logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

O Convite do Alfa

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!

 

O Convite do Alfa por Michelle Torlot está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

Resumo

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!

Classificação etária: 18+

Autor original: Michelle Torlot

GEORGIE

Eu lentamente me levantei do chão lamacento onde havia caído. E gritei baixinho quando a dor percorreu meu corpo.

“Se eu ver você em algum lugar perto daqui de novo, Georgie Mackenzie, não vamos ser tão fáceis com você,” o homem rosnou, sorrindo.

Ele cuspiu um pouco de catarro que eu consegui evitar. Então ele bateu a porta do que tinha sido meu próprio inferno pessoal.

Minhas narinas dilataram enquanto eu ofegava, mantendo minha respiração sob controle. Em parte devido à raiva, em parte devido à dor.

“Seu desgraçado de merda!” Eu gritei.

Eu sabia que ele tinha me ouvido quando a maçaneta da porta começou a girar. Eu me afastei o mais rápido que pude. Não achei que meu corpo sofreria outra surra, não esta noite.

Eu cambaleei pela estrada deserta, minha camisa fina encharcada e coberta de lama úmida. Estremeci e tentei apagar a dor. Eu teria hematomas, e muitos deles.

Eu só estava procurando por um pouco de comida, vasculhando as latas de lixo nos fundos do escritório da mina. Infelizmente para mim, fui interrompida pelo segurança. Era apenas lixo, mas era o lixo deles.

Eu já tinha sido pega antes, mas nunca espancada tanto quanto agora. Eu levantei a barra da minha camisa, avaliando o dano.

Hematomas já estavam começando a se formar em meu estômago e costelas. Imaginei que minhas costas estariam praticamente no mesmo estado.

Voltei para o lado difícil da cidade, para o prédio abandonado onde eu e minha mãe estávamos atualmente escondidas.

Tínhamos encontrado o lugar algumas noites atrás, depois de termos sido movidas do último lugar. Estava bastante deserto.

Apenas os remanescentes dos habitantes anteriores que haviam se mudado ou seguido o caminho de toda a carne.

Eu deixei a mamãe descansando em um colchão velho naquele dia. Já havia penhorado nossas últimas posses alguns dias antes, apenas para poder conseguir um remédio para ela.

Não que isso a curasse ou algo assim, mas aliviou alguns dos sintomas. Sem dinheiro sobrando, eu esperava encontrar comida no lixo.

Tudo que encontrei foi aquele bastardo do Maddox e seu taco de beisebol.

Assim que cheguei em casa, afastei o velho painel de ferro corrugado. Estava colocado lá para impedir que invasores entrassem.

Não fez um trabalho muito bom.

Entrando na casa, fui para a sala dos fundos. Era o local mais seco da casa. Eu tinha arrastado um colchão velho do andar de cima para a mamãe se deitar. Melhor do que o chão frio, em todo caso.

Ao entrar na sala dos fundos, percebi que algo não estava certo. Estava muito quieto. Mamãe apenas ficou lá, os olhos abertos, olhando para o teto.

Um soluço escapou dos meus lábios enquanto as lágrimas escorriam pelo meu rosto.

Eu sabia que ela não tinha muito tempo, mas ainda não tinha me preparado totalmente. Eu gentilmente deslizei minha mão sobre seus olhos, fechando-os. Pelo menos ela estava em paz agora.

Eu rapidamente enxuguei minhas lágrimas, deixando manchas de sujeira em meu rosto do meu recente encontro com a estrada lamacenta. Essas eram as minhas menores preocupações.

Eu não tinha dinheiro, nem comida, tinha apenas as roupas que vesti. Não havia mais nada para mim aqui.

Saí de casa sem saber o que fazer. Eu simplesmente sabia que tinha que sair dali, sair de casa, sair da cidade. Tinha que haver algo melhor.

Um lugar onde as pessoas se importavam mais umas com as outras e menos com o lucro. Eu poderia pelo menos sonhar que tal lugar existisse.

Revirei os olhos ao passar pela placa que dizia Bem-vindo a Hope Springs. Mais como a porra de Hope Less!

Hope Springs era uma nova cidade construída nos fundos de uma mina de carvão. Assim que os proprietários das terras perceberam que precisavam de mão de obra para minerar, a cidade cresceu.

Pessoas apareceram para trabalhar na mina. Os empregos eram muito escassos em todos os lugares, então a ideia de novos empregos, uma nova cidade e novas casas trouxeram esperança a muitas pessoas.

Uma comunidade ideal que acabou não sendo tão ideal.

Os proprietários de terras e os donos da mina nunca se aproximaram. A equipe de gestão cuidou de tudo. Os proprietários devem ter ficado felizes com os lucros.

Muitas vezes me perguntei se eles perceberam que esses lucros vinham às custas dos mineiros e de suas famílias.

Claro que eles perceberam. Todos sabiam quem eram os donos.

Os mesmos que todos os outros proprietários de qualquer grande negócio por aqui. Lobisomens, o material das lendas. Só que eles não eram.

Eles não apenas corriam na floresta. Claro, eles eram reclusos, mas eram espertos. Parceiros silenciosos em todas as grandes empresas enquanto arrecadavam os lucros.

Isso lhes permitiu viver uma vida de luxo, longe de olhares indiscretos. Para eles, os humanos eram um recurso. Descartável. Realmente não importa quantos de nós morremos, sempre haveria mais para preencher a lacuna.

Os mineiros recebiam o mínimo necessário. Quando pagavam o aluguel de suas casas, mal havia o suficiente para alimentar suas famílias.

Qualquer reclamação e eles já estavam fora de suas orelhas. Sem emprego, sem casa. Enquanto isso, os lobisomens ficavam mais ricos.

Quando os mineiros começaram a adoecer, as famílias acabaram sendo despejadas e outras pessoas se mudaram para substituí-las.

Nada em Hope Springs era de graça e, como os mineiros tinham pouco dinheiro sobrando, isso significava que a maioria deles ficava sem cuidados médicos ou educação.

Eles forneceram escola gratuita para crianças até os treze anos. Depois disso, cabia à família pagar. Sem educação, o único trabalho que seus filhos podiam fazer era trabalhar na mina.

Quando papai adoeceu, mamãe começou a trabalhar lá apenas para que pudéssemos pagar o aluguel.

Eu tentei conseguir um emprego lá quando tinha quatorze anos, logo depois que meu pai morreu, mas eles não quiseram, eles impuseram limites às crianças que trabalhavam lá.

Um ano depois, mamãe ficou doente. Aí não tínhamos renda, não podíamos pagar o aluguel, então fomos despejadas.

No ano passado, estávamos escondidas onde podíamos. Penhorando nossos pertences apenas para conseguir comida e remédios. Nas últimas semanas, estive implorando e vasculhando o lixo apenas para tentar sobreviver.

Enfiei as mãos nos bolsos na tentativa de me manter aquecida, meus pés estavam molhados e frios graças aos buracos em meus sapatos. Eu provavelmente deveria ter procurado outro esconderijo. Estava começando a chover de novo.

Eu realmente não me importei.

Apenas abaixei minha cabeça e caminhei.

Com minha mente em um lugar diferente, eu não percebi que havia saído da estrada e entrado na floresta. Um galho preso em meu rosto me fez olhar para cima. Uma gota de sangue escorreu pela minha bochecha. Eu ignorei.

Olhando para a escuridão, eu fiz uma careta. Luzes! No meio da floresta. Talvez uma cabana de caça, o que significava talvez uma chance de encontrar um pouco de comida ou um celeiro vazio para dormir, apenas durante a noite.

Passei por uma placa que dizia Proibida a entrada – propriedade privada. Eu ignorei. Quando cheguei mais perto, percebi que não era apenas uma cabana, mas uma grande casa com alguns prédios menores espalhados ao redor.

Claro. Tudo faz sentido agora. O sinal de Proibida a entrada, a casa enorme. Tudo isso no meio de uma floresta. Este era o lugar onde aqueles malditos lobisomens bastardos viviam.

Eu deveria estar nervosa, suponho. Mas não estava. Talvez alguns anos atrás, eu chorasse sobre o estado da minha vida, agora não. Eu não tinha mais lágrimas para chorar.

Se esses bastardos fossem tão ricos quanto todos pensavam, provavelmente desperdiçavam muita comida.

Eu rastejei pela parte de trás da casa enorme. Encontrando algumas latas de lixo, comecei a vasculhar o interior.

Apesar do meu dia horrível, sorri quando encontrei um pedaço de pão. Estava um pouco velho, mas ainda comestível. Eu engoli rapidamente e me aprofundei um pouco mais.

Eu estava tão concentrada na lixeira e não ouvi passos atrás de mim.

Não até que agarrassem as costas da minha camisa e me pegassem como um gatinho selvagem.

“Bem, o que temos aqui, um pequeno ladrão!” Ele rosnou.

“Porra, sai de cima de mim, seu bastardo imundo!” Eu gritei

Então eu gritei, meu corpo ainda dolorido pela surra de Maddox.

“Cale a boca, ladrão!” Ele rosnou novamente. “Eu mal toquei em você!”

Ele me carregou para longe de casa, em direção a outro prédio.

Eu choraminguei. Tentei lutar no início, mas não adiantou. Estava muito machucada. Eventualmente, eu simplesmente desisti. O homem era grande e não pensei que sobreviveria a outra surra.

Ele me carregou para outro prédio. Conforme meus olhos se acostumaram com a penumbra, percebi que era uma espécie de cela de contenção.

Barras separavam cada seção, e ele abriu outra porta com grades e me jogou para dentro.

Eu grunhi quando caí no chão de concreto.

“O alfa vai lidar com você pela manhã!” Ele rosnou.

Eu voei nas barras apenas quando ele as fechou. Agarrando as barras, tentei sacudi-las. Um exercício inútil.

“Foda-se e foda-se seu alfa!” Eu gritei.

Não recebi uma resposta e não pude realmente ver muito além do fato de que não era a única aqui. Cada célula foi separada por barras de metal.

Então eu ouvi uma voz do meu vizinho de cela.

“Cale a boca, humana insignificante. Estou tentando dormir!”

Deve ser algum tipo de prisão de lobisomem. Vi uma cama no fundo da cela. Pelo menos eu dormiria em uma cama esta noite. Havia até um cobertor.

“Foda-se!” Eu rosnei enquanto me dirigia para a cama.

Me envolvi no cobertor e me enrolei na cama. Era grande e meio que me afogou. Eu imaginei que fosse projetada para um lobisomem, não um humano minúsculo .

Eu não era muito grande em termos humanos e a falta de comida não ajudava. Nunca houve muita comida sobrando, apenas o essencial. Isso provavelmente atrapalhou meu crescimento.

Eu estremeci. Eu estava molhada, com frio e com fome. O pão amanhecido não foi suficiente para encher meu estômago. Ainda assim, era melhor do que nada.

Eu fechei meus olhos, a falta de comida e a exaustão cobraram seu preço, e eu finalmente caí no esquecimento.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

GEORGIE

Acordei com o som de barras de metal batendo. A cela estava mais clara do que na noite anterior, o que eu percebi ser devido a uma janela gradeada no topo da parede.

Fiquei surpresa ao ver uma bandeja de comida em frente à porta da cela.

Um grande guarda parado do lado de fora da minha porta zombou de mim. Era diferente da noite anterior.

Eu rastejei para fora do cobertor. Estremeci quando a dor nas minhas costas e no peito pareciam decididamente pior. Peguei a bandeja e me inclinei contra as barras que separavam a cela ao lado da minha.

Eu olhei para o guarda, mas rapidamente baixei os olhos. Eu ouvi em algum lugar que olhar nos olhos de um lobisomem pode deixar eles realmente irritados.

Com um olhar para o rosto e para a postura do guarda, pude ver por quê. Toda a sua aura exalava um domínio que eu não tinha visto em um humano. Ele também parecia que poderia me partir ao meio se quisesse.

Por mais zangada que eu estivesse, minha própria autopreservação entrou em ação.

Olhei para a comida na bandeja, uma espécie de mingau e um pãozinho. Também tinha um copo de água. Eu não esperava ser alimentada, então aproveitei ao máximo.

Eu só tinha comido algumas colheradas quando ouvi a voz da cela ao lado.

“Você cheira mal!”

Foi a mesma voz que ouvi ontem à noite que me disse para calar a boca.

“Você também!” Eu assobiei.

As palavras mal tinham saído da minha boca quando uma mão passou pelas barras e agarrou meu cabelo loiro sujo, puxando minha cabeça para trás contra as barras.

“Todos os humanos cheiram mal!” Ele rosnou. “E você precisa aprender algumas maneiras!”

Ele soltou meu cabelo e eu pulei para longe das grades.

“E você precisa se foder!” Eu cuspi.

Ele riu, então inclinou a cabeça para o lado.

“Mal-humorada, não é?”

Revirei os olhos e sentei na cama. Eu não iria desperdiçar essa comida. Não sabia quando voltaria a comer. Embora estar presa aqui não fosse tão ruim. Pelo menos eu tinha cama e comida.

Contando que eles não decidissem me bater.

O lobisomem na próxima cela olhou para mim e sorriu.

“Quando vocês, bastardos, começaram a bater em humanos insignificantes!” Ele gritou.

Imaginei que ele deve ter visto alguns dos hematomas em meu rosto. Ele não sabia da metade, ele não tinha visto o resto de mim.

Era muito divertido pensar que ele pensava que apenas os lobisomens eram capazes de bater nas pessoas.

Dei uma olhada mais de perto no homem através das grades, ele era tão grande quanto o guarda.

Eu me perguntei o que ele tinha feito para ser preso. Fiquei surpresa com o quão bonito ele era. Seu cabelo castanho caia solto em seus ombros e seus olhos eram castanhos com um toque de amarelo.

Observei enquanto o guarda se aproximava da porta de sua cela.

“Cale a boca, Ash, ou eu vou limpar esse sorriso do seu rosto!” Ele rosnou.

O prisioneiro, Ash, revirou os olhos. “Quando você vai parar de me alimentar com essa merda? Pode ser bom para um filhote humano insignificante, mas eu preciso de carne! ” Ele rosnou.

O guarda abriu a porta da cela e agarrou Ash pela garganta, jogando ele contra as barras que dividiam nossas celas.

“Quando você aprender a calar a boca, patife!” O guarda rosnou.

Eu engasguei com um pouco de medo. Se eles fizessem isso comigo, provavelmente me matariam.

O guarda me olhou com desdém enquanto soltava o prisioneiro ao meu lado, que agora eu sabia que se chamava Ash.

Ash se levantou. Ele olhou para mim através das barras e piscou. Então ele caminhou até a frente da cela.

Percebi que ele só fez isso para levantar a guarda. Também parecia que ele ainda não tinha terminado.

“Talvez se você usasse seus olhos, seu vira-lata inútil, você seria capaz de dizer que essa filhote de humano que você arrastou aqui na noite passada está ferida!” Ele rosnou.

O guarda caminhou até a porta da minha cela, olhando para mim.

“Você está machucada?” Ele exigiu com um rosnado baixo vindo de seu peito.

Dei de ombros e rapidamente olhei para minha comida. A última coisa que eu precisava era ser jogada contra as barras da cela.

Não satisfeito com a minha resposta, ele destrancou a porta e entrou. Ele me agarrou pelo pescoço e me empurrou contra a parede.

Eu estremeci quando minhas costas fizeram contato, então ele puxou minha camisa, olhando para minha barriga.

“Ei!” Eu rosnei. “Caia fora!”

Tentei afastar seu braço, mas foi como bater em um pedaço sólido de madeira.

Ele rosnou baixinho: “Quem fez isso?”

Eu apenas olhei para ele. Eu não teria uma discussão enquanto ele tentava me estrangular!

Ele finalmente soltou minha garganta e deu um passo para trás. Eu puxei minha camisa para baixo e esfreguei minha garganta. Ele deixou uma marca vermelha, mas nenhum dano duradouro. Ainda assim, eu estava chateada com ele por fazer isso.

“Por quê você está aqui? Por que uma criança humana está em meu bloco de celas? ” Ele rosnou.

Eu ouvi Ash rir. “Você é um bom guarda, você nem sabe por que aprisiona as pessoas. “

O guarda soltou um rosnado profundo e se afastou.

Ele saiu furioso da cela, batendo a porta atrás de si.

Eu olhei para Ash. “Obrigada por isso!” Eu assobiei.

Ash se encostou nas barras de metal que nos separavam.

“Não se preocupe, filhote, eles geralmente não mantêm humanos aqui, você estará fora antes que você perceba. “

Virei minha cabeça para olhar para ele.

Eu revirei meus olhos. “Por que você está me ajudando?” Eu resmunguei roucamente. Talvez o guarda tenha causado mais danos do que eu pensava originalmente.

“Parece que você precisa de um amigo, filhote.” Ash sorriu.

Eu revirei meus olhos. “Parece que você também precisa de um!”

Ash sorriu, ele parecia alegre demais para alguém que acabou de ser meio estrangulado.

“Você tem um nome?”

Eu concordei com a cabeça. “Georgie”, respondi.

Ash cantarolou: “O que você fez? Quero dizer, para apanhar assim? “

Eu sorri para ele. Eu meio que decidi que Ash era legal.

“O que você fez?” Eu rebati.

Ele riu e balançou a cabeça. “Você não quer saber, pequenina!”

Eu levantei minhas sobrancelhas, mas ele rapidamente mudou de assunto de volta para mim.

“Seu pessoal fez isso?”

Eu revirei meus olhos. “Se você quer dizer outros humanos, sim, eles fizeram, mas eles não são meu povo!”

Ash balançou a cabeça. “E eles nos chamam de monstros!”

Eu olhei para ele bem nos olhos. “Os monstros vêm em todas as formas e tamanhos. Não parece que seu povo se importe muito com você também. “

Ash sorriu. “Eles também não são meu povo!” Ele sussurrou.

O barulho da porta da minha cela abrindo desviou minha atenção.

O guarda de mais cedo entrou.

“Você pode andar, humana?” O guarda perguntou.

Revirei os olhos e me levantei. Comecei a andar em direção a ele. Eu manquei um pouco quando percebi que não era apenas a parte superior do meu corpo que estava machucada.

“Pare!” O guarda gritou.

Eu balancei minha cabeça. “O que! Achei que você queria que eu andasse, decida-se, porra! “

Eu ouvi que os lobisomens têm uma velocidade super rápida, agora descobri por mim mesma.

Antes que eu pudesse piscar, fui jogada contra as barras de metal que separavam minha cela da de Ash.

“Que porra é essa!” Eu gemi.

Agora eu estava sofrendo. Fechei os olhos com força e cerrei os dentes.

Não deixe que eles vejam que ganharam , eu me repreendi.

“Você aprenderá a respeitar, humana,” o guarda rosnou.

Ele agarrou meus pulsos e ouvi um clique. O metal frio envolveu meus pulsos, mantendo-os no lugar atrás das minhas costas.

“Grande homem, pau pequeno!” Murmurei baixinho.

Eu vi Ash rir. Com minha bochecha empurrada contra a lateral das barras, eu não pude deixar de sorrir.

“O que você disse?” O guarda rosnou.

Eu não respondi. Isso pareceu deixá-lo ainda mais zangado, ele me virou e me jogou de volta contra as barras.

“Eu disse, 'O que você disse?'” Ele rosnou novamente.

Mordi meu lábio, balancei a cabeça e baixei os olhos, tentando parecer submissa.

Isso era o que ele queria. Ele agarrou meu braço e me empurrou porta afora.

Eu me perguntei para onde ele estava me levando. Então, as palavras do guarda anterior ecoaram em minha cabeça.

O alfa cuidará de você pela manhã.

Pelo que eu sabia sobre lobisomens, havia uma hierarquia rígida. Alfa, Beta. Eu não tinha certeza do que era depois disso. Os guardas, eu imaginei, deviam estar bem abaixo da hierarquia.

Isso não me deu muita esperança. Este idiota não parecia se importar em quem batia.

Provavelmente significava que ele não poderia matar ninguém. Isso seria deixado para o alfa.

Achei que isso significava que ele me mataria ou me deixaria ir.

Enquanto o guarda me empurrava, entramos em um corredor. Era diferente das celas. Ele parou do lado de fora de uma porta de metal lisa. A placa dizia Sala de interrogatório 1.

Era isso. Eu estava fodida. Eu me perguntei sobre o que eles achavam que eu precisava ser interrogada. Ou talvez fosse apenas uma desculpa para me bater até a morte.

Ash estava certo, eles não mantinham os humanos aqui. Eles simplesmente se livram deles assim que pudessem. Talvez eu fosse a próxima refeição dos lobisomens.

Boa sorte com isso; Eu quase não tinha carne em mim!

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Evie Chase – Por Trás das Câmeras

Evie Chase, de 17 anos, tem de tudo: fama, fortuna e a carreira de cantora dos seus sonhos. Mas depois de lutar contra a ansiedade e as pressões do estrelato, Evie retorna para a sua pequena cidade natal, enfrentando antigos valentões, novos amigos e o garoto que ela deixou para trás…

Classificação etária: 16 +

Autor original: Riss Concetta

O Alfa do Milênio

Eve é mais poderosa do que a maioria – porém, quando recebe uma missão com um prêmio que ela não pode recusar, Eve começa a se perguntar se é forte o suficiente para concluí-la. Com vampiros, lobisomens desonestos e divindades malignas atrás dela, a determinação de Eve é posta em questão – e isso acontece antes dela encontrar seu companheiro…

Do universo de Os Lobos do Milênio

Reaprender a Amar

POV: Resumo

Josiah é um motociclista, em luto pela morte de sua esposa. Quando ele inesperadamente herda dois comércios na cidade de Bracketville, ele conhece Brooke, uma mulher local que espera escapar para um lugar melhor. Os dois se unem rapidamente, vendo no outro uma chance de recomeçar. Mas ser o líder de uma gangue de motociclistas é perigoso—colocando em risco o futuro dos jovens amantes…

Classificação etária: 18 +

Autor original: E. Adamson

A Princesa e o Dragão

“Eu pulei da minha cama. Coloquei meu casaco de pele de carneiro. Era verão, mas as manhãs ainda eram frias.

Peguei a mochila de aventura que papai me deu no meu último aniversário, quando fiz sete anos. Ele a encheu de coisas úteis que eu precisaria para caçar salamandras, construir fortes e caçar Dragões.”

Estrada de Aço

Paxton é filha do xerife local. Connor é o líder do Clube de Moto dos Cavaleiros Vermelhos. Suas vidas colidem depois que Paxton volta para casa, para a pequena cidade em que ela cresceu. As faíscas voarão ou o romance deles levará a cidade inteira a uma ruína?

O Resgate de Maximus

Quando Leila volta à sua cidade natal para ser uma médica da matilha, ela se vê presa entre o passado e o presente—e o amor de dois homens—um belo colega médico e um alfa com um segredo. Mas quem fará seu coração bater mais rápido?

Química

Faz tempo desde a última transa de Emily. E o último relacionamento? Foi há tanto tempo que ela mal se recorda. O que significa que está na hora de um ter um caso bem picante. Emily está preste a conhecer alguém que vai deixá-la em chamas.

A Serva do Dragão

Viaje no tempo com esta reinterpretação medieval da fumegante ~Cidade Réquiem~! Madeline serviu aos poderosos metamorfos Dragões da Horda de Réquiem desde que era jovem. Em seu aniversário de dezoito anos, Hael, o próprio Senhor do Dragão, fixa seus olhos verde-esmeralda em Madeline. Ele tem planos ~maiores~ para ela. Madeline será a escrava sexual subserviente que Hael exige? Ou esse dominador ultra sexy encontrou seu par?

Mentes Perversas

Elaina Duval vivia uma vida perfeitamente feliz e normal com a sua mãe – bom, pelo menos até o dia em que ela completou dezoito anos. No seu aniversário, ela descobriu que foi prometida ao cruel e malvado Valentino Acerbi, que em breve se tornaria chefe da máfia italiana. Sem poder escolher ou dar a sua opinião sobre o assunto, ela é arrastada para o mundo distorcido dele e é forçada a suportar coisas que nenhum ser humano deveria ter que fazer, mas… e se ela começar a gostar?

Classificação etária: 18+ (Aviso de conteúdo: violência, abuso sexual, estupro, tráfico de pessoas)

Laços Leais

Zoey Curtis está desesperada para sair de seu emprego atual e se afastar de seu chefe idiota! Mas quando ela recebe uma oferta de trabalho como assistente do playboy bilionário Julian Hawksley, ela não está preparada para os desejos ardentes que ele desperta dentro dela…