço, sentei-me enrolada em uma das poltronas, com uma toalha enrolada em meu cabelo molhado. Liguei para minha mãe, pois sentia que precisava conversar com ela sobre o que havia acontecido, precisava de conforto.

Ela atendeu no terceiro toque – o que era rápido para seus padrões – e eu comecei a contar tudo enquanto novas lágrimas rolavam pelo meu rosto, embora não tão intensas quanto na noite passada.

Eu tinha chorado mais nas últimas vinte e quatro horas do que nos últimos seis meses.

Pela tarde eu finalmente consegui comer alguma coisa e me sentir mais relaxada, então coloquei um filme familiar na TV e me aconcheguei no sofá.

***

No dia seguinte voltei ao trabalho. Eu ainda estava um pouco abalada, mas estava determinada a voltar ao normal. Eu não me deixaria abater por essa experiência.

No caminho para casa, porém, meus nervos quase me dominaram. Atravessei a rua antes de chegar na esquina daquele beco e caminhei pelo lado oposto até passar por ele em segurança.

Eu sentia como se alguém estivesse me observando das sombras e acelerei meu ritmo, querendo chegar em casa o mais rápido possível.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

SETH

Seth King estava furioso. Seguiu para a casa da alcateia e foi direto para a sala de reuniões do Alfa. Escancarou a porta e nesse mesmo instante, os olhares ávidos ​​de seu círculo interno encontraram o dele.

“Como diabos eles passaram pelo perímetro?”, ele trovejou.

Todos que estavam diante dele abaixaram a cabeça, desviando os olhos, incapazes de encarar seu Alfa.

Era sempre bom ter cautela com um lobisomem enfurecido, mas quando se tratava de um Alfa, era preciso ser estúpido para não ter muito cuidado.

“Deve haver um ponto fraco em algum lugar de nossas patrulhas.” Nate, seu Beta, foi o primeiro que se atreveu a falar.

“Então encontre esse ponto fraco.” A voz de Seth estava levemente mais calma agora.

Aqueles forasteiros desgraçados quase atacaram uma humana em seu território, e isso era algo que ele não podia permitir.

Além de proteger a alcateia, o Alfa também era responsável pela proteção de todos os humanos e outras criaturas dentro de seu território.

Outros lobisomens invadindo e tentando ferir pessoas na sua área era inaceitável.

“Como chefe da guarda, a tarefa de encontrar o ponto fraco recai sobre você, Thatcher.” Ele se virou para o homem em questão e fixou seus olhos escuros nele.

“Sim, meu Alfa”, o homem mais velho respondeu com seriedade.

“Você está dispensado.”

O homem se levantou, movendo-se rapidamente para fora da sala para que pudesse realizar a tarefa pela qual foi encarregado.

“Vocês dois sabem o que fazer. Juntem-se à patrulha, certifiquem-se de que eles se foram.” Ele se virou para olhar os dois homens restantes: o Beta, e o terceiro em comando.

“Eu vou voltar para me certificar de que ela continua segura.”

Os dois homens se entreolharam, trocando olhares sagazes, mas não disseram nada, e também partiram para cumprir suas tarefas.

Assim que ficou sozinho, Seth bateu com o punho na mesa redonda no centro da sala, soltando um grunhido, e então respirou fundo para se acalmar.

Em seguida começou a caminhar para os fundos da casa da alcateia, onde parte da parede era cheia de armários de vestiário.

Ele encontrou um vazio e rapidamente se despiu, colocando suas roupas no armário e o fechando com firmeza.

Então saiu correndo em alta velocidade, saltou no ar e, em uma transformação rápida que não durou mais que um segundo, ele não era mais homem, e sim um lobo.

Suas patas estavam se cravando no chão, empurrando-o para frente, de volta para onde ele havia deixado a mulher humana.

Ele se manteve nas sombras, certificando-se de que não seria visto caso alguém saísse para um passeio noturno.

Estar na forma de lobo tornava mais fácil sentir o cheiro do que quer que ele estivesse procurando, fazendo seus sentidos já sobrenaturais serem ainda mais intensificados.

Ele cheirou o ar, se certificando que o fedor dos lobisomens forasteiros não estava em lugar nenhum.

Criou um circuito ao redor do prédio, o qual ele percorreu correndo até que a voz do seu Beta – através do elo mental da alcateia – soou em sua cabeça.

“Tudo limpo, Alfa. O perímetro está seguro, nenhum sinal dos forasteiros.”

Ele soltou um suspiro de alívio e deu uma última olhada no prédio dela antes de voltar para a casa da alcateia.

***

Após aquela provação, Seth ficou o dia inteiro ansioso. Ninguém deveria ser capaz de passar por suas fronteiras, muito menos ir tão longe quanto os dois forasteiros haviam ido.

Ele se dirigiu à sua sala de reuniões para dar as instruções diárias.

Nesta manhã o advogado da alcateia estava lá também, além do Beta, o terceiro em comando e o chefe da guarda. Uma vez que Seth se sentou, o resto dos homens se sentaram também.

“Eu inicio agora esta reunião”, Seth disse, com a clara autoridade de Alfa manifestando-se em cada palavra.

“Houve uma violação na noite passada”, Nate começou falando.

“Dois forasteiros entraram em nossos perímetros”, continuou Gabriel, o terceiro em comando.

“O ponto fraco foi localizado e protegido. A segurança geral também foi intensificada e assim continuará pelas próximas semanas, caso eles ou outros tentem cruzar o perímetro novamente”, concluiu Thatcher.

Ele estava com raiva de si mesmo por deixar alguém passar despercebido. Sendo chefe da guarda, o acontecimento foi um golpe em seu orgulho.

Este era o tipo de coisa que poderia colocar sua posição na alcateia em dúvida, caso ele não fosse tão respeitado e confiável quanto era.

“Bom. A humana também está segura”, Seth disse enquanto se recostava na cadeira, com as pernas cruzadas e os braços apoiados.

“Também precisamos falar sobre esses ataques. Estão ficando cada vez piores e mais próximos de nossa fronteira, embora eles continuem contornando a linha, sempre fora do nosso alcance.” A frustração que todos sentiam era evidente na voz de Nate.

“O que devemos fazer, Alfa?”, Gabriel perguntou, e todos olharam para Seth.

Uma ruga se formou entre suas sobrancelhas enquanto ele considerava sua resposta com cuidado.

“Nós esperamos. Com sorte, eles se cansarão e seguirão para novos campos de caça. Se formos atrás deles, corremos o risco de sermos levados para o território do Alfa Caleb, e isso significaria guerra.”

Então foi combinado que eles esperariam, esperariam, e esperariam, até que quem estivesse lá se aproximasse o suficiente para que eles pudessem atacar e eliminar a ameaça, ou simplesmente partisse.

Após a reunião, o grupo se desfez para cuidar de seus deveres individuais – todos, exceto Nate, que ficou com Seth depois que os outros partiram.

“Desembucha”, Seth disse, depois de ver a expressão no rosto de seu Beta.

“Gabriel e eu estávamos conversando”, ele começou.

Seth ergueu uma sobrancelha questionadora. “E?”

“Bem, é ela?”, finalmente perguntou.

Seth soltou uma leve rajada de ar pelo nariz e passou uma mão pelo rosto.

“Eu não sei. Pode ser.”

***

Mais tarde, Seth sentiu seu cheiro em uma livraria, onde descobriu que ela trabalhava.

Tinha sido fácil, considerando seu encontro com ela na outra noite. Seu aroma de baunilha e mel ainda estava forte em sua mente.

Ele ficou perto, a observando com curiosidade. Quando ela voltou para casa, ele a seguiu, com todos os seus sentidos aguçados em alerta máximo, caso houvesse outros intrusos.

Ela estava claramente desconfortável e nervosa, o que fazia Seth querer sair das sombras e confortá-la, alisar a ruga entre suas sobrancelhas e dizer que ela estava segura agora.

Ele esperou até que ela estivesse a salvo em casa, como ele tinha feito na outra noite, antes de vagar de volta para a casa da alcateia, se perguntando como essa humana tinha capturado sua atenção tão completamente.

Ele tinha tido que salvar outras pessoas antes dela, mas ninguém nunca antes o fez se sentir tão protetor.

***

Durante a semana seguinte, ele continuou a observá-la sempre que tinha algum tempo de sobra.

Disse a si mesmo que estava apenas se certificando de que ela estava bem, depois de uma experiência tão traumatizante – e que faria isso por qualquer outro humano.

Mas ele suspeitava, assim como seu Beta e terceiro em comando, que não era só isso.

***

Na sexta-feira seguinte alguns vampiros nômades passariam pela cidade. Eles haviam pedido permissão, a qual foi concedida contanto que eles se comprometessem a não se alimentarem lá.

Com isso, Seth sentia-se cada vez mais inquieto e, quando o dia finalmente chegou, ele se pegou observando-a ainda mais de perto.

Foi para o trabalho dela e manteve a vigilância de uma distância segura, então a seguiu para sua casa, onde ela entrou para pegar algo que acabou sendo um livro, até que sua caminhada os levasse ao parque.

Lá ela se sentou em um banco e pôs-se a ler, completamente concentrada no que fazia.

Ele sabia que se ele analisasse melhor seu comportamento, perceberia que parecia um stalker. Nessa altura do campeonato ele já estava literalmente perseguindo aquela mulher.

Se ela soubesse que ele a estava seguindo, ele tinha certeza que ela ficaria apavorada.

Seth farejou o ar e sentiu o cheiro dos vampiros, então seu corpo ficou rígido por um momento e seus olhos se prenderam à mulher que lia. Eles estavam perto.

Ele seguiu o caminho – forçando-se a não correr – e se sentou no banco em frente a ela, pronto para defendê-la caso fosse necessário.

Puxou seu telefone para verificar se Nate tinha mandado alguma mensagem para ele, já que o elo mental só funcionava quando eles estavam na forma de lobo.

Mensagens de texto eram seu meio de comunicação à distância quando estavam na forma humana.

Ele ouviu o batimento cardíaco dela acelerar e levantou os olhos para encará-la, apenas para encontrá-la olhando de volta para ele, com um traço de admiração e curiosidade claros em seus olhos azuis.

Quando ela percebeu que tinha sido pega em flagrante, rapidamente olhou para baixo, e Seth viu um toque de rubor em suas bochechas. Ele reprimiu um sorriso antes de voltar sua atenção ao telefone.

Nate o estava atualizando sobre os vampiros. Eles tinham vários guardas os seguindo, certificando-se de que eles não tentariam nada estúpido.

Aparentemente eles tinham ligações sentimentais com Pinewood Valley de antes da área pertencer aos lobisomens da Alcateia do King.

Eles haviam parado em alguns locais, mas felizmente, trinta minutos depois, Seth recebeu uma mensagem avisando que eles estavam novamente fora de seu território.

Durante esses trinta minutos de espera, Seth havia tomado uma decisão. Só havia uma maneira de descobrir se suas suspeitas eram verdadeiras, e agora era um momento tão bom quanto qualquer outro para fazê-lo.

Ele se levantou e caminhou de forma hesitante em direção à mulher no outro banco, e então se sentou ao seu lado.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O Resgate de Maximus

Quando Leila volta à sua cidade natal para ser uma médica da matilha, ela se vê presa entre o passado e o presente—e o amor de dois homens—um belo colega médico e um alfa com um segredo. Mas quem fará seu coração bater mais rápido?

Grayson, o Alfa

Sequestrada quando criança, Lexia se tornou uma guerreira endurecida e está planejando uma rebelião que pode derrubar a hierarquia Alfa. Só há um problema: ela está acasalada com um dos doze Alfas do mundo — e ela não sabe com qual deles. Quando Alfa Grayson aparece com uma proposta interessante e um olhar penetrante, os planos mais bem elaborados de Lexia são postos em xeque. Ela finalizará seus planos ou cederá ao coração?

Classificação etária: 18 +

Disclaimer: observe que esta história não está diretamente conectada a O Roubo do Alfa, que é uma adaptação imersiva e reinventada de Alfa Kaden. Esta história faz parte da versão original do autor da série Alfa e você pode apreciá-la como uma história independente!

Nota: Esta história é a versão original do autor e não tem som.

Laços Leais

Zoey Curtis está desesperada para sair de seu emprego atual e se afastar de seu chefe idiota! Mas quando ela recebe uma oferta de trabalho como assistente do playboy bilionário Julian Hawksley, ela não está preparada para os desejos ardentes que ele desperta dentro dela…

A Chama nos Une

Em seu aniversário de dezoito anos, Lydia descobre que está destinada a se casar com o rei Gabriel de Imarnia, e sua vida inteira vira de cabeça para baixo. Usando seus raros poderes de fogo e anos de treinamento, Lydia tenta resistir ao destino a todo momento.

Mas o rei Gabriel tem outros planos…

Classificação etária: 18 +

Autor Original: Suri Sabri

A Princesa e o Dragão

“Eu pulei da minha cama. Coloquei meu casaco de pele de carneiro. Era verão, mas as manhãs ainda eram frias.

Peguei a mochila de aventura que papai me deu no meu último aniversário, quando fiz sete anos. Ele a encheu de coisas úteis que eu precisaria para caçar salamandras, construir fortes e caçar Dragões.”

Nas Garras da Paixão

Não existe ninguém no mundo que não ame Scarlet. Ela é jovem, linda, e tem a alma de um anjo… Então é um choque quando o seu amante prometido se revela o impetuoso e cruel Alfa-Rei.

Temido por todos – e com razão- ele retornou depois de sete anos para retomar o que é seu. Será que Scarlet poderá faze-lo abaixar a guarda, ou vai acabar implorando por piedade?

Classificação etária: 18+

Fada Madrinha Ltda.

Todo mundo já quis ter uma fada madrinha, certo? Bom, Viola descobre que tem uma – ela só precisa assinar um contrato e todos os seus sonhos e fantasias românticas se tornam realidade! O que poderia dar errado? Que tal o detalhe que ela agora precisa competir em um jogo perigoso contra outras mulheres para conquistar o coração de um príncipe deslumbrante? Que comecem os jogos!

Evie Chase – Por Trás das Câmeras

Evie Chase, de 17 anos, tem de tudo: fama, fortuna e a carreira de cantora dos seus sonhos. Mas depois de lutar contra a ansiedade e as pressões do estrelato, Evie retorna para a sua pequena cidade natal, enfrentando antigos valentões, novos amigos e o garoto que ela deixou para trás…

Classificação etária: 16 +

Autor original: Riss Concetta

Caindo na Real

Desde jovem, Maya Hamilton era uma garota festeira, e tudo que mais amava era se soltar e fazer o que bem entendia. Jace Parker era um garoto de fraternidade irresponsável que tinha uma queda por garotas festeiras: eles eram perfeitos um para o outro – até que, do nada, ele terminou o relacionamento através de uma mensagem de texto. Agora, dois anos depois, eles se reencontram como aluna e professor, e Maya está escondendo um segredo que pode mudar a vida de Jace!

Reaprender a Amar

POV: Resumo

Josiah é um motociclista, em luto pela morte de sua esposa. Quando ele inesperadamente herda dois comércios na cidade de Bracketville, ele conhece Brooke, uma mulher local que espera escapar para um lugar melhor. Os dois se unem rapidamente, vendo no outro uma chance de recomeçar. Mas ser o líder de uma gangue de motociclistas é perigoso—colocando em risco o futuro dos jovens amantes…

Classificação etária: 18 +

Autor original: E. Adamson