logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Centelha do Desejo

Órfã jovem e transferida de lar adotivo para lar adotivo, Adeline passou os últimos nove anos sozinha e com um segredo: ela é um lobisomem. Quando, sem saber, ela entra no território da matilha durante uma corrida, ela é capturada e logo descobre que encontrar sua própria espécie não era tudo o que ela esperava que fosse. Quando ela encontra o alfa que a detém contra sua vontade, faíscas voam. Mas será que ele pode vê-la como qualquer outra coisa que não seja um selvagem? Ou ela será sua prisioneira para sempre?

 

Centelha do Desejo por Vera Harlow está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

Resumo

Órfã jovem e transferida de lar adotivo para lar adotivo, Adeline passou os últimos nove anos sozinha e com um segredo: ela é um lobisomem. Quando, sem saber, ela entra no território da matilha durante uma corrida, ela é capturada e logo descobre que encontrar sua própria espécie não era tudo o que ela esperava que fosse. Quando ela encontra o alfa que a detém contra sua vontade, faíscas voam. Mas será que ele pode vê-la como qualquer outra coisa que não seja um selvagem? Ou ela será sua prisioneira para sempre?Classificação etária: 18+Autor original: Vera Harlow

Adeline

O vento assobiava em meus ouvidos e o cheiro irresistível de terra úmida e chuva inundavam meus sentidos. Árvores, arbustos e rochas passavam por mim enquanto eu corria. Meus pulmões queimavam e minhas pernas doíam.

O ar fresco da noite invadia meus pulmões e inundava meus sentidos, me impulsionando. Eu precisava correr mais rápido. Eu tinha que me esforçar mais.

A sensação de sujeira movendo-se sob minhas patas era meu novo vício, pois, cravando minhas garras, mantive meu corpo abaixado e me lancei em uma velocidade maior ainda.

Um coelho saiu correndo de um arbusto próximo. Dando um latido animado, eu persegui a besta de rabo espesso de volta para sua toca.

A luz da lua se deslocava através das árvores, fazendo com que as sombras da floresta saltassem sobre mim na fraca iluminação.

Continuei correndo, imaginando mãos sombrias se estendendo pela terra úmida, dedos ossudos estirados e alcançando minha cauda.

Eu entrelaçava meu corpo esguio entre as árvores, apreciando a agilidade e a destreza que esta forma exercia. Pulei sobre um tronco caído e, em seguida, segui o brilho dourado pálido da lua até uma pequena clareira.

Chegando à clareira, reduzi para uma caminhada rápida antes de sentar na grama macia.

Eu ofeguei, tentando recuperar o fôlego enquanto olhava para o corpo celestial que muitas vezes semeava minha imaginação já florescente.

Havia algo sobre a lua que me fascinava. Embora tenham me ensinado durante toda a minha vida que ela não tinha nenhum poder sobrenatural próprio, sempre acreditei que sim.

Eu gostava de pensar que havia uma deusa celestial olhando para mim agora. Me guiando.

Além disso, as pessoas que me ensinaram que acreditar em magia e deusas era errado seriam as mesmas que negariam veementemente a minha existência.

Se elas pudessem me ver agora.

Deitada, continuei olhando para cima, estudando as estrelas. Não conseguia me lembrar da última vez que tive a chance de curtir uma noite como essa.

Não se podia ver tantas estrelas na cidade, as inúmeras luzes ofuscavam seu brilho.

Para ser honesta, mesmo se não ofuscassem, duvido que teria visto muito delas. Muitas vezes eu era culpada do que a maioria de nós era. Eu geralmente estava muito ocupada ansiosa para parar e olhar para cima.

Minha mente vagou e fiquei maravilhada com o que o dia tinha me trazido. Eu deveria estar em casa agora.

Fui fazer compras hoje e, no caminho para casa, parei em uma placa de pare. Uma grande placa verde estava na minha frente.

Eu poderia virar à direita e ir para casa ou seguir em direção às estradas do vale coberto por árvores à esquerda.

Naquele momento, essa necessidade irresistível de virar à esquerda, de ir embora e nunca mais parar, me atingiu e, em uma fração de segundo, eu direcionei meu volante para a floresta e coloquei o pé no acelerador.

Foi divertido imaginar que eu simplesmente iria deixar tudo para trás e começar minha própria aventura. Que nada atrás de mim importava tanto quanto o que estava na minha frente.

Foi divertido, mas eu sabia que era mentira. Eu tinha trabalhado muito duro para chegar onde tinha chegado e simplesmente abandonar tudo. Isso, e não importa o quanto eu quisesse acreditar no contrário, eu sabia que não havia nada lá fora para mim.

Nada que eu não pudesse ter onde estava.

Mesmo assim, segui com a artimanha. Eu dirigi ainda mais longe, sem me importar por nunca ter me aventurado dessa forma antes.

Não me preocupei com o pôr do sol no espelho retrovisor. Os monstros da noite não assustavam tanto quando você era um deles. Pelo menos foi o que eu disse a mim mesma.

Algo dentro de mim tinha esse desejo insaciável de se libertar. Eu estava assustada com a força disso. Eu não corria há meses, e meu monstro interior permaneceu adormecido. Até agora.

Ela queria assumir. Ela sussurrava promessas para mim, em seu momento de necessidade avassaladora. Ela sussurrava sobre poder. Sobre força para não precisar mais ter medo.

Ela prometeu sua sabedoria, sua intuição e conexão, que apenas suas patas na terra macia poderiam trazer.

Então, ela me prometeu o mais sujo de todos os seus comprometimentos.

Aceitação. A oportunidade de ser completa em mim mesma.

Eu me senti incompleta por muito tempo. Ela iria derramar em mim, me completar e estimular o ser lindo que eu era, a mulher que eu merecia ser. Eu me agarrei em seus sussurros.

Embora fossem fracos, pareciam pesados ​​em minhas mãos. Saindo da estrada, fiz algo que quase nunca fazia: baixei a guarda em um lugar desconhecido.

Eu me despi, colocando as chaves do meu carro bem na roda traseira do passageiro, e me transformei.

Eu deixei a mulher sucumbir e o lobo emergir. Pelos espessos brotaram onde antes havia pele, as unhas se transformaram em garras, enquanto as mãos e os pés se transformaram em patas.

O rugido monótono de contas, tarefas e horários intermináveis ​​explodiu em batidas cardíacas frenéticas, pés apressados e assobios de pássaros.

Eu ouvia a música que o vento fazia enquanto manobrava por entre as folhas e deslizava pela grama sob meus pés.

Será que eu realmente poderia ter esquecido o quanto essa sensação era maravilhosa? Será que eu realmente poderia ter esquecido o quanto o mundo era verdadeiramente belo? Ou será que eu tinha mentido para mim mesma?

Dizendo que não era tão magnífico assim para esconder o fato de que ter esse meu lado me tornava anormal.

Para me punir por não me encaixar no papel que eu deveria desempenhar.

Por ser sobrenatural em um mundo que idolatrava a natureza somente quando ela estava trancada atrás das grades e quando estava segura atrás de um vidro.

Uma brisa repentina me colocou de pé. O vento fez cócegas em meu pelo e meu corpo ficou rígido.

Eu levantei meu nariz para o céu para verificar se realmente havia farejado a presença de outro alguém. Não apenas uma outra presença, mas várias.

Todas elas tinham cheiros diferentes, mas ainda iguais. Meu nariz enrugou. Isso me deixou confusa. Nunca tinha visto nada assim antes.

Parte de mim estava curiosa, querendo saber o que estava farejando, enquanto a outra estava à flor da pele. Eu não estava preparada para enfrentar uma ameaça desconhecida em território desconhecido.

O cheiro ficou mais forte e eu sabia que era hora de correr novamente.

Saindo da clareira, me escondi atrás de uma árvore que havia caído recentemente. O brilho verde dos olhos dos pequenos animais me espiava dos arbustos ao meu redor.

Os olhares noturnos me lembravam de luzes fantasmas, levando-me mais fundo nas árvores. Sacudindo o frio assustador que subiu pela minha espinha, corri rapidamente.

Tentei ignorar a forma como o vento contrário agora se parecia com dedos fantasmagóricos serpenteando o pelo do meu pescoço.

Enquanto me afastava do cheiro, tentei desviar em direção ao oeste, na esperança de sair do caminho deles.

Talvez eles estivessem apenas caçando. Se eu não interrompesse a caça deles, e se eu não pegasse algo da área, eles poderiam me deixassem em paz.

Tentei procurar pontos de referência enquanto corria. Eu precisaria me lembrar de como voltar para o meu carro.

Até agora tudo que eu tinha era árvore, árvore, arbusto, árvore, árvore. A essa altura, eu estava preocupada em me perder aqui e acabar passando dias tentando encontrar meu caminho de volta.

Saltando sobre uma rocha, fiquei maravilhada com a graciosa ação furtiva que possuía. Deus, como senti falta disso.

Continuei correndo por alguns minutos, mas ainda não estava livre do cheiro. Seguindo para o oeste, mantive meu ritmo, não querendo lidar com um animal territorial.

Eu definitivamente não sentia falta disso.

De alguma forma, ainda estava se aproximando. Logo eu senti outro cheiro. Este estava vindo da floresta na minha frente.

Era semelhante ao cheiro que senti antes. Eu tinha certeza de que estava sentindo o cheiro de lobos, embora ainda fosse estranho.

O que era isso? Uma matilha? Eu não sabia que matilhas de lobos selvagens podiam ser tão grandes.

Normalmente, um lobo solitário jamais sonharia em se aproximar de mim. Eu era muito maior e muito mais forte do que eles.

Mas juntos eles são muito mais corajosos. Normalmente, eles me evitavam e eu os evitava.

Os lobos eram incrivelmente territoriais, então quando eu sentia seu cheiro, tentava deixar a área rapidamente, sem querer incomodar.

Essa tática, que normalmente teria funcionado para mim, estava dando errado.

O cheiro estava em toda parte agora. Me sentindo cercada, fiz uma curva fechada à esquerda. Minhas pernas poderosas doíam com o esforço colocado sobre elas.

Mais rápido. Eu precisava ir mais rápido. Eu não tinha certeza de quanto tempo poderia continuar correndo nessa velocidade.

Minhas orelhas se contraíram ao ouvir o baque suave de patas correndo e galhos quebrando. Merda. Um rosnado cortou a escuridão atrás de mim.

Eles estão me caçando! Gritei mentalmente antes que meus instintos se manifestassem. Meus pensamentos ficaram distantes e minhas emoções entorpecidas enquanto o animal dentro de mim assumia o controle.

Eu odiava quando isso acontecia. Isso me fazia sentir como se estivesse dirigindo enquanto um estranho apontava uma arma para minha cabeça.

Eu ainda estava dirigindo, mas não tinha o verdadeiro controle. Eu era a narradora da minha própria história, e embora eu estivesse participando, parecia que estava assistindo o evento de outro lugar.

Quando ouvi o baque estrondoso de patas correndo e vi as formas mutantes nas árvores ao meu redor, meu coração apertou.

Eu não tinha mais para onde correr. Deslizei e parei. Os pelos do meu corpo se arrepiaram e meus lábios se ergueram para mostrar os dentes.

Abaixando minha cabeça e rosnando ferozmente, deixei minha mensagem clara. Não mexa comigo. Eles precisavam entender que, se decidissem lutar contra mim, a única coisa que os aguardava era a dor.

Um grande lobo cinza se lançou das árvores em minha direção. Eu me esquivei.

Endireitando-se do ataque, ele deu alguns passos até mim, com seus pelos arrepiados e seus dentes afiados brilhando com saliva.

Outro lobo me atingiu pela lateral, me derrubando de costas. Não querendo minha barriga exposta, eu mordi seu pescoço, rasgando-o violentamente antes de usar minhas pernas para empurrá-lo para longe de mim.

Com a cabeça baixa, eu rosnei e rugi. O sangue escorria da minha boca enquanto eu sacudia um pedaço do último lobo que me atacou com a minha mandíbula aberta.

O grande lobo partiu para outro ataque, agarrando minha perna de trás. Eu gritei e me contorci, pegando-o desprevenido enquanto cravava meus dentes em seu ombro.

Uma onda de adrenalina me levou para longe do meu corpo. Naquele momento, fiquei feliz por minha loba estar no controle.

Uma voz soou sobre mim nas profundezas das árvores.

“Acabem com ela, mas não a matem. Queremos que ela seja trazida viva.”

Um humano? Trazida? Para onde? Eu estava sendo caçada por humanos? Esses lobos estavam recebendo ordens deles?

Olhando em volta, percebi que esses lobos eram muito maiores do que o lobo médio. Eles poderiam ser…

De repente, uma pontada de dor irrompeu do meu ombro esquerdo, interrompendo minha linha de pensamento. Um lobo pulou nas minhas costas, me levando ao chão com seu peso e meu choque.

Eu virei minha cabeça para o lado, com a mandíbula estalando enquanto tentava abocanhar meu agressor. Seu focinho estava fora do meu alcance.

Ele puxou a cabeça para trás bruscamente, cravando ainda mais os dentes no músculo do meu ombro.

Quando tentei me levantar, o lobo colocou pressão no meu ombro e posicionou a pata nas minhas costas como um aviso, rosnando sua intenção.

Outros lobos me cercaram, com suas cabeças baixas e seus dentes à mostra.

Um homem de cabelos escuros passou por eles. Enquanto ele estava sobre mim, percebi que seu cheiro estava mascarado pelos lobos que me cercavam.

Ele era enorme e musculoso. Ele se inclinou sobre mim, segurando algo brilhante em sua mão. A parte humana de mim reconheceu o objeto.

Uma seringa. Ele se abaixou e, em pânico, comecei a me debater, tentando me libertar.

O que eles fariam comigo? Me matariam? Me dissecariam para seus estudos? Meu coração ia explodir no meu peito enquanto o medo me inundava.

Minha loba estava recuando lentamente. Eu estava ganhando controle aos poucos, o que também significava que minhas emoções estavam voltando com força total.

A dor em meu ombro estava sendo anestesiada pelo medo de ser descoberta. Outra dor, uma sensação de beliscão no pescoço, me atingiu, e eu me sentia enfraquecendo.

Eu lutei até que uma sensação estranha tomou conta de mim. Eu podia sentir meu pelo se transformando em pele, e os dentes do lobo agora afundavam cada vez mais fundo em meu ombro.

Eu gritei, e ele ajustou seu aperto para minha forma menor, mas não me soltou.

Em seguida, pude ouvir o estalo de meus ossos voltando ao lugar. Eu estava em pânico, à beira da histeria.

A dor da minha transformação forçada era muito intensa. Tentei me curvar enquanto outra onda de dor abalava meu corpo.

Minhas patas tremeram antes que meus punhos cerrados surgissem. Meus dedos se desenrolaram e se contorceram sobre a terra, procurando algo para agarrar.

Meus pés cravaram no chão quando os ossos se quebraram, enterrando-se desesperadamente, como se meu pé pudesse me aterrar.

Minhas garras recuaram sob a pele delicada dos meus dedos das mãos e dos pés, encurtando para seu comprimento humano normal.

Minha coluna estalou quando minhas costas se endireitaram e minhas vértebras se transformaram. O movimento repentino e espasmódico quase me arrancou da mandíbula do lobo.

Minha transformação estava abrindo a ferida no meu ombro. Eu gritei quando a sensação combinada começou a se tornar insuportável.

O lobo se engasgou no meu ombro e se agarrou novamente em uma tentativa de me manter imobilizada.

Por favor, me solte! Eu gritei internamente.

O lobo choramingou.

“Solte-a até que ela termine sua transformação,” o homem ordenou como se ele tivesse me ouvido, correndo ao meu lado.

Ele sabia o que eu estava fazendo. Eu estava me transformando de volta na frente deles e não tinha forças para impedir.

O lobo estava segurando a parte superior do meu corpo pelo seu aperto no meu ombro, então quando ele me soltou, eu caí no chão rígido da floresta.

Eu podia sentir a sujeira e as agulhas de pinheiro grudando em minhas costas e meu abdômen coberto de sangue enquanto meu ombro continuava a sangrar livremente.

O cheiro do meu próprio sangue era tão forte que eu contive uma onda de bile que lutou para ser liberada.

Quando engoli, minha boca de repente ficou vazia enquanto meus dentes se tornaram pequenos e retos. Eu choraminguei quando meu focinho se contorceu e se tornou nariz e boca humanos.

Minha mandíbula dolorosamente estalou por último.

Ofeguei e tentei me levantar, mas caí, incapaz de me mover.

A sensação do ar frio da noite era boa em meu corpo febril e, ciente dos olhos em mim, tentei me encolher.

Todos os lobos rosnaram ao meu redor e se aproximaram. Eu podia ver seus pés quando eles pararam na frente do meu rosto.

“Para trás. Ela não é mais uma ameaça”, disse o homem.

Tentei mover minha cabeça para vê-lo melhor, mas consegui inclinar apenas alguns centímetros.

Sujeira e pequenos seixos deixavam meu rosto sujo enquanto grudavam no meu rosto, que estava molhado do meu fluxo interminável de lágrimas.

“Jeremy, você reconhece esse selvagem?” o homem perguntou.

Outro homem veio em minha direção saindo da escuridão. Minha respiração acelerou enquanto o primeiro homem se abaixava ao meu lado.

Eu estremeci quando sua mão se aproximou do meu rosto e choraminguei.

O homem segurou meu queixo com firmeza, sem me machucar, e virou meu rosto para que o outro, Jeremy, pudesse ver melhor.

Jeremy se elevou sobre mim. As sombras caíram sobre seu rosto, tornando suas feições indecifráveis. Ele se ajoelhou do meu outro lado para olhar mais de perto.

Tentei me curvar com mais força, mas consegui apenas me contorcer. O chão embaixo de mim estava mordendo minha pele, mas a sensação começou a desaparecer.

“Tenha calma, pequena selvagem. Ninguém vai te machucar esta noite,” Jeremy disse enquanto tirava o cabelo do meu rosto. “Eu não a reconheço. Não acho que ela esteja em nossos registros.”

Registros? Selvagem? O mundo ao meu redor estava desaparecendo e estava ficando cada vez mais difícil entender as coisas.

Eu estava começando a me importar cada vez menos em ser capturada.

“Como isso é possível? Temos todos os selvagens da área registrados”, disse o outro homem.

“Este pode estar apenas de passagem, Patrick.”

“Acho que vamos descobrir”, respondeu o homem chamado Patrick. “Mas não vamos saber nunca se não a levarmos ao médico logo. Ela está sangrando por todo o lugar.”

Patrick se levantou e eu fiquei aliviada.

Achei que ele fosse se afastar, mas não. Ele pressionou algo na minha ferida e aplicou pressão tentando estancar o sangue.

Eu murmurei com a pressão repentina, mas como tudo estava ficando dormente, isso não me incomodou por muito tempo.

“Segure isso”, disse Patrick, e eu vi o rosto escuro de Jeremy enquanto ele pressionava o tecido contra mim.

Algo envolveu minha forma trêmula. Cheirava como o homem que estava acima de mim. Mãos grandes e quentes deslizaram sob meu corpo.

“Prepare-se,” Patrick sussurrou enquanto me erguia em seus braços.

Estrelas brilharam na frente dos meus olhos com o movimento repentino.

Meu corpo se acomodou contra o peito nu de Patrick, e percebi que ele tinha me coberto com sua jaqueta e usado sua camisa para estancar meu sangramento.

Me lembrei de que estava nua, mas não conseguia nem me importar mais. Minha visão começou a falhar enquanto a escuridão se movia como nuvens de tempestade sobre meus olhos.

Pude sentir quando Patrick começou a andar e ouvi os homens conversando, mas logo suas vozes se tornaram estáticas.

Eu não conseguia mais manter meus olhos abertos. A última coisa que vi antes de meus olhos finalmente fecharem foi a lua.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

Adeline

Quando acordei, estava rodeada por rostos estranhos. Rostos que entravam e saíam de vista. Eu estava deitada de costas e a luz branca e brilhante no alto me cegava.

Tentei virar todo o meu corpo, pois me sentia como se estivesse queimando, e aquelas luzes brancas devem ter sido a causa.

“Ela está acordando! Segurem ela!” uma mulher gritou.

Braços me agarraram de todas as direções, me segurando.

“Ugh. Ela não está se curando! Está perdendo muito sangue!” a mesma voz feminina disse em frustração.

Um som irritante começou a soar perto de mim. Era estranho. Parecia estar no mesmo ritmo do meu coração. Parte de mim sentia que deveria saber o porquê disso.

Eu senti como se apenas metade de mim estivesse aqui neste momento. A outra parte de mim havia sumido. Transtornada, tentei lutar contra os braços que me seguravam.

Parte de mim estava faltando e eu não sabia se aquelas pessoas a haviam levado ou se estavam tentando trazê-la de volta.

“Jeremy! Eu preciso que você ajude a segurá-la!” aquela mulher gritou novamente.

Uma tigela cheia de trapos ensanguentados foi levantada e colocada sobre mim.

Observei o objeto até sair de vista, a apenas alguns centímetros de mim, pois minha cabeça decidiu que não queria mais se mover.

“O que você deu a ela? Ela já deveria estar se curando! Você sabe que alguns selvagens não são tão fortes”, perguntou a mulher.

Uma voz familiar respondeu: “Este é. Você deveria ter visto ela lutando.”

Aquela voz. Eu já tinha ouvido ela, não tinha? Eu não tinha certeza porque havia um zumbido incomum em meus ouvidos.

Alguém atrás de mim pegou um pano quente e começou a limpar meu rosto. A mesma pessoa limpou meu pescoço e meu peito. Em seguida, meu ombro sem ferimentos.

“Ela não está acasalada,” alguém anunciou.

Essa voz novamente. O que isso significava?

Por que não conseguia me lembrar onde estava? Algo ruim havia acontecido e agora eu estava aqui.

“Ei! Aguente firme, pequena selvagem! Ei, doutor, acho que estamos perdendo-a.”

Me perdendo? Ele não sabia que parte de mim já estava perdida? Ele deveria saber. Ele ajudou a levá-la. A luz ficou mais fraca e meus olhos começaram a fechar.

O som diminuiu exatamente como eu.

Meus olhos se abriram lentamente. As luzes estavam fracas no alto e, por algum motivo, achei que deveriam ser mais claras.

Elas eram antes. Antes? Eu já estive aqui? Meu corpo inteiro estava pesado. Tentei mover meus braços, mas não consegui.

Meus dedos se mexeram, mas não consegui levantar os braços.

Virando minha cabeça. Eu olhei para o meu braço. Ele estava estendido em um ângulo estranho, amarrado a um descanso de braço de reposicionamento.

Havia tubos fixados no meu pulso. Seguindo os tubos, vi uma bolsa intravenosa pendurada no alto. Fiz um esforço tremendo para virar minha cabeça para o outro lado.

Meu braço oposto estava amarrado da mesma forma. Meus braços foram esticados como asas em cada lado.

Tentando mover minhas pernas, senti a mesma coisa. Eu conseguia mexer os dedos dos pés, mas não conseguia mover as pernas.

Eu deveria ter ficado preocupada, mas não consegui me importar. Eu sabia que isso era ruim, mas não conseguia sentir nada.

“Como ela está?” Eu ouvi de algum lugar da sala. Uma voz masculina.

“Seu músculo deltoide estava rompido e sua veia cefálica cortada. A mordida foi bem próxima ao nervo radial, então ela pode ter danos ao nervo se não cicatrizar corretamente.

“Ela não estava se curando. Seus tecidos começaram a se fundir lentamente há algumas horas. Fora isso, sua condição parece estável,” uma mulher respondeu, parecendo irritada.

Eles estavam falando sobre mim? Eu não estava curando?

“Você nunca deveria ter usado aquela droga. Ainda está em fase experimental”, disse a mulher, sem dar ao homem a chance de responder.

Alguém, acho que o homem, suspirou.

“Achei que seria uma boa forma de conter os danos. Ela não estava disposta a vir conosco em silêncio. A garota sabe lutar. Nós a prendemos, e ela ainda estava tentando,” o homem respondeu.

Eles devem estar falando sobre mim.

“Nós recuperamos o carro dela,” uma voz diferente interrompeu de algum lugar na sala. “Parece que ela mora a uma hora a leste daqui.

“Como não a vimos antes?” o primeiro homem perguntou.

“Não sei. Parece que ela está lá há alguns anos”, afirmou a segunda voz.

“Alguns anos?” respondeu o primeiro. “Acho difícil acreditar que ela não foi notada por ninguém até agora.”

Eu ouvi passos se aproximando. Tentei virar a cabeça para ver quem estava vindo, mas não conseguia saber de que direção vinham. Tudo estava ecoando.

“Ela está acordada, mas ainda está muito fora de si. Duvido que vocês, cavalheiros, obtenham suas respostas esta noite,” a mulher anunciou.

Uma mão quente acariciou minha cabeça.

“Você parece muito melhor”, ela sussurrou para mim enquanto caminhava em direção ao meu braço.

Virei minha cabeça para ver minha mão com a intravenosa nela. Eu vi uma mulher mais velha em um jaleco branco e uniforme azul, com sua trança sal e pimenta pendurada nas costas.

Uma mão enluvada azul se ergueu para o meu tubo intravenoso, segurando uma seringa. Ela inseriu a seringa e, em seguida, abriu o tubo intravenoso.

Alguns segundos depois, eu senti uma sensação de queimação fria correr por minhas veias. Uma mão quente voltou a acariciar minha cabeça enquanto eu caía em um sono profundo.

Eu estava com frio. Muito, muito, frio.

Meu corpo doía e o frio fazia doer mais. Eu apertei meus olhos com força para bloquear a luz que estava começando a filtrar em minha inconsciência.

Agarrando minha coberta, puxei-a até o queixo, tentando prender o calor cada vez menor. Uma forte batida metálica me tirou da minha sonolência e me recuperou totalmente da consciência.

Quando abri os olhos, fui cegada por luzes brancas brilhantes. Minha cabeça e meus olhos doeram.

Tentei cobrir os olhos com a mão, mas quando levantei o braço, uma dor desceu por meu ombro e o atingiu, me paralisando.

A dor trouxe de volta a compreensão do que havia acontecido. Fui capturada, mas como vim parar aqui?

Eu me lembrava apenas de algumas partes da noite anterior. Eu definitivamente me lembrava de ter sido levada. Me sentando, recuei o máximo que pude.

Minhas costas bateram em algo frio e duro e, olhando em volta, percebi que estava em uma pequena cela de concreto com uma grande porta de metal.

A porta tinha uma pequena janela retangular. A cela era bem iluminada com grandes luzes fluorescentes. Eu estava em uma pequena cama de metal com um colchão incrivelmente fino.

Eu também estava completamente nua.

Minha respiração acelerou enquanto eu puxava o cobertor fino para mim. Tentei me cobrir o máximo que pude, mas o lençol fino não fez nada para acalmar meus nervos.

Também não adiantou quase nada para me proteger do frio. Com calma, tentei erguer meu braço novamente. Eu conseguia estender meu braço até certo ponto antes que meu ombro começasse a doer.

Inspecionando meu ferimento, percebi que alguém o havia limpado e feito um curativo. Enquanto eu estava nua. Nua e inconsciente.

Minhas bochechas queimaram. Eu me senti violada e apavorada. Eu só queria ir para casa. Isso ainda era uma opção?

Essas pessoas deveriam saber o que eu era. Elas me viram transformar de volta. Elas deveriam saber o tempo todo se estivessem atrás de mim.

O que fariam comigo?

O som repentino de passos me tirou de meus pensamentos. Puxando o cobertor em volta de mim com mais força, um milhão de cenários surgiram na minha cabeça e nenhum deles era bom.

Para meu horror, os passos pararam do lado de fora da minha porta e um homem olhou para mim pela janela. Tentei não parecer tão assustada quanto me sentia.

Seja assustadora, pensei. Seja perversa.

A porta começou a se abrir e um pequeno grito escapou dos meus lábios. Eu gemi internamente. Meu plano já era.

Puxei o cobertor até o queixo quando um homem enorme e bronzeado entrou.

Ele era musculoso, e eu sabia que se estivesse em qualquer outro lugar que não fosse aqui, ele teria provocado uma reação extremamente diferente da que eu estava tendo agora.

Meus olhos olharam para a porta quando ele a fechou atrás de si. Não vi nada além de paredes de concreto e mais luzes fluorescentes atrás dele.

Mentalmente, tentei bolar algum tipo de plano quando ele se virou para mim. Algum tipo de desculpa que de alguma forma faria sentido.

Eu me imaginei tentando explicar a este homem que ele não tinha acabado de me ver transformar de uma loba em uma mulher.

Que eu era perfeitamente normal e que isso era incrivelmente ilegal, então deveríamos todos rir da situação e ir para casa.

No entanto, julgando pela expressão rígida em seu rosto, eu sabia que isso não iria acontecer.

O homem me olhou e um relance de nojo e pena cruzou seu rosto. Eu analisei seu rosto e uma memória despertou.

Ele era um dos homens da floresta? Encostado na porta de metal, ele flexionou os braços de forma ameaçadora. Mesmo que estivesse apavorada, tive que lutar contra a vontade de revirar os olhos.

Certo. Você é enorme e assustador e provavelmente come coelhinhos no café da manhã. Já entendi.

Finalmente, depois que seu mini espetáculo acabou, ele disse: “Você se transformou e estava correndo no território da matilha. O que você estava fazendo e onde estão os outros?”

Pisquei algumas vezes, um pouco surpresa e também confusa. Ele definitivamente sabia que eu poderia me transformar.

“Desculpe-me, o quê?” Eu perguntei o mais educadamente e uniformemente que pude. Juro que até minhas cordas vocais estavam tremendo.

“Você se transformou em nosso território e estava tramando algo. Qual é a sua missão, com quem você está e onde estão os outros?” o cara perguntou bruscamente, já parecendo irritado.

Eu me senti como se estivesse em um daqueles sonhos quando de repente você está de volta ao colégio, vai para a aula e está fazendo uma prova para a qual nunca estudou.

“P-por favor. Eu não tenho missão. Transformou? Outros? Eu estava sozinha quando fui sequestrada,” eu respondi, lutando contra a raiva repentina que começou a queimar dentro de mim.

O homem se empurrou para fora da parede oposta e estava quase gritando enquanto caminhava em minha direção.

“Nós assistimos você se tornar um lobo e correr em nosso território. Nós nos transformamos e corremos atrás de você. Você sabe o que fez. Agora você vai me dizer o que está fazendo aqui, ou vou arrancar de você!”

Sua voz ricocheteou nas paredes frias de concreto. Eu me encolhi a cada palavra. Ele parecia sério, mas por algum motivo, eu só conseguia me concentrar em uma coisa. Ele disse “nós nos transformamos”.

Isso significava…?

Os dentes do homem se alongaram e eu os encarei com medo e surpresa. Eu me levantei e estendi a mão hesitante em direção a sua boca.

Eu parei quando o homem rosnou. Ele tinha uma expressão de surpresa no rosto, claramente em choque com minha reação.

“Você pode fazer isso também? Se transformar?” Eu enruguei meu nariz ligeiramente ao usar sua frase.

Dando um passo para trás, ele me olhou novamente. “Sim”, ele respondeu suavemente, sem saber o que fazer com a situação.

“O que você estava fazendo aqui?” ele perguntou novamente, ainda usando uma voz suave.

“Eu só queria correr”, respondi com sinceridade.

Ele balançou a cabeça, tentando clarear a mente. “Você é uma selvagem. Você está sozinha ou costuma correr com outras pessoas?”

Fui eu quem deu um passo para trás desta vez. As mãos agarrando meu cobertor contra mim tremiam com o resto de meu corpo quando a onda repentina de desespero e raiva me atingiu.

Emocionalmente, eu estava furiosa, com minha loba atacando dentro de mim, querendo lutar para sair desta cela, querendo sobreviver.

Isso tornou tudo que eu já estava sentindo muito mais confuso.

“Ouça. Eu não sei o que é um selvagem. Sinto muito por ter invadido seu território ou algo assim, mas isso não significa que você tenha o direito de capturar quem você quiser.”

Comecei a tremer mais forte e rezei silenciosamente para não irritar esse homem, mas agora estava apenas parcialmente no controle.

“Eu não corrocom ninguém. Estou sozinha. Sou apenas eu. Nunca conheci ninguém igual a mim.”

Depois de me olhar de cima a baixo, o homem se virou para sair.

“Espere!” Eu gritei, desesperada. “Que lugar é esse? Se for algum laboratório ou algo assim, não pertenço a este lugar. Eu nunca machuquei ninguém. Por favor. Não vou contar a ninguém. Apenas me deixe ir para casa.”

Pequenas lágrimas encheram meus olhos. Minha loba estava furiosa. Para ela, não era hora de ser submissa. O homem apenas me olhou com olhos suaves e saiu pela porta.

Eu me levantei e encarei a porta por um momento antes de desabar de volta na minha cama, enquanto lágrimas silenciosas escorriam pelo meu rosto. Acabou. Eles sabiam o que eu era.

Esse cara provavelmente trabalhava para o humano que estava na clareira. Se ele fosse humano. Eu não sabia mais o que fazer com essa situação.

Vai saber o que eles fariam comigo. E se eles não acreditarem em mim? E se eles quisessem encontrar outros e eu não pudesse ajudá-los com isso?

Eu seria inútil para eles? O que eles fariam se eu não tivesse valor?

Me curvei de volta à minha posição original, com minhas pernas puxadas para o meu peito enquanto eu estremecia. Ainda estava congelando e eu ainda estava nua.

Era muito difícil me jogar uma camisa? O tempo todo em que estive sentada aqui, fiquei balançando para frente e para trás entre o medo e o entusiasmo de ter descoberto alguém como eu.

A ideia de que deveria haver outros passou pela minha cabeça. Eu não poderia ser a única, não era arrogante o suficiente para pensar isso.

Mas nunca pensei que os encontraria. Especialmente um grupo inteiro deles.

Estar no sistema e entrar e sair de lares adotivos desde que era bebê significava que não só me faltava relacionamentos de longo prazo em minha vida, mas também as habilidades necessárias para os construir.

Eu estava acostumada com pessoas temporárias. Acostumada com pessoas dizendo coisas legais que eram mentiras e fazendo promessas que não tinham a intenção de cumprir.

Então, aos dezesseis anos, quando me transformei pela primeira vez, ninguém percebeu realmente uma diferença em mim. Ninguém reconheceu que eu estava lutando para dar sentido a essa parte recém-descoberta de mim mesma.

Eu vi isso como mais um motivo para me distanciar dos outros.

Mesmo que eu estivesse em algum lugar por tempo suficiente para fazer amigos, nunca parecia real. Eu tinha esse segredo para guardar.

Já que eu nunca realmente me abri com ninguém, eu realmente não esperava que ninguém se abrisse comigo. Isso significava que ninguém saberia meu segredo e eu não saberia o de ninguém também.

Eu correria sozinha pelo resto da minha vida. Se algum dia encontrasse alguém, tinha prometido a mim mesma que nunca poderia contar a essa pessoa.

Eu não sabia o que ela faria ou o que esse segredo significaria para o meu futuro, ou para qualquer outra pessoa. Para sua segurança, eu teria que ficar calada.

Conhecer outra pessoa que podia se transformar, que sabia que eu também podia, foi uma surpresa bem-vinda e inesperada. Isso significava que eu poderia ser eu mesma com alguém.

Pena que essa descoberta custou minha segurança, minha liberdade e minhas malditas roupas! Eu me levantei, enrolei o cobertor em volta de mim e comecei a andar.

Eu não conseguia parar o tremor que atormentava minha forma desgastada. A transformação deve me ajudar a aquecer. Não me lembrava de ter sentido tanto frio. Eu geralmente ficava bem aquecida.

Enquanto outros vestiam camadas de roupas pesadas para lutar contra o frio, eu normalmente precisaria apenas do meu casaco. Às vezes, adicionava uma camada para parecer normal para as pessoas ao meu redor.

Embora isso fosse desconfortável, deduzi que preferia estar com calor do que com frio.

As outras mulheres do trabalho se agasalhavam, lamentando o frio do inverno, e depois reclamavam do “inverno feminino” durante todo o verão.

A essa altura, eu acreditava que ser uma mulher significava que você sempre estaria com frio. Eu estava grata por não ter que passar por isso.

Até agora. Tive a sensação de que o calor elevado do meu corpo tinha algo a ver com a minha loba interior. Eu tinha sido injetada com algo na noite passada.

Talvez estivesse mexendo com minha loba? Era por isso que eu estava com tanto frio? Pensar na minha loba me fez pensar em me transformar em uma.

Eu ficaria muito mais quente e muito menos nua coberto de pelos.

Parando meus passos, pensei seriamente em fazer a transformação. Todos aqui já sabiam do que eu era capaz.

Eles já tinham me visto transformar. O dano já havia sido feito. Eu não precisava congelar enquanto esperava para descobrir o que seria de mim.

Eu provavelmente tinha uma chance melhor de lutar contra eles e sair na próxima vez que a porta se abrisse se eu estivesse na minha forma de lobo.

Eles abririam a porta se olhassem e vissem que eu era um lobo, ou esperariam que eu voltasse?

Só havia uma maneira de descobrir. Sentando na beira da cama, fechei os olhos, pedindo que a transformação viesse. Então, eu parei.

Lembrar de como a transformação de volta foi dolorosa me assustou. Eu não sentia uma dor assim desde a primeira vez que me transformei de volta.

A transformação da noite anterior foi violenta e imprevisível. Eu não tinha iniciado por conta própria e não conseguia parar. Eu me sentia completamente fora de controle.

O som da minha espinha estalando me fez fazer uma careta novamente.

Fechando meus olhos, acalmei minha respiração. Eu estava no controle agora. Eu repeti esse mantra em minha cabeça até acreditar.

Depois de ficar relaxada, eu poderia começar a me conectar com a loba que estava adormecida logo abaixo da minha pele.

Depois de alguns minutos, não senti… nada. Eu balancei minha cabeça em frustração e tentei mais, mas ainda nada aconteceu.

A parte mais frustrante é que minha loba estava lá. Ela estava arranhando a superfície, implorando para que eu a libertasse, mas eu não conseguia.

Abrindo meus olhos, percebi que não conseguia me transformar. Um novo tipo de medo tomou conta de mim. Eu estava completamente desamparada.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Fada Madrinha Ltda.

Todo mundo já quis ter uma fada madrinha, certo? Bom, Viola descobre que tem uma – ela só precisa assinar um contrato e todos os seus sonhos e fantasias românticas se tornam realidade! O que poderia dar errado? Que tal o detalhe que ela agora precisa competir em um jogo perigoso contra outras mulheres para conquistar o coração de um príncipe deslumbrante? Que comecem os jogos!

A Princesa e o Dragão

“Eu pulei da minha cama. Coloquei meu casaco de pele de carneiro. Era verão, mas as manhãs ainda eram frias.

Peguei a mochila de aventura que papai me deu no meu último aniversário, quando fiz sete anos. Ele a encheu de coisas úteis que eu precisaria para caçar salamandras, construir fortes e caçar Dragões.”

Evie Chase – Por Trás das Câmeras

Evie Chase, de 17 anos, tem de tudo: fama, fortuna e a carreira de cantora dos seus sonhos. Mas depois de lutar contra a ansiedade e as pressões do estrelato, Evie retorna para a sua pequena cidade natal, enfrentando antigos valentões, novos amigos e o garoto que ela deixou para trás…

Classificação etária: 16 +

Autor original: Riss Concetta

Caindo na Real

Desde jovem, Maya Hamilton era uma garota festeira, e tudo que mais amava era se soltar e fazer o que bem entendia. Jace Parker era um garoto de fraternidade irresponsável que tinha uma queda por garotas festeiras: eles eram perfeitos um para o outro – até que, do nada, ele terminou o relacionamento através de uma mensagem de texto. Agora, dois anos depois, eles se reencontram como aluna e professor, e Maya está escondendo um segredo que pode mudar a vida de Jace!

Química

Faz tempo desde a última transa de Emily. E o último relacionamento? Foi há tanto tempo que ela mal se recorda. O que significa que está na hora de um ter um caso bem picante. Emily está preste a conhecer alguém que vai deixá-la em chamas.

Nas Garras da Paixão

Não existe ninguém no mundo que não ame Scarlet. Ela é jovem, linda, e tem a alma de um anjo… Então é um choque quando o seu amante prometido se revela o impetuoso e cruel Alfa-Rei.

Temido por todos – e com razão- ele retornou depois de sete anos para retomar o que é seu. Será que Scarlet poderá faze-lo abaixar a guarda, ou vai acabar implorando por piedade?

Classificação etária: 18+

Keily – Gordinha e Fabulosa

Keily sempre foi corpulenta e, embora tivesse suas inseguranças, nunca deixou que isso a atrapalhasse. Isto é, até ela se mudar para uma nova escola onde conheceu o maior idiota de todos os tempos: James Haynes. Ele nunca perdia a chance de zombar de seu peso ou apontar o que chama de defeitos. Mas o fato é que… as pessoas que dizem as coisas mais maldosas geralmente escondem seus próprios problemas, e James está escondendo um segredo ENORME. E é um segredo sobre Keily.

Classificação etária: 18+ (Aviso de conteúdo: assédio sexual, agressão)

Autor Original: Manjari

O Convite do Alfa

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!

O Resgate de Maximus

Quando Leila volta à sua cidade natal para ser uma médica da matilha, ela se vê presa entre o passado e o presente—e o amor de dois homens—um belo colega médico e um alfa com um segredo. Mas quem fará seu coração bater mais rápido?

O Guardião Possessivo

Quando a colega de quarto de Kara diz que seu primo vai dormir no sofá por algumas noites, Kara não se importa muito. Até que ele aparece, e eles incendeiam os mundos um do outro.