logo
GALATEA
(30.7K)
FREE – on the App Store

Adelie estava acostumada a ficar nas sombras e viver uma vida normal em sua matilha. Mas tudo muda quando ela é rejeitada por seu companheiro, o Alfa, e precisa encontrar uma nova matilha para morar. Ela encontra um novo lar na matilha do Alfa Kairos.

Kairos, um lobo conhecido por sua crueldade e péssimo temperamento, acaba sendo o companheiro de segunda chance de Adelie. Mas será que eles vão conseguir fazer as coisas funcionarem? Sendo que o medo de Kairos do passado o impede de se abrir, e Adelie está prestes a descobrir que tem poderes com os quais ela nunca tinha sonhado.

 

A Ninfa e o Alfa por Miss_Toria_blue está agora disponível para leitura no aplicativo Galatea! Leia os dois primeiros capítulos abaixo, ou faça o download do Galatea para obter a experiência completa.

 


 

O aplicativo recebeu reconhecimento da BBC, Forbes e The Guardian por ser o aplicativo mais quente para novos romances explosivos.

Ali Albazaz, Founder and CEO of Inkitt, on BBC The Five-Month-Old Storytelling App Galatea Is Already A Multimillion-Dollar Business Paulo Coelho tells readers: buy my book after you've read it – if you liked it

Leia o livro completo no app do Galatea!

1

RESUMO

Adelie estava acostumada a ficar nas sombras e viver uma vida normal em sua matilha. Mas tudo muda quando ela é rejeitada por seu companheiro, o Alfa, e precisa encontrar uma nova matilha para morar. Ela encontra um novo lar na matilha do Alfa Kairos. Kairos, um lobo conhecido por sua crueldade e péssimo temperamento, acaba sendo o companheiro de segunda chance de Adelie. Mas será que eles vão conseguir fazer as coisas funcionarem? Sendo que o medo de Kairos do passado o impede de se abrir, e Adelie está prestes a descobrir que tem poderes com os quais ela nunca tinha sonhado.Classificação etária: 16 +Autor Original: Miss_Toria_blueNota: Esta é a versão original do autor e não tem som.

ADELIE

Sempre fui ensinada por minha mãe a ser discreta. A me esconder sob minha capa preta enorme que cobria metade do meu rosto tanto quanto possível, e olhar para cima o menos que pudesse.

Obedecer sempre às regras e não ser imprudente, nunca responder, não fazer amigos. E por último, manter meu segredo seguro.

E tudo isso era para não chamar atenção. Se as pessoas soubessem o que eu sou, isso representaria perigo para mim e para as pessoas ao meu redor e me obrigariam a fazer coisas horríveis.

As pessoas que estão me procurando querem me usar como uma arma de guerra e criar mais seres como eu. Máquinas de combate poderosas. Pelo menos é o que ela sempre disse.

A função da capa era principalmente porque minha mãe dizia que minha beleza era perigosa para mim, que outras pessoas poderiam tentar usá-la. As pessoas julgam os outros pela aparência, se me vissem, iriam instantaneamente querer se aproximar.

As ninfas geralmente nascem com rostos muito amigáveis ​​e acolhedores. Eles também são muito bonitos, pelo menos é o que dizem todos os livros que li. Minha mãe também me disse que sou dotada com os presentes mais preciosos, mas de que adianta viver minha vida nas sombras, isso não foi um presente, foi uma maldição. Minha vida foi uma tragédia.

Eu sou uma ninfa. Uma ninfa é um espírito de proteção da natureza . Meu objetivo é proteger as florestas e plantas em minha matilha, a matilha da Lua de Prata. Toda lua cheia saio para fazer um ritual, agradecendo à Mãe Natureza por seus presentes para nós. Preciso manter minha floresta limpa e viva enquanto estiver neste lugar. Não porque minha mãe me ensinou, mas porque é isso que as ninfas fazem, é da nossa natureza, fazemos isso subconscientemente.

Ninguém sabia que eu era uma ninfa, apenas minha mãe e meu pai. As ninfas se dão bem com os lobisomens, mas eu precisava manter isso em segredo para que houvesse menos chances de ser capturada, e é por isso que minha mãe manteve isso em segredo também. Eu não me importava muito que eles me machucassem. Eu me importava que eles machucassem os outros.

Nunca conheci outras ninfas além de minha mãe. Ela era metade lobo, metade ninfa da água. É importante ressaltar aqui a palavra 'era' …

Minha mãe faleceu quando fomos atacados em nosso antigo bando, a matilha da Lua Negra. Ela morreu por minha causa, me protegendo. Um guerreiro ficou com medo de mim e tentou me matar. Em vez disso, ele a matou.

Meu pai sempre deixou claro que minha mãe não me responsabiliza por sua morte e vive dizendo que não foi minha culpa. Mas nunca consigo tirar a culpa de mim. Minha mãe era uma ninfa e as ninfas perdoam facilmente, era da natureza dela não me culpar.

Eu tenho três partes em mim. Em primeiro lugar, sou uma ninfa da floresta. Em segundo lugar, uma pequena parte é um lobo. Esta parte é tão pequena que nem consigo me transformar. Tenho um lobo em minha alma, mas não no meu corpo.

Fico triste em pensar que minha loba, Madeline, não tenha uma forma de lobo. Ela deixou claro inúmeras vezes que isso está de acordo com a maneira como vive. Se eu pudesse fazer qualquer coisa para dar a ela uma forma de lobo, eu o faria.

A terceira parte de mim é do meu pai. Não vejo meu pai com frequência porque seu trabalho exige muitas viagens. Eu o encontro apenas quando alguém ao meu redor morre.

Meu pai é a Morte.

Seu trabalho é recolher as almas de corpos falecidos. Ele armazena essas almas em um recipiente de vidro e coloca cada uma de acordo com a árvore genealógica e a cor da alma. Se uma pessoa foi má em sua vida, sua alma é negra; se ela foi boa, é branca. Mas na vida não existe apenas o bem ou mau. Existem, principalmente, centenas de tons de cinza.

A Morte tem duas formas.

Sua primeira forma é um esqueleto com capa preta. A que todos estão familiarizados nos livros. Sua segunda forma é semelhante à humana. Ele se parece com qualquer outra pessoa normal.

Ninguém pode ver a Morte em um dia basicamente normal, mas como sou sua filha, posso vê-lo quando ele está por perto. Ele sempre se aproxima de mim quando está perto, e pergunta como estou. Eu sei que ele realmente me ama.

Minha mãe foi uma exceção, e ela também podia ver a Morte, meu pai e minha mãe não sabiam como era possível. Mas foi isso que fizeram eles se apaixonarem. A Morte é imortal e finalmente ele encontrou alguém que poderia vê-lo. Finalmente ele encontrou o amor.

Outras pessoas viram a morte quando estavam morrendo. Para boas pessoas, meu pai oferece um desejo de morte.

Desejo de morte é um desejo que a Morte realiza a partir do pedido de uma pessoa que está morrendo. Meu pai me deu o desejo quando o vi pela última vez, já que posso vê-lo, posso usar o desejo sempre que ele estiver por perto.

O desejo de morte pode fazer quase tudo, exceto torná-lo imortal ou trazê-lo de volta à vida. Me disseram para usar o desejo com sabedoria porque, mesmo sendo filha da Morte, tenho apenas um.

Do meu pai herdei poderes de magia negra.

Esses poderes me tornam invencível, mas minha mãe me proibiu de usá-los. Ela me disse para usar meus poderes apenas quando houver pessoas de confiança por perto, mas isso nunca aconteceu. A única coisa que ela me deixou usar foi o poder de cura. Posso curar feridas em humanos, mas para fazer isso devo sentir a mesma dor que a pessoa ferida está sentindo. Árvores e plantas doentes não me fazem sentir dor ao curar. Ainda não sei até onde vai meu poder de cura.

Minha parte lobo é quem me fez ter um companheiro. E foi esse companheiro que me quebrou completamente e ainda está me machucando, causando uma dor horrível até hoje.

Os membros da matilha da Lua Negra sempre me porque me achavam estranha, eu não falava muito, sempre usava capas e eles pensavam que eu era fraca porque não conseguia me transformar. Achei que tudo mudaria quando eu encontrasse meu companheiro e no meu aniversário de dezoito anos encontrei meu companheiro, o Alfa Hans.

***

Ele estava parado na frente da minha casa. O cheiro mais incrível encheu meu nariz e o homem mais lindo estava na minha frente. Minha parte lobo enlouqueceu na minha cabeça, correndo para frente e para trás.

Amiga! Amiga! Minha loba Madeline cantava enquanto minha mãe colocava as mãos nos meus ombros atrás de mim. Ela devia saber o que estava acontecendo, era meu aniversário ela sabia que isso ia acontecer.

“Alfa Hans …” eu disse sem acreditar, levantando minha cabeça em sua direção. Como posso ser sua companheira? Talvez eu esteja sonhando.

Ele também é uma das pessoas que me xingavam, mas estava pronta para perdoá-lo, afinal ele seria meu companheiro, não é como se eu pudesse lutar contra o vínculo. Ele foi feito para mim. E só para mim.

“Precisamos conversar, Adelie. Vamos para um lugar mais tranquilo ”, ele disse e começou a caminhar em direção à floresta, nem mesmo olhando para ter certeza se eu estava seguindo, mas eu o fiz.

Eu também não queria falar com meu companheiro pela primeira vez na frente de minha mãe. Eu dei uma última olhada para minha mãe e sorri como uma louca. Ela sempre falava de como era feliz com meu pai e eu também queria esse tipo de amor.

Caminhamos pela clareira na floresta, ele não disse nada o tempo todo. Mas eu estava tão feliz quanto poderia estar, meu companheiro estava aqui, comigo. Eles diziam que companheiro é aquele que vai te amar mesmo depois da morte. Nem mesmo a morte pode intervir entre os laços do companheiro.

Alfa Hans se virou para mim, mas não com a expressão que eu esperava. Eu queria que ele corresse em minha direção, me pegasse em seus braços, mas o seu olhar parecia frio , como se eu fosse qualquer outro membro da matilha ou até menos que isso.

“Eu não posso ter você como minha companheira Adelie. Sinto muito, você é fraca e nem mesmo tem a forma de lobo. Que tipo de Luna você seria? ” Ele cuspiu essas palavras em mim, enojado,e isso enviou mil agulhas afiadas no meu peito.

Ele continuou. “Você é odiada nesta matilha. E a matilha precisa de alguém que eles possam admirar e você não é uma deles. ” Meu coração se partiu em milhões de pedaços. Será que não era doloroso para ele dizer essas palavras?

“O quê? … '' Eu perguntei, não acreditando no que estava ouvindo” Eu posso mudar Alfa. ” E caí de joelhos. “Eu posso ser o que você quiser que eu seja, eu prometo” eu gritei.

Claro que eu não podia mudar, mas eu precisava dele. Eu não poderia deixar meu companheiro, aquele que foi feito para mim, para me entender, para me amar, não importa o que aconteça.

“Eu, Alfa Hans Lightwood, rejeito você, Adelie Murrell, como minha companheira e Luna da Matilha Lua Negra,” quando ele disse essas palavras toda a minha visão ficou embaçada por um segundo.

Meu coração parecia ter partido, tudo que eu sentia era dor. Era a dor mais horrível que já senti.

“Não!” Eu gritei de raiva, tristeza e decepção. E eu não conseguia controlar meus poderes. Uma fumaça preta saiu das pontas dos meus dedos, o que fez Alfa Hans recuar aterrorizado e outros lobos se aproximaram de mim de diferentes cantos.

Um avançou direto para mim, mas eu o nocauteei com uma explosão de fumaça preta. Nunca soube que poderia fazer isso. O lobo uivou e outros recuaram assustados. Eu também estava com medo, com medo do que poderia fazer.

Minha mãe correu até mim. “Mamãe!” Eu gritei enquanto ela era segurada pelo Alfa Hans. Ele agiu como se eu pudesse machucar minha própria mãe.

“Corre!” Era tudo o que ela iria dizer? Sempre fui obediente à minha mãe. Mas desta vez demorei a entender. Eles iam machucá-la. “Corra Adelie!”

Eu ainda estava parada no mesmo lugar, mas o Alfa Hans se aproximou para me ver deixando minha mãe. Ele caminhou devagar e ergueu os braços em sinal de rendição, sua expressão era quase culpada.

“Aberração!” disse um guerreiro ao meu lado. Ele ainda estava em sua forma humana e jogou uma faca em minha direção, mas algo impediu a faca de me atingir. Minha mãe tinha bloqueado a faca quando pulou na minha frente. A faca estava em seu peito quando ela caiu no chão.

Eu vi a Morte na minha frente. Não! Isso significa que ela se foi. “Não a leve.” Quase implorei a ele como se ele pudesse fazer qualquer coisa.

Meu pai olhou para mim “Corra!” Ele gritou, fazendo o chão tremer, ninguém mais o viu além de mim e minha mãe, ele nunca tinha gritado comigo em toda a minha vida.

Soltei uma bomba de fumaça que me manteve protegida, não pensei em fazer isso, simplesmente aconteceu.

Eu fugi, corri até meus pés desistirem e ter certeza de que deixei o terreno da Lua Negra. Eu fugi como uma covarde. Minha mãe me protegeu mas eu só a deixei morrer, nem mesmo me despedi, ela era única pra mim e agora se foi.

***

Um ano já se passou e ainda estou na Matilha da Lua de Prata. Alfa Archibald me levou até sua matilha no mesmo segundo que me encontrou vagando pela sua floresta.

Ele é o alfa mais bondoso que já conheci. Nenhum dos membros de sua matilha me chamaram de estranha ou fraca por não me transformar em um lobo, eles apenas olharam por causa do meu capuz preto.

Mesmo Alpha Archibald não sabendo quem eu era. Quando ele perguntou sobre meu companheiro, eu disse que ele estava morto. Isso era mais fácil do que admitir que fui rejeitada.

Estou tão envergonhada que meu próprio companheiro, aquele que estava destinada a dividir a vida, me rejeitou. Se não sou boa o suficiente para ele, não sou boa o suficiente para ninguém.

Hoje era lua cheia e eu precisava agradecer à Mãe Natureza. Já estava escuro e me certifiquei de que meus colegas de quarto estavam dormindo. Eu morava em uma das casas da matilha com lobisomens que não tinham companheiros.

Fiz uma poção com algumas plantas da floresta e coloquei em suas bebidas para dormirem melhor. Eles não podiam saber que eu estava saindo e, além disso, não os machucava em nada, eles sempre se perguntavam por que dormiam tão profundamente em noites de lua cheia.

Saí da casa da matilha com minha longa capa preta com capuz e vestido branco até o tornozelo. Sempre usei vestidos longos, minha mãe sempre usava e eu queria continuar usando em sua homenagem.

Minha mãe dizia que vestidos longos e lindos eram características de ninfas. O estilo das ninfas era mais medieval do que moderno. Tentei usar roupas consideradas normais, mas sempre me senti deslocada.

Todo mundo estava dormindo e ninguém estava fora das casas da matilha porque ninguém iria sair neste momento. Os guardas estavam patrulhando as fronteiras do nosso bando e eu não iria tão longe de qualquer maneira, eu tenho conseguido me esgueirar por cerca de um ano até agora, nunca fui pega.

Eu andei na floresta até meu local habitual de ritual. Quando cheguei, tirei minha capa. E deixei meu cabelo castanho cair nas minhas costas. Sempre fiz questão de ficar ainda mais bonita em noites de lua cheia para que a Mãe Natureza soubesse que eu era digna de ser uma ninfa.

Me sentei ao lado de uma enorme árvore rodeada de flores roxas. Esta era a maior árvore de todas, era poderosa em seu espírito e já tinha visto muitas coisas.

Eu aprendi muito apenas ouvindo ela e outras árvores, são elas que me fizeram entender meus deveres como ninfa da floresta. Elas podiam falar comigo e me ensinaram a cuidar de todas.

Fechei meus olhos e agradeci por tudo ao meu redor. Fiz questão de perguntar às árvores se aconteceu algo fora do normal, elas não me falavam apenas sobre o seu bem-estar, mas também sobre quem estava entrando na floresta, hoje era apenas alguém próximo ao nosso território.

Como eu disse obrigada, meu corpo começou a se encher de energia desde as raízes.

Sempre cuidei da floresta para que não houvesse árvores tristes e plantas fracas. Esse era o meu propósito. Eu era uma serva dos bens da floresta.

Senti como se tivesse nascido de novo. Luas cheias eram a razão pela qual eu estava disposta a viver. Não tinha mais ninguém em minha vida, exceto a natureza.

Me perguntei sobre meu companheiro Hans, ele nunca saiu da minha mente. Eu queria fazer algo para parar essa dor, mas não podia e não queria que ela fosse embora na verdade.

Mesmo que a única coisa que restou do meu companheiro seja a dor, eu ainda quero. Mesmo se eu sentisse a dor insuportável dele marcando e acasalando com outra loba. A dor lembra algo que quase tive.

Caminhei pela floresta finalmente livre da minha capa. Respirei o ar fresco com a cabeça erguida. Rodopiei e deixei o vento soprar no meu cabelo. A floresta era meu lugar favorito, minha fantasia favorita de felicidade.

Quando finalmente chegou a hora de ir embora, peguei minha capa pesada, mas, ao fazer isso, ouvi passos vindo em minha direção. Instantaneamente, olhei para cima para ver a pessoa caminhando.

Era um homem, ele era grande e dava para ver seus músculos mesmo por trás de todas as roupas que vestia.

Era um lobisomem e não ser musculoso seria estranho por conta de todo o treinamento dos lobos normalmente.

Seu cabelo era castanho escuro, cacheado e longo o suficiente para quase chegar aos olhos, era mais longo na parte superior e mais curto nas laterais, e estava penteado para o lado direito. Seus olhos eram perfeitamente cor de avelã, até esqueci minha capa.

Me virei e coloquei a capa e o capuz e abaixei meu rosto, eu sabia que ele me viu o suficiente porque fizemos contato visual direto.

Algo estava errado com ele, algo nele era diferente, estranho, mas atraente, sua presença parecia calma, mas tão estranha.

Eu o ouvi se aproximar e senti seu cheiro. Era uma delicada mistura de pinheiro com bergamota e um pouco de hortelã-pimenta, eu nunca tinha sentido esse cheiro antes, mas apenas um cheiro me fez sentir assim. E foi quando deixei meu lobo falar comigo.

Companheiro!

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

2

KAIROS

Meu lobo estava falando comigo. Para outros lobisomens, isso não seria estranho. Meu lobo Kye estava falando comigo pela primeira vez em dois anos.

Meu lobo estava com raiva de mim e provavelmente continuava. Eu também não me perdoei, eu era a razão pela qual ele estava me dando tratamento do silêncio. O machuquei da pior maneira conhecida por outros lobos. Tirei dele a minha companheira.

Hoje meu lobo decidiu falar, ele não respondeu nenhuma das minhas perguntas e nem mesmo me reconheceu.

Ele nem mesmo estava fazendo sentido. Continuou divagando, eu não conseguia entender o que, mas estava feliz por ele estar dizendo alguma coisa. Mesmo quando eu estava na minha forma de lobo, ele não tinha falado comigo antes.

Estava sentado em meu escritório quando meu Beta Raphael entrou com uma única batida. Raphael era o único que tinha permissão para entrar em meu escritório sem meu consentimento. Antes da tragédia de dois anos atrás ele era meu amigo mais próximo, mas agora eu não era digno de ter um amigo, era melhor não estar perto de ninguém.

“Alfa! Recebi uma mensagem da matilha da Lua Negra. ”

“O que é?” Não recebíamos mensagens com muita frequência por causa da reputação da nossa matilha.

“O Alfa deles e seus melhores guerreiros querem vir treinar aqui.”

Isso era algo novo, ninguém mais queria vir aqui de livre vontade, antes costumava haver dezenas de mensagens de outras matilhas.

Agora eles ouviram milhares de histórias sobre mim e minha matilha. Éramos uma maldita matilha agora, e poucas pessoas fora da minha matilha sabiam exatamente o que aconteceu para sermos chamados assim e ninguém pode falar daquela noite.

Pensei por um segundo me levantando da minha cadeira de couro e caminhando até uma janela que estava atrás da minha cadeira. “Que bem isso vai fazer para nós?” Eu perguntei, olhando de cima para as casas da matilha à distância.

Eu não vivia com o resto do bando. Morava sozinho em minha casa enorme. Mesmo minha irmã Fala não morava comigo. Queria que ela morasse aqui comigo, mas ela achava que era muito deprimente, então morava de boa vontade na casa de manada.

Ela dizia que este lugar perdeu toda a sua glória e graça. E ficava longe de todas as outras casas, talvez por isso eu gostasse tanto. Adorei ficar isolado.

Gostava de ficar sozinho, tanto quanto possível, agora mais do que nunca.

Olhando de cima, vi algumas pessoas caminhando. Minha matilha, a Matilha dos Caminhantes da Noite, já tivemos mais de dois mil membros, agora havia apenas cento e oitenta e um, sem contar as crianças.

Nós temos muitas crianças porque a maioria delas perdeu os pais em uma briga enquanto estávamos sendo protegidos, e o resto eram apenas memórias de lobisomens falecidos.

Tudo isso era culpa minha. Os membros da minha matilha eram cegos se não vissem que era minha culpa, eu poderia ter impedido isso antes, mas estava cego pelo amor. Nunca vou poder me perdoar pelo que fiz.

No mínimo, ganhei ainda mais respeito depois daquela noite que causou tudo isso, e odiei. Tantas pessoas foram mortas, muitos perderam seus entes queridos. E eles ainda me elogiavam.

“Alfa Hans diz que nos dará um pagamento justo.” Meu Beta explicou. “Alfa, nossos guerreiros são provavelmente os mais fortes que existem, outros bandos nos temem. Isso permitirá que eles saibam que somos confiáveis, até mesmo prestativos.”

Meu Beta continuou. “Queremos expandir nosso bando o máximo possível. Alpha, os membros do bando merecem isso, serem vistos como algo mais do que prisioneiros.”

“É isso que acham? Que são prisioneiros?”Eu disse mais para mim mesmo.

Raphael riu atrás de mim.”As histórias nunca param, eles têm tanto medo de nós que usam todas as desculpas para nos odiar.″

Meu Beta era inteligente, mas também achava que éramos amigos, que estúpido. Ele estava comigo desde que recebi meu título de Alfa pela primeira vez. Até hoje me pergunto por que ele não me temia.

“Eles têm medo de nós?” Eu questionei, mas meu Beta pareceu soltar um suspiro confuso. “Eles nunca tiveram medo do nosso bando, isso aconteceu nos últimos dois anos.”

“Alfa, eles não sabem o que aconteceu. Todo mundo tem uma história diferente daquela noite. Você é um mito para todos. ”

Eu não queria pensar sobre essa história. Tudo que eu precisava fazer era o que seria melhor para minha matilha “Deixe o Alfa Hans saber que eu concordo e irei lhe enviar uma mensagem com as datas em que eles podem vir e treinar.”

Meu Beta assentiu satisfeito e saiu do escritório.

Era quase meia-noite, mas meu lobo ainda estava andando de um lado para o outro. Algo estava acontecendo com ele. Talvez ele tenha perdido a cabeça por não falar por tanto tempo.

O que é? Eu perguntei a ele.

Corre! Vamos correr. Nas profundezas da floresta. Existe esse lugar. Uma árvore enorme. Lua cheia. Está aqui. Agora! Vamos agora…

Ele estava agindo de forma estranha, mas pelo menos ele meio que estava me respondendo. O mínimo que eu podia fazer era fazer o que ele estava dizendo. Talvez ele voltasse a falar completamente comigo.

Deixei todo o meu trabalho de lado e fiz o que meu lobo dizia. Peguei uma bolsa para carregar minhas roupas comigo. Eu não sabia o quão longe meu lobo me levaria, mas não importava, o mínimo que eu poderia fazer por ele era isso.

Entrando na floresta eu tirei as roupas e coloquei todas na minha bolsa e mudei para a forma do meu lobo preto como âmbar negro e peguei a bolsa commeus dentes.

Deixei Kye assumir o controle total. Ele estava correndo como um louco. Estávamos longe da nossa matilha agora.

Kye estava se aproximando do território dos bandos vizinhos. Desacelera. Estamos fora de nossa matilha, disse a ele retomando o controle.

Precisamos ir até lá, ele disse.

Por quê? Eu respondi.

Você não consegue sentir isso? Ele disse.

Havia essa atração peculiar em direção ao nosso bando vizinho, mas apenas em uma direção.

Eu não sabia o que era, eu poderia possivelmente estar caminhando em direção à minha morte, mesmo se eu soubesse que esta matilha era amigável e inofensiva.

Coloquei minhas roupas e meus pés caminharam com vontade própria.

Esta floresta era muito bonita e limpa. Como se não houvesse galhos ou folhas no chão. Não era nada como a floresta da minha matilha. Dava até para imaginar que tinha alguém cuidando desta floresta. Deixar essa floresta limpa deve ser um trabalho árduo, como eles fazem isso? Como eles têm tempo?

Conforme andava para o interior do território da matilha vizinha, percebi um cheiro doce ficando mais forte. Era o cheiro fresco de lírios misturado com sândalo, era forte, mas suave e calmo ao mesmo tempo.

Foi inebriante. Eu estava tonto. Isso era estranho. Um sentimento familiar e há muito esquecido tomou conta de mim. O que era isso? Eu conhecia esse sentimento, mas de onde?

Meu lobo estava quieto agora, como se esperasse pelo meu próximo movimento. Eu não parei, não era mais meu lobo me puxando, era eu.

E então uma garota apareceu à minha vista. Não, não é uma garota. Uma jovem mulher. Ela estava andando em volta das árvores e girando como se estivesse livre pela primeira vez em muito tempo.

Ela estava usando um vestido longo branco fluido, que complementava cada curva de seu corpo frágil. Ela parecia leve como uma pena, ela quase flutuava.

Sua beleza era como nenhuma outra, ela era um tesouro feito à mão. Seu cabelo escuro brilhava sob o luar enquanto deslizava sob suas costas.

Meus pés continuaram andando em sua direção e então ela pegou um tecido do chão, foi então que ela me notou e olhou nos meus olhos.

Seus olhos eram perfeitos, uma mistura de prata com verde floresta, seus lábios eram carnudos e cheios, e sua pele parecia macia como porcelana, sem qualquer falha ou marca.

Era a representação mais precisa de uma deusa. Ela era perfeita, angelical.

Ela quebrou o contato visual e colocou o tecido que pegou no chão, era uma capa. Ela cobriu a cabeça com um capuz, mas mesmo assim continuei caminhando em sua direção.

Algo me fez parar. Companheira! Meu lobo disse sem fôlego.

Companheira? Não. Isso não poderia ser!

Ela se virou para mim, mas estava olhando para os pés, não pude ver seu rosto.

Ela era minha segunda chance. Eu olhei de volta para a lua.

Por que Deusa da Lua? Por que você puniu esta mulher com um companheiro como eu? Não posso tratá-la como uma companheira merece. Eu não poderia permitir sentir isso novamente, pelo bem da minha matilha.

Mas agora que a conheci, não poderia ficar sem ela e ela sem mim. Eu nunca seria um companheiro digno para ela nem tentarei. Lamentei a deusa da lua por não ser um companheiro digno.

Ela estará perto o suficiente para não perdermos a cabeça, mas não vou deixá-la se aproximar do meu coração. Não podia deixar a história se repetir.

“Qual o seu nome?” Eu perguntei a ela.

“Meu nome é Adelie Murrell.”

Sua voz era angelical e doce, ela falava com graça e elegância e, embora estivesse olhando para baixo, sua postura era perfeita.

“Eu sou o Alfa da Matilha dos Caminhantes da Noite Kairos Garcia.”

Minha declaração quase a fez olhar para mim, mas ainda sob aquele capuz eu não conseguia vê-la. Ela deve saber quem eu era. Me pergunto qual versão da história ela ouviu.

“Você virá para a minha matilha?” Perguntei a ela.

Ela hesitou por um segundo “Eu suponho. Se é isso que devo fazer, Alfa. ”

“Diga ao seu Alfa que vou buscá-la amanhã, arrume suas coisas e esteja pronta às 5 da tarde. Eu irei pessoalmente acompanhá-la até minha matilha,” falei em um tom exigente. E sem olhar para trás, voltei para minha matilha.

Meu lobo não disse nada. Ele estava louco por não abraçá-la. Eu não pude. Mas também não poderia rejeitá-la, isso iria matá-la e a mim. Poucos lobisomens sobreviveram à rejeição e, se o fizeram, a maioria enlouqueceu.

A rejeição é o crime mais selvagem que existe.

Voltei para minha casa e imediatamente liguei minha mente ao Beta. Eu preciso de você agora no meu escritório!

Ele não respondeu, mas eu sabia que ele entendeu. Eu perturbei o seu sono, mas não podia esperar até amanhã.

Beta entrou em meu escritório “Alfa. Qual é o problema a esta hora da noite? ” Ele tinha me pedido para consertar sua jaqueta. Presumo que ele apenas a colocou porque estava com pressa.

Recostei-me na cadeira e disse “Fui correr …” parando no meio da frase.

O Beta franziu as sobrancelhas “O quê? Havia vampiros? Ladrões? ” Eu balancei minha cabeça rapidamente.

“Não … eu conheci … conheci uma jovem mulher lá” eu disse e esperei sua reação.”Uma mulher que acabou por ser minha segunda chance, minha companheira.″

Ele sorriu, “Que notícia maravilhosa”, exclamou, mas logo mudou sua reação quando me viu olhando fixamente para o chão.

“Mas … você não está feliz, Alfa? Por que isso? ”

“Se eu soubesse que a deusa da lua estava pensando em me dar uma segunda chance. Eu teria implorado a ela para não fazer isso,” eu disse batendo meu punho na mesa. Isso fez meu Beta ficar em algum lugar entre zangado e triste.

“Mas o bando … eles merecem ter uma Luna,” ele disse. E esse é um dos motivos pelos quais não pude simplesmente deixá-la ir.

“Sim. E é por isso que ela vem aqui amanhã.” Eu me mantive o mais inexpressivo possível.

“Ela está vindo porque ela é a Luna e não porque ela é sua companheira?” Ele perguntou, confuso.

“Ela não será minha companheira!” Eu exclamei.

“Você não a quer, mas ela está vindo mesmo assim?” Ele riu zombeteiramente. “Você não pode lutar contra o vínculo de companheiro.”

“Eu posso! E eu farei,” eu disse levantando minha voz. “E eu farei isso com todas as minhas forças. Ela não vai me cegar de novo. ”

“Alfa, dê uma chance a ela, dê uma chance a si mesmo”, ele disse. Como poderia dizer isso depois do que aconteceu com a Luna anterior? “Ela não será como … ela. Você precisa… “

Eu o interrompi. “Já chega Beta. De manhã, avise a matilha sobre sua chegada! “

″Alfa, você está sendo injusto, eu daria tudo para ter uma companheira, assim como todos os outros lobos sem relações,”ele meio que gritou para mim, batendo a porta atrás de si.

Ela será como qualquer outro membro da matilha apenas vivendo sob o mesmo teto que eu. O vínculo do companheiro não terá poder sobre mim …

 

Leia o livro completo no app do Galatea!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Caindo na Real

Desde jovem, Maya Hamilton era uma garota festeira, e tudo que mais amava era se soltar e fazer o que bem entendia. Jace Parker era um garoto de fraternidade irresponsável que tinha uma queda por garotas festeiras: eles eram perfeitos um para o outro – até que, do nada, ele terminou o relacionamento através de uma mensagem de texto. Agora, dois anos depois, eles se reencontram como aluna e professor, e Maya está escondendo um segredo que pode mudar a vida de Jace!

Evie Chase – Por Trás das Câmeras

Evie Chase, de 17 anos, tem de tudo: fama, fortuna e a carreira de cantora dos seus sonhos. Mas depois de lutar contra a ansiedade e as pressões do estrelato, Evie retorna para a sua pequena cidade natal, enfrentando antigos valentões, novos amigos e o garoto que ela deixou para trás…

Classificação etária: 16 +

Autor original: Riss Concetta

Meu Caubói

O pai ausente de Cora lhe deixa uma grande herança, mas há um problema! Ela tem que cuidar do rancho dele no meio do nada por um ano inteiro. Uma garota da cidade em uma cidade pequena, ela não poderia se sentir mais deslocada. Mas quando ela conhece Hael, o cowboy sexy que trabalha em seu rancho, a vida no campo fica muito mais emocionante…

O Convite do Alfa

Georgie passou a vida inteira em uma cidade de mineração de carvão, mas só quando seus pais morreram bem na sua frente é que ela percebeu como seu mundo realmente é brutal. Justamente quando ela pensava que as coisas não podiam piorar, a jovem de dezoito anos tropeça no território de uma matilha reclusa de lobisomens que, de acordo com os rumores, são donos das minas. E seu alfa não está muito feliz em vê-la… Ao menos no início!

O Guardião Possessivo

Quando a colega de quarto de Kara diz que seu primo vai dormir no sofá por algumas noites, Kara não se importa muito. Até que ele aparece, e eles incendeiam os mundos um do outro.

A Serva do Dragão

Viaje no tempo com esta reinterpretação medieval da fumegante ~Cidade Réquiem~! Madeline serviu aos poderosos metamorfos Dragões da Horda de Réquiem desde que era jovem. Em seu aniversário de dezoito anos, Hael, o próprio Senhor do Dragão, fixa seus olhos verde-esmeralda em Madeline. Ele tem planos ~maiores~ para ela. Madeline será a escrava sexual subserviente que Hael exige? Ou esse dominador ultra sexy encontrou seu par?

Laços Leais

Zoey Curtis está desesperada para sair de seu emprego atual e se afastar de seu chefe idiota! Mas quando ela recebe uma oferta de trabalho como assistente do playboy bilionário Julian Hawksley, ela não está preparada para os desejos ardentes que ele desperta dentro dela…

Grayson, o Alfa

Sequestrada quando criança, Lexia se tornou uma guerreira endurecida e está planejando uma rebelião que pode derrubar a hierarquia Alfa. Só há um problema: ela está acasalada com um dos doze Alfas do mundo — e ela não sabe com qual deles. Quando Alfa Grayson aparece com uma proposta interessante e um olhar penetrante, os planos mais bem elaborados de Lexia são postos em xeque. Ela finalizará seus planos ou cederá ao coração?

Classificação etária: 18 +

Disclaimer: observe que esta história não está diretamente conectada a O Roubo do Alfa, que é uma adaptação imersiva e reinventada de Alfa Kaden. Esta história faz parte da versão original do autor da série Alfa e você pode apreciá-la como uma história independente!

Nota: Esta história é a versão original do autor e não tem som.

Estrada de Aço

Paxton é filha do xerife local. Connor é o líder do Clube de Moto dos Cavaleiros Vermelhos. Suas vidas colidem depois que Paxton volta para casa, para a pequena cidade em que ela cresceu. As faíscas voarão ou o romance deles levará a cidade inteira a uma ruína?

Química

Faz tempo desde a última transa de Emily. E o último relacionamento? Foi há tanto tempo que ela mal se recorda. O que significa que está na hora de um ter um caso bem picante. Emily está preste a conhecer alguém que vai deixá-la em chamas.