logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Keily – Gordinha e Fabulosa

Keily sempre foi corpulenta e, embora tivesse suas inseguranças, nunca deixou que isso a atrapalhasse. Isto é, até ela se mudar para uma nova escola onde conheceu o maior idiota de todos os tempos: James Haynes. Ele nunca perdia a chance de zombar de seu peso ou apontar o que chama de defeitos. Mas o fato é que… as pessoas que dizem as coisas mais maldosas geralmente escondem seus próprios problemas, e James está escondendo um segredo ENORME. E é um segredo sobre Keily.

Classificação etária: 18+ (Aviso de conteúdo: assédio sexual, agressão)

Autor Original: Manjari

 

Keily – Gordinha e Fabulosa por Manjari está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

Resumo
Addison
Estou aqui.

Depois de ler a mensagem, coloquei meu celular no bolso da calça jeans e engoli o restante do meu cereal. Pegando minha bolsa e enxugando minhas mãos na calça jeans, corri em direção à porta da frente.

“Mãe, Addison está aqui!” Eu gritei de volta para a cozinha. “Estou indo embora. Tchau!”

“Boa sorte no seu primeiro dia!” Ouvi minha mãe gritar de volta enquanto fechava a porta.

Addison, minha prima, estava esperando por mim dentro do carro. Sua pele de mogno brilhava lindamente sob a luz do sol, e seu cabelo castanho encaracolado estava preso em um rabo de cavalo alto.

Abaixei minha camisa um pouco, certificando-me de que minha barriga estava coberta. A camisa que eu usava hoje era mais longa do que o normal, mas não custava nada verificar duas vezes se ela cobria o que precisava cobrir.

“Ei,” Addison cumprimentou quando me sentei no banco do passageiro.

“Oi.”

“Então, você está animada? Hoje é o seu primeiro dia,” ela disse e ligou o motor. “Você vai ser a novata, Keily.”

“Você está falando como se eu estivesse em um programa adolescente, onde caras gostosos vão pular em mim e líderes de torcida vão me agarrar.” Eu ri, com suas vibrações de bom dia passando para mim.

“Ei! Minhas garotas não vão agarrar ninguém, elas vão dar socos.” Addison sorriu.

“Ah, se for esse o caso, lembre-me de cortar as unhas e fazer aulas de boxe”, brinquei de volta.

Nossas brincadeiras me ajudaram a acalmar meus nervos nervosos. Hoje seria meu primeiro dia na Jenkins High.

Todos os dezoito anos da minha vida foram passados ​​nos subúrbios de Remington, então mudar para cá e começar meu último ano do ensino médio em uma cidade completamente nova foi, para dizer o mínimo, opressor.

A mudança não estava em nossos planos, mas quando a empresa da minha mãe decidiu abrir sua nova filial aqui e pediu que ela fosse a gerente do projeto, recusar não era uma opção.

Bradford era a cidade natal de minha mãe, onde ela cresceu e passou 21 anos de sua vida. Além disso, houve um bom aumento em seu salário.

Meu pai também não se importou; sinceramente, ele não se importaria se você o mudasse para outro canto do mundo. Ele era um freelancer de softwares e web designer, então se mudar para ele não era um grande negócio.

Mas era para mim…

Eu não queria deixar para trás o conforto de um lugar conhecido e pessoas familiares (mesmo que essas pessoas fossem bastante rudes). Era para acontecer um ano depois, quando eu começasse a faculdade, não agora.

Chegamos aqui assim que meu ano letivo acabou, então eu passei quase dois meses me preparando e vagando por esta cidade antes de começar em Jenkins.

Addison, filha do irmão da minha mãe, tinha sido uma ótima guia turística e uma ótima amiga (ou prima). Graças a ela, minha antipatia por toda essa provação de desenraizar nossas vidas havia diminuído um pouco.

Nós nos demos bem no início sobre nosso amor por animes e Taylor Swift. Ela era uma pessoa muito divertida e fácil de se conviver.

Ela me apresentou a alguns de seus amigos também, fazendo esta solitária se sentir muito bem-vinda.

Ela até me prometeu caronas para a escola, já que sua casa ficava a apenas alguns quarteirões da minha. Minha teoria era que ela se sentia compelida a fazer isso porque eu era sua prima; no entanto, também não pude recusar.

Pegar uma carona com minha prima parecia mais atraente do que empurrar meu corpo nas pequenas poltronas de um ônibus e receber olhares condescendentes e zombarias de outros adolescentes todas as manhãs.

Eu já tive bastante disso em Remington.

“Chegamos.” Addison buzinou, dispersando a multidão ao redor do estacionamento, abrindo caminho para uma vaga.

Olhei para o grande edifício bem alto à nossa frente, uma sensação de peso pressionando meus ombros. Meus nervos voltaram com força total.

“Bem-vinda ao seu novo inferno, senhorita”, brincou minha prima. Ela saiu e eu a segui como um cachorrinho perdido (um cachorrinho muito grande).

Mais uma vez, puxei minha camisa para baixo, sentindo-me desconfortável ao caminhar ao lado de Addison.

Minha prima não estava apenas na torcida, mas também na pista, uma das melhores velocistas, segundo suas amigas. Não era de se admirar que ela tivesse um corpo que toda mulher ansiava.

Ela era magra, mas lindamente curvilínea e musculosa, apenas alguns centímetros abaixo de um metro e oitenta.

Vestida com jeans skinny e um top curto, dando apenas uma dica de sua barriga esculpida, ela parecia ter saído de uma revista de moda.

Eu, por outro lado, mal alcançava seu ombro. Eu tinha uma grande barriga, braços flácidos e troncos no lugar das pernas.

Meus únicos bens que valem a pena considerar provavelmente são meus seios e quadris. Mas às vezes, até eles eram um incômodo na hora de comprar roupas.

Hoje, eu estava vestida com uma blusa esvoaçante — para esconder minha flacidez — e leggings pretas.

Embora eu as considerasse minhas melhores roupas casuais, ao lado de Addison eu me sentia mal vestida, também muito fora de forma.

Olhe para ela; ela é linda.

“Você tem sua programação, mapa e código do armário, certo?” Ela perguntou enquanto alcançamos as escadas que conduziam às portas abertas do inferno.

“Sim, comprei no sábado. Você não tem que cuidar de mim, não importa o que minha mãe disse.” Entramos nos corredores e, imediatamente, fui cercada pela agitação familiar do colégio.

Addison fez beicinho. “Keily, não estou com você porque sua mãe ou meu pai me disseram para fazer isso. Eu realmente gostei de passar minhas férias com você. Eu oficialmente considero você mais uma amiga do que uma prima.”

Isso me fez sentir culpada pelo que falei.

“Eu sinto muito. Eu só não quero te incomodar. Você já está me dando uma carona para a escola. Eu não quero ser um fardo.”

“Para que servem as amigas senão para serem um fardo para você?” Addison brincou, me fazendo sorrir. Ela é perfeita.

“Agora que você está dizendo isso, eu posso entender melhor.” Eu respondi, incapaz de acompanhar seus comentários espirituosos.

“Falando em fardos, deixe-me apresentá-la a algumas pessoas.” Ela começou a caminhar em direção ao grupo de meninas, todas elas magras, bonitas e altas. Um olhar e qualquer um poderia dizer que eu não pertencia àquela multidão.

Eu mentalmente me repreendi por meus pensamentos e sufoquei essas inseguranças corrosivas.

Se não fosse por Addison, eu teria sido uma solitária completa aqui. Eu deveria ter ficado grata por não passar meu primeiro dia caminhando desajeitadamente por essas grandes instalações.

Então, com um sorriso animado, segui Addison, deixando-a ser minha mentora.

***

“Como está indo o primeiro dia de todo mundo?” Nosso professor perguntou. Esta foi a terceira aula de hoje.

Um gemido coletivo foi sua resposta com algumas respostas “chatas” e “boas”. Obviamente, esses alunos não compartilhavam de seu entusiasmo.

“Faz parte do seus trabalhos serem sempre tão angustiados?” Ele suspirou e começou a escrever no quadro. Joseph Crones.

“Para todos os novos alunos aqui,” — seu olhar permaneceu em mim por um pouco mais de tempo — “Eu sou Joseph Crones. Vocês podem me chamar de Sr. Crones.”

Eu balancei a cabeça quando ele olhou para mim novamente. Eu sou a única nova nesta classe?

“Já que é nosso primeiro dia de inglês, por que não…” Ele foi interrompido quando a porta da sala de aula se abriu.

Um menino entrou e entregou um papel ao Sr. Crones. Eu não pude deixar de estudar suas feições. Ele era alto, facilmente mais de um metro e oitenta e tinha um corpo de atleta.

Pelos músculos salientes de seus braços, você poderia facilmente descobrir que o resto de seu físico era tão robusto quanto musculoso.

Seus olhos caíram sobre mim e ele percebeu que o estava examinando. Eu imediatamente olhei para baixo, meu rosto ficando vermelho.

Eu odiava como meu rosto facilmente mostrava meu constrangimento, ficando vermelho em qualquer oportunidade.

“Sr. Haynes, diga ao treinador para liberá-lo mais cedo ou mantê-lo em campo com ele”, o Sr. Crones repreendeu Haynes.

“Diga você mesmo,” ouvi Haynes murmurar enquanto o som de passos ficava mais alto. Nosso professor não o ouviu, ou mesmo se ouviu, decidiu ignorá-lo.

Minha cabeça ainda estava abaixada, então quando um par de tênis Nike apareceu, minhas sobrancelhas franziram e, sem meu conhecimento, minha cabeça se moveu para cima. Haynes estava ficando confortável na mesa ao meu lado.

Algumas mesas além da próxima à minha ainda estavam livres. Que sorte a minha. Ele tem de se sentar bem aqui! Oh, Deus…

Eu sabia que estava exagerando, mas o cara tinha acabado de me pegar olhando para ele. Foi embaraçoso. Se eu fosse parecida com Addison, não teria surtado tanto.

Mas eu era eu, uma garota gorda, e não tínhamos o direito de ir atrás de homens bonitos como ele.

“Como eu estava dizendo,” o Sr. Crones começou, “é nosso primeiro dia, então estou dando a todos vocês uma tarefa que devem enviar até o final deste semestre. Tudo bem?” Ele deu um sorriso doce.

Outro gemido coletivo foi sua resposta.

“Muito bom.” Ele queria que escrevêssemos uma tese ou ensaio de cinco mil palavras sobre qualquer uma das obras de Shakespeare.

Precisávamos fazer uma análise aprofundada de sua obra e também apresentar como ela foi afetada pela política e pela cultura do período elizabetano.

Sinceramente, eu estava animada com esta tarefa. Eu gostava de literatura; era divertido.

“Ei!” Uma mão bateu na minha mesa, quase me fazendo pular. Sr. Haynes estava com a mão na minha mesa.

Meus olhos se voltaram primeiro para o professor Crones — que estava ocupado escrevendo no quadro — então eles se moveram para o garoto ao meu lado.

Fios de seus cabelos castanhos escuros estavam caindo em sua testa, e de alguma forma o fazia parecer perigosamente bonito. Eu podia distinguir um olhar calculista, mas provocador, em seus olhos negros como breu.

Seus lábios rosados ​​estavam se contraindo; ele estava tentando esconder um sorriso. Mesmo que esse menino se parecesse com a encarnação do próprio Adônis, o olhar que ele estava me dando gritava problema.

Uh…

“Sim?” Eu odiava o quão chorona eu soava. Meu rosto já estava queimando. Pare de ser tão fraca já!

Eu vi seus olhos escaneando meu corpo da cabeça aos pés. Eu não sabia se minha mente estava pregando peças, mas seu olhar me lembrou de todos os olhares que recebi ao longo da minha vida adolescente.

Eu já podia senti-lo julgando: gorda e preguiçosa.

“Então,” ele disse, me tirando do meu torpor.

“Huh?”

Seus lábios esticaram para cima em um sorriso provocador. Meu rosto ficou mais vermelho.

“Eu perguntei se você pode me emprestar uma caneta. Eu esqueci a minha.”

Oh.

Eu me movi para pegar uma caneta na minha mochila, mas meu olhar caiu no bolso da calça jeans. Duas canetas já estavam aparecendo.

O que ele estava aprontando?!

“Não.” Minha voz saiu mais áspera do que eu pretendia. Eu estava tentando não parecer fraca, mas acabei parecendo um esnobe. Bom trabalho.

Virei minha cabeça para o Sr. Crones, que ainda estava ocupado escrevendo. Sinceramente, eu não queria estar perto desse Haynes ou ter qualquer motivo para me associar a ele. Eu não queria dar minha caneta a ele.

Seu rosto, corpo, atitude, diabos, até a maneira como ele estava sentado em sua cadeira como um rei, me lembrava de todos aqueles garotos que pensavam que eram donos do mundo e ridicularizavam pessoas como eu a cada chance que tinham.

Posso ter pensado demais nisso, mas era melhor prevenir do que remediar.

Um escárnio veio do meu lado, e sem nem mesmo olhar, eu sabia que ele estava olhando para mim.

“Com toda aquela gordura saindo do seu corpo, você se acha bastante.” Suas palavras esmagaram a pouca confiança que eu tinha juntado.

Eu realmente queria dar uma boa resposta, mas como sempre, minha língua congelou e, em vez disso, dei uma espiada. Ele estava escrevendo em seu bloco de notas com uma caneta — que ninguém havia lhe dado.

Eu me virei, com meu punho cerrado.

Idiota!

Era melhor ficar longe dele, porque no final, não importa o quanto eu quisesse, eu não poderia lutar contra idiotas como ele.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

Enfiei meus livros dentro do meu armário e fechei-o com força. O insulto de Haynes ainda queimava em minha mente, destruindo meu humor.

Covarde como eu era, meu armário levou o peso da minha raiva em vez do garoto responsável por isso.

“Keily!” Addison estava correndo em minha direção, com outra garota — que se apresentou como Lola esta manhã — a seguindo.

“Como está seu dia?” Eu perguntei quando ela me alcançou.

“Até agora tudo bem.”

Olhei para Lola, não querendo que ela se sentisse excluída.

Ela apenas encolheu os ombros. Lola não falava muito.

“Vamos, vamos. Sadhvi deve estar esperando por nós”, disse Addison, enganchando seus braços nos meus e nos de Lola, e nos levando às pressas para o refeitório.

Era o almoço. Addison tinha me convidado esta manhã para sentar com ela e as meninas.

Que prima legal eu tenho!

“E quanto a você? Algum escândalo ainda sobre o qual nós, líderes de torcida, devemos fofocar?” Minha prima perguntou.

Soltei um bufo feio. “Eu te aviso.”

“Ouvi dizer que sua aula de inglês é ministrada pelo Sr. Crones.”

Eu concordei.

“Ele é um cara muito legal — veja bem, irritante, mas legal. Embora este ano inteiro você tenha muitas lições de casa, então esteja pronta.”

Addison gemeu. “Nós ficamos presas ao Velho Whitman, aquele corvo amargo. Você tem sorte, K.”

Minha primeira impressão do Sr. Crones também foi de que ele era um cara descontraído. Ele estava entusiasmado demais para o meu gosto, mas pelo menos era amigável conosco, os alunos.

O cheiro de comida invadiu meu nariz quando entramos no refeitório. Os ruídos estrondosos da conversa dos alunos encheram o salão. Meu humor melhorou até que meus olhos pousaram em Haynes.

Ele já estava olhando para mim. Ele estava à mesa ao lado da janela, sentado lá como um rei em seu trono.

Seus olhos se estreitaram e eu desviei o olhar. Idiota.

“Deixe-me apresentá-la aos meninos”, disse Addison. Ela acenou para os caras na mesa ao lado. Além dele, havia mais quatro caras; dois deles acenaram de volta. Não!

“Tudo bem. Não precisamos perturbá-los”, recusei, mas Addison já havia começado a nos arrastar para a mesa deles.

Apesar da minha relutância, ela me puxou como se eu não pesasse nada, e isso dizia muito. O que essa garota come?!

“Você vai amá-los, exceto James. Ele é um idiota.”

Chegamos à mesa deles. Addison cumprimentou um cara loiro. Lola cumprimentou a todos com um único aceno de cabeça. E eu olhei para qualquer lugar, menos para ele, o tempo todo sentindo seu brilho.

“Ela é a prima de quem você estava falando?” O cara loiro perguntou a Addison.

Addison acenou com a cabeça. “Keily, este é Lucas. Lucas, esta é Keily.”

“Ei.” Eu dei um pequeno sorriso, com minha timidez espiando. Lucas era um cara bonito. Ele tinha traços faciais marcantes com olhos verdes e lábios em forma de coração. Ele provavelmente tinha muitas garotas competindo por ele.

“É bom ter um rosto bonito por perto”, disse Lucas com um sorriso genuíno. “Espero que tenhamos algumas de nossas aulas juntos. A prima de Addison é minha… amiga.”

“É melhor ela permanecer sua amiga. Não queremos você namorando uma vaca,” uma voz comentou. Haynes.

Meu sorriso caiu. Isso doeu.

“Cale a boca, James.” Addison olhou para ele. Então ele se chama James. “Você só quer que todos sejam tão miseráveis ​​quanto você, não é?”

James Haynes revirou os olhos.

“Ok, ok,” Lucas saltou, seus olhos dançando entre Addison e James, que estavam em uma competição acirrada.

“James, você está de mau humor desde a aula de história. Deus sabe por quê. Mas você não tem de descontar nos outros.”

Addison bufou, colocando o braço em volta do meu ombro. Eu me sentia uma anã, uma anã agradecida. Ela me defendeu. Se eu pudesse fazer o mesmo por mim mesma.

“Estamos indo embora”, minha prima soltou. “Sadhvi está esperando por nós de qualquer maneira.”

Quando começamos a andar, Lucas nos parou. “Ei, não deixe esse rabugento estragar seu humor. Não vá. Agora, Sadhvi deve ter encontrado outras garotas.”

Ele olhou para mim. “Keily, eu me desculpo por ele. Ele está tendo um dia ruim.”

“Isso não é desculpa,” murmurou Lola.

“Sim, não é.” Outro cara se levantou. Ele usava óculos, o que lhe dava uma aparência de maturidade. “Olha, por que vocês não sentam aqui conosco? Todos nós queremos conhecer Keily.”

Ele se tornou cem vezes mais charmoso ao sorrir. “É por nossa conta”, acrescentou o pobre rapaz quando Addison não respondeu.

Eu ouvi James zombar, provavelmente segurando algum comentário sobre meu peso e como eu comia muito.

Addison olhou para ele, mas cedeu de qualquer maneira. Eu esperava que ela não fizesse isso, mas agora, todos nós tínhamos estabelecido que ela era nossa líder. Fizemos o que ela disse.

Sentei-me no assento ao lado de Lucas, hiperconsciente de quanto espaço eu ocupava.

Não ajudou que James estivesse bem na minha frente, parecendo que queria cortar minha cabeça por sentar ao lado de seu amigo.

Eu sou tão ruim assim?

Os outros caras se apresentaram.

Matt, o cara de óculos, Axel e Keith, os outros dois, foram pegar nosso almoço. Afinal, era por conta deles.

“Então, Keily, você está se divertindo aqui—” Lucas parou, seu rosto se contorcendo em uma carranca fofa. “Deixe-me reformular isso. Você não está ficando muito entediada, está?”

“Não muito. Os professores aqui são muito bons.”

“Legal. A propósito, se alguém aqui lhe causar problemas, venha até mim. Eu vou cuidar deles.”

Cuide do seu amigo, eu queria responder.

“Você não tem que bancar o herói, Lucas. Ela já me pegou para isso “, acrescentou Addison.

“Addy, deixe-me impressionar sua prima,” Lucas fez beicinho. Ele era tão fofo.

Uma risada passou por mim com suas travessuras adoráveis, mas parou assim que foram feitas, quando vi James olhando para mim com os olhos estreitos.

Matt, Keith e Axel se juntaram a nós, carregando comida que daria para vinte pessoas, mas apenas para oito de nós.

Todos se alimentaram como os animais famintos que os adolescentes são, mas fui cautelosa para não comer muito, especialmente com James sentado aqui. Eu não queria dar a ele mais munição.

Parecia que cada ação minha era controlada por como ele reagiria.

Quando a comida chegou às nossas bocas, o bate-papo à mesa começou.

Aprendi que Lucas era o capitão do nosso time de futebol. Eu suspeitava que ele fosse atlético com todos os músculos e altura que tinha.

James também estava no time. Os dois pareciam ser bons amigos. Eu percebi isso quando Lucas continuou lançando insultos a James e recebeu outros igualmente duros de volta.

De acordo com Matt, James e Lucas eram seus principais jogadores. Eu acreditei em tudo.

Keith e Axel estavam na equipe de atletismo. Addison passou a maior parte do tempo conversando com eles sobre o próximo torneio.

Lola ouviu em silêncio enquanto Matt sussurrava em seu ouvido. Ele estava tão perto que quase sentou no colo dela.

“Eles estão namorando”, Lucas me informou quando me pegou olhando para eles.

Lucas me perguntou sobre minha cidade e escola anterior. Respondi a todas as suas perguntas e ele ouviu pacientemente. Era lisonjeiro que um cara como ele prestasse atenção em mim.

Sua natureza amigável me deu coragem para eu mesma fazer-lhe perguntas.

Conversamos sobre futebol, mas quando não consegui acompanhá-lo, ele mudou a conversa para os assuntos que estava cursando. Aprendi que compartilhamos cálculo e educação física.

Este almoço teria sido o melhor de há muito tempo se não fosse por James Haynes. Tentei bloqueá-lo, mas foi difícil quando ele continuou lançando olhares na minha direção.

Felizmente, ele não fez outra observação sobre mim. Ele nem mesmo disse uma palavra para mim, silenciosamente fixando-se em um olhar de eu-não-me-importaria-de-matar-você.

Eu deveria ter dado a ele aquela caneta idiota.

***

“Keily.”

“Sim.” Eu olhei para o meu pai. Nós estávamos no sofá.

Depois que voltei da escola, devoramos alguns lanches e dormimos por uma hora e terminei meu dever de casa.

Não tinha sido muito desde o nosso primeiro dia (embora eu ainda não tivesse começado a tarefa do Sr. Crones). Agora eram quase 19 horas e meu pai e eu estávamos na sala de estar.

Eu estava no meu telefone, e ele estava fazendo seu trabalho, grudado em seu laptop.

Meu pai já havia preparado o jantar. Estávamos esperando minha mãe voltar do trabalho.

“Qual cor é melhor?” Ele perguntou, virando a tela para mim. Duas páginas do navegador lado a lado com o título Ample.com me encaravam.

Ele estava perguntando sobre a cor do tema. Um era de um marrom mais escuro desbotando para o marrom claro. O outro também era marrom, mas de um tom diferente.

Eu apontei para o primeiro.

“Eu também gosto deste.” Ele sorriu e fechou a página. Meus olhos ainda estavam em sua tela quando notei um software desconhecido.

“Espera. Por que você não está usando o Atom? É a sua ferramenta favorita”, perguntei. Ele sempre usou o Atom IDE para projetar sites.

“O cliente queria que eu usasse este.”

“O software é novo? Eu não tinha visto isso antes.”

“Sim, foi lançado há um ano.” Ele começou a digitar em seu laptop antes de parar novamente. Ele olhou para mim, com seus olhos castanhos brilhando. “Quer ver o que ele pode fazer?”

Eu balancei a cabeça ansiosamente. Achava que compartilhava do interesse de meu pai em projetar sites e programar.

“Ok, garota, não tire sarro de mim. Eu ainda estou aprendendo.”

“Sem promessas.” Eu sorri.

Por causa do meu pai, a ciência da computação era minha matéria favorita. Hoje, eu estava animada para assistir àquela aula. No entanto, a empolgação sumiu de mim quando vi James sentado no laboratório de informática.

Eu poderia ter lidado com isso, mas o professor nos pediu para sentar em ordem alfabética, e porque K vem depois de J, tivemos de sentar lado a lado.

Por quase uma hora, eu tive de suportar seus olhares de julgamento, e sempre que cometi o erro de olhar por cima, fui inundada com piadas de gordura.

Minhas duas aulas favoritas, inglês e ciência da computação, agora se tornaram… não tão favoritas. Se isso não bastasse, nós compartilhamos cálculo também.

Mas Lucas estava lá para mantê-lo sob controle, então era suportável. Embora eu estivesse grata, me sentia mal por Lucas ter de brigar com seu amigo por mim. Ele era uma pessoa tão gentil.

Se eu pudesse brigar por mim mesma.

Nossa porta da frente se abriu e minha mãe entrou.

“Bem-vinda de volta,” eu disse antes de voltar para a tela do laptop.

“Estou indo tomar um banho.” Ela colocou a bolsa na cadeira livre. “E eu quero este laptop fechado e vocês dois na mesa de jantar antes de eu voltar.” Com esse aviso, ela subiu as escadas.

“Sim, mãe. Sim, querida,” meu pai e eu murmuramos juntos.

Eu me preparei para o próximo interrogatório no jantar sobre o primeiro dia de aula.

Minha mãe já tinha muito trabalho com esse novo escritório dela. Ela não precisava ouvir a filha reclamando de um adolescente malvado.

Provavelmente vou deixar de fora a parte do James.

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

O Resgate de Maximus

Quando Leila volta à sua cidade natal para ser uma médica da matilha, ela se vê presa entre o passado e o presente—e o amor de dois homens—um belo colega médico e um alfa com um segredo. Mas quem fará seu coração bater mais rápido?

Caindo na Real

Desde jovem, Maya Hamilton era uma garota festeira, e tudo que mais amava era se soltar e fazer o que bem entendia. Jace Parker era um garoto de fraternidade irresponsável que tinha uma queda por garotas festeiras: eles eram perfeitos um para o outro – até que, do nada, ele terminou o relacionamento através de uma mensagem de texto. Agora, dois anos depois, eles se reencontram como aluna e professor, e Maya está escondendo um segredo que pode mudar a vida de Jace!

A Serva do Dragão

Viaje no tempo com esta reinterpretação medieval da fumegante ~Cidade Réquiem~! Madeline serviu aos poderosos metamorfos Dragões da Horda de Réquiem desde que era jovem. Em seu aniversário de dezoito anos, Hael, o próprio Senhor do Dragão, fixa seus olhos verde-esmeralda em Madeline. Ele tem planos ~maiores~ para ela. Madeline será a escrava sexual subserviente que Hael exige? Ou esse dominador ultra sexy encontrou seu par?

Centelha do Desejo

Órfã jovem e transferida de lar adotivo para lar adotivo, Adeline passou os últimos nove anos sozinha e com um segredo: ela é um lobisomem. Quando, sem saber, ela entra no território da matilha durante uma corrida, ela é capturada e logo descobre que encontrar sua própria espécie não era tudo o que ela esperava que fosse. Quando ela encontra o alfa que a detém contra sua vontade, faíscas voam. Mas será que ele pode vê-la como qualquer outra coisa que não seja um selvagem? Ou ela será sua prisioneira para sempre?

O Mistério de Jack

A enfermeira Riley foi atribuída a um dos pacientes os mais notórios da ala psiquiátrica – Jackson Wolfe. E ele simplesmente é fatalmente sexy, o que é irônico, considerando que todos ao seu redor parecem estar morrendo. Enquanto Jackson atrai Riley com seu charme, será que ela consegue descobrir quem é o assassino… ou é o mesmo homem por quem ela está se apaixonando?

Os Guerreiros de Torian

A terra está sob o ataque de uma raça de alienígenas monstruosos que têm um único objetivo: A total destruição da humanidade. Lilly e sua irmã mais nova acabam no meio da confusão e estão condenadas à morte certa… Até que o encantador guerreiro Rei Bor chega de outro planeta e as salva. Sua missão é proteger todos os humanos, mas agora ele só tem olhos para Lilly. Será que o dever vai falar mais alto, ou ele vai sacrificar tudo por ela?

Classficação etária: 18+

Meu Caubói

O pai ausente de Cora lhe deixa uma grande herança, mas há um problema! Ela tem que cuidar do rancho dele no meio do nada por um ano inteiro. Uma garota da cidade em uma cidade pequena, ela não poderia se sentir mais deslocada. Mas quando ela conhece Hael, o cowboy sexy que trabalha em seu rancho, a vida no campo fica muito mais emocionante…

Prometida ao Rei Lobisomem

~ Foi assim que o mundo acabou. ~

~ O rei dos lobos, o monstro mítico, o homem majestoso que eu aprendi a amar e desejar com todas as minhas forças estava lá.. sangrando ao lado de seu trono. Morrendo. ~

~ Ao lado dele estava um demônio sorridente… o Lorde Demônio. Ele apontou para mim com um dedo longo, preto e fino. ~

~ “Você é minha agora”,

A Princesa e o Dragão

“Eu pulei da minha cama. Coloquei meu casaco de pele de carneiro. Era verão, mas as manhãs ainda eram frias.

Peguei a mochila de aventura que papai me deu no meu último aniversário, quando fiz sete anos. Ele a encheu de coisas úteis que eu precisaria para caçar salamandras, construir fortes e caçar Dragões.”

Tranquilidade

Fora do Reino Licantropo, Lilac de dezoito anos é uma lobisomem tímida — mas ela é linda, e todos ao seu redor estão notando.

Quando um cheiro que ela não pode ignorar a atinge e ela é forçada a reconhecer seus desejos, ela se vê olhando para o infame Kyril Vasilo. E ela descobre que ele não é apenas um lobisomem qualquer… ele também pode ser seu par.